20/09/2019 às 08h12min - Atualizada em 20/09/2019 às 08h12min

Incêndio no Pau Furado chega ao quarto dia e atinge propriedades vizinhas

Chamas no local iniciaram na noite da última terça-feira (17) no perímetro de Uberlândia

SÍLVIO AZEVEDO
Corpo de Bombeiros realiza trabalho de contenção do fogo no Parque do Pau Furado | Foto: Aniceto Pereira de Souza
O incêndio que devasta o Parque Estadual do Pau Furado, entre Uberlândia e Araguari, desde o início da noite de terça-feira (17) segue avançando em direção ao Rio Araguari e já começa a atingir propriedades rurais vizinhas ao parque. Equipes retornaram ao local na manhã desta sexta-feira (20) para tentar controlar o fogo pelo quarto dia de combate. 

Uma dessas propriedades é a de Osmar José Pereira da Silveira, dono de 58 alqueires bem ao lado da área de preservação. Segundo o produtor rural, as chamas já consumiram cerca de 20% da área de proteção da fazenda, que está servindo como base de apoio para a força-tarefa que atua no combate ao incêndio.

“Minha reserva toda está sendo queimada. As árvores novas queimaram. Nós tivemos que queimar a braquiária entre 50 e 100 metros da divisa para cercar o fogo dentro da reserva para ajudar no combate”, disse o produtor, em entrevista ao Diário.
 

E o cenário é o pior já visto pelo fazendeiro. “Eu estou com 61 anos e nunca vi o mato queimar desse jeito. Estou preocupado, pois nunca aconteceu isso. Minha maior preocupação é o fogo atingir o bananal, que é de onde tiro meu sustento. Mas, diante do que aconteceu, faltam apenas dois pontos para terminar de fechar a proteção da plantação. Meus funcionários estão desde terça-feira pelejando para ajudar a controlar o fogo”.

A força-tarefa que trabalha no combate ao fogo conta com aproximadamente 40 pessoas, entre eles oito policiais militares e o helicóptero Pégasus, 22 oficiais do Corpo de Bombeiros, cinco servidores do Instituto Estadual de Florestas (IEF), quatro brigadistas voluntários e uma construtora, que cede um caminhão-pipa para o transporte de água e uma patrola.

O Corpo de Bombeiros segue com um efetivo que começa os trabalhos já às 5h, juntamente com outros membros da força-tarefa. De acordo com o capitão Rodrigo Avelar, o relevo do local acaba dificultando os trabalhos, que quase foram finalizados ainda no primeiro dia.

“Quando chegamos, encontramos chamas elevadas, pois a vegetação está muito seca devida a pouca chuva desse ano. A vegetação estava muito alta. Quase conseguimos extinguir o fogo no primeiro dia, mas com a dificuldade do relevo, tivemos que interromper os trabalhos e voltar no outro dia. Mas com o clima quente, teve continuidade do incêndio”.

Com o fogo não dando trégua e se alastrando para outras partes da vegetação, o cansaço é evidente entre os membros da força-tarefa. Mas, segundo o oficial do Corpo de Bombeiros, o trabalho não pode parar. “Toda turma está desgastada. Você dorme tarde, acorda cedo, preocupado com a segurança do efetivo. Você tem um desgaste fisicamente e psicologicamente. Mas a gente dorme, renova as energias para recomeçar no dia seguinte”.

O brigadista voluntário do Parque Estadual do Pau Furado Aniceto Pereira de Sousa estava desolado com a situação após encontrar toda a área ambiental sendo destruída pelo fogo. “Quando chegamos encontramos tristeza. Você vê só cinza, animais mortos, impacto na fauna, com árvores mortas e outras caindo”.

Segundo o brigadista, o fogo começou na ponte do Córrego do Marimbondo e seguiu rapidamente no sentido da sede do parque. “Como o tempo está seco, sem umidade, a propagação do incêndio é rápida. A sede do parque ficou ilhada pelo fogo. Estamos desde terça-feira combatendo o fogo no parque e na fazenda do seu Osmar. Como a braquiária está muito seca, qualquer vacilo, se pegar fogo, perde-se o controle”.

O IEF não soube precisar o tamanho da área atingida pelo incêndio até o momento. Somente depois do encerramento da ocorrência é que o órgão deverá calcular com exatidão quanto da área preservada foi queimada.
 
Dia teve ao menos oito ocorrências de incêndio
Além dos trabalhos no Parque Estadual do Pau Furado, o Corpo de Bombeiros informou à imprensa que somente nesta quinta-feira (19) foram registrados mais oito focos de incêndios que precisaram do combate por parte da corporação. De acordo com o comandante do 2º Comando Operacional de Bombeiros de Uberlândia, coronel André Humia Casarim, são dadas prioridades para os incêndios de grandes proporções.

“São vários militares virando noite e dia para atender a todos os incêndios em várias partes da cidade. Nós temos que dar prioridades aos atendimentos, que agora, são os de grandes proporções, como o que está ocorrendo entre as BRs 497 e 365. Existem militares chegando de Brumadinho agora, nem jantaram direito e estou encaminhando para o local”, disse no fim da tarde de ontem.

Os oito focos ocorreram na 497, MGC-452 e no perímetro urbano.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »