05/05/2019 às 11h22min - Atualizada em 05/05/2019 às 11h22min

Informação e cuidados com a saúde incentivam imunização contra influenza em Uberlândia

Apesar dos boatos, população tem consciência sobre a importância da vacinação

CONTEÚDO COLABORATIVO*
Dia D para intensificar a imunização ocorreu em Uberlândia durante o sábado (4) | Foto: Marco Crepaldi/Secom/PMU
Quem já se vacinou contra a gripe em 2019 garante que a imunização é importante para a manutenção da saúde ao longo do tempo. Neste sábado (4), dia D da Campanha de Vacinação contra a Gripe, João Oliveira, 60 anos, foi logo cedo ao posto de vacinação do bairro São Jorge e disse que para ele a vacina tem sido eficaz. “Não contraí a doença nas quatro vezes anteriores que me vacinei. Tenho dois tios que não se vacinam devido ao medo gerado por boatos de que essa é uma das formas de contrair a doença”, disse.

Apesar dos boatos e informações desencontradas, divulgadas principalmente por meio de redes sociais, há quem prefira garantir sua imunização. É o caso de Ivanir Souza. “Sempre que tiver campanha, tem que tomar vacina sim. Os comentários não podem nos influenciar”, orienta.  A esteticista Ana Carla garantiu sua dose no primeiro dia da campanha. Nesse sábado, ela aproveitou o “Dia D” para imunizar os filhos Luciana, 5 anos, e Diogo, 1 ano. Tem experiência positiva com a vacina e não tem medo dos comentários negativos.

A vacina contribui também com portadores de doenças crônicas, como Dona Marisete, de 53 anos, que tem bronquite asmática. Ela recebeu a dose da na UAI do bairro Tibery. “Tomo vacina já tem uns 5 anos, depois de todo esse tempo, eu praticamente não pego mais gripe. A qualidade da minha saúde melhorou quase 100%. Quero viver mais uns 50 anos e por isso acho importante manter meu cartão de vacinação em dia”, brincou.

Denise, 23 anos, mãe de Luís Gustavo, ficou sabendo da campanha pela TV e internet. De passagem pelo Terminal Central, aproveitou para fazer a vacinação do filho. “Trago ele todo ano”, disse, reconhecendo a importância da vacinação. “Tenho uma conhecida que não faz a vacinação do filho dela porque não gosta, não acha certo vacinar, acha que traz problemas”.

DESINFORMAÇÃO
No posto de vacinação instalado no Terminal Central, uma senhora de 62 anos, que preferiu não se identificar disse que há quatro deixou de se vacinar, depois de sentir algumas reações indesejadas. Ela é tutora da mãe, que tem 89 e também parou de participar das campanhas de vacinação. “Não acredito nos benefícios da vacina, minha mãe e eu tivemos reações como febre, dores de cabeça e dores musculares. Por isso resolvi não tomar mais e não levo minha mãe também”, contou.

Cláubia Oliveira, Coordenadora do Programa Municipal de Imunização, informou que o Dia D tem justamente esse objetivo de informar e alertar a população. Além disso, é feito um trabalho alternativo para alcançar os públicos prioritários. “Fizemos uma parceria com a Secretaria de Educação e durante o mês de maio vamos visitar as escolas de educação infantil, com o objetivo de aumentar a quantidade de crianças a serem vacinadas”, explicou.

Até a última sexta-feira, mais de 77 mil pessoas já tinham comparecido aos postos de vacinação de Uberlândia. A dose é gratuita e protege contra três das cepas do vírus, sendo o principal o H1N1. A influenza é uma infecção aguda do sistema respiratório. Tem por sintomas febre acima de 38°, dor muscular, dor de garganta, cefaleia, tosse seca, olhos avermelhados e lacrimejantes. Sintomas normalmente confundidos com o resfriado. Porém o resfriado gera sintomas menos intensos e normalmente não é acompanhado de febre.

* Reportagem de Kauê Altrão, Jonatha Antônio, Gian Alves Pinheiro, Marília Aparecida Costa Barbosa, alunos do curso de Jornalismo da ESAMC Uberlândia, sob supervisão da professora Adriana Sousa.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »