10/06/2019 às 16h51min - Atualizada em 10/06/2019 às 17h39min

Primeiro óbito por influenza é confirmado em Uberlândia

Vítima foi uma mulher de 61 anos atendida na rede pública, segundo a Secretaria de Saúde

MARIELY DALMÔNICA
Vacinação contra o vírus influenza na cidade finalizou na última semana | Foto: Marco Crepaldi/Secom/PMU
O primeiro óbito por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) por Influenza foi confirmado em Uberlândia nesta tarde. De acordo com o Boletim Epidemiológico divulgado pela Secretaria de Saúde do Estado de Minas Gerais (SES-MG), o subtipo foi H1N1. A Prefeitura de Uberlândia informou que a vítima da doença foi uma mulher, de 61 anos, atendida na rede pública de saúde. 

Há cerca de duas semanas, o primeiro caso de influenza de 2019 foi confirmado no município. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, o subtipo foi H3N2 e o paciente já havia recebido alta quando a confirmação foi divulgada.

Na regional de Uberlândia, que abrange 18 municípios, foram registrados dez casos de SRAG por outros vírus respiratórios e dois óbitos, 32 casos e dez mortes por SRAG não especificada. Uma morte e 32 casos por SRAG ainda estão em investigação. 


Em todo o estado foram notificados 1.354 casos de SRAG hospitalizado, destes, 75 foram confirmados por SRAG por Influenza e 166 casos para outros vírus respiratórios. Dos casos confirmados por influenza, 96% foram por Influenza A e 1,3% por Influenza B. Entre os vírus A, o subtipo identificado com 87,5% foi o influenza A(H1N1), 6,9% são de influenza A/H3, 2,7% são de influenza A não subtipado e 2,7% são de influenza A não subtipável. 
 

Em Minas Gerais 123 óbitos por SRAG foram notificados, desses, 23 tiveram associação a vírus respiratórios. Onze foram ocasionadas pelo influenza A(H1N1) e 12 associadas a outros vírus respiratórios. Andrelândia, Campo Belo, Juiz de Fora, Leopoldina e Uberlândia registraram um óbito cada uma e Belo Horizonte notificou seis mortes.

OUTRO CASO SUSPEITO
Desde abril, o Diário de Uberlândia monitora um caso de óbito por suspeita do vírus na cidade, de uma mulher de 73 anos. Na ocasião, o Município informou que a causa da morte da paciente era tratada como suspeita de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). 


A avaliação de prontuário e exames realizados em uma Unidade de Atendimento Integrado (UAI) já estavam sendo providenciadas pela equipe médica Vigilância Epidemiológica. Contudo, a confirmação ou negativa da doença só pode ser feita após os resultados definitivos da sorologia específica.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »