17/11/2018 às 06h30min - Atualizada em 17/11/2018 às 06h30min

Uma história que completa 8 mil edições

Dos 31 anos de mercado, há quase dois o jornal mudou sua linha editorial e segue com credibilidade levando informação isenta aos leitores

CAROLINA PORTILHO
Foto: Celso Ribeiro
A primeira atividade do dia do aposentado e corretor de seguros Leon Diniz Nogueiras, de 60 anos, é ler o Diário de Uberlândia. Por volta das 5h30, o impresso já chega à casa dele, que a partir daí começa o dia. Essa rotina faz parte da vida do senhor Leon desde o dia 1º de janeiro de 2017, data em que o Diário do Comércio passou a ter como linha editorial o foco no jornalismo.

Leon é o terceiro assinante do Diário após essa nova roupagem. Além de acompanhar a leitura dos fatos da cidade, o corretor guarda todas as edições. “Levo tudo para a minha chácara, em Araguari, e sempre que preciso de algo ou quero relembrar um fato eu recorro ao jornal guardado. Gosto de me manter informado sobre o que acontece na cidade e minha preferência é o impresso. Sei que a internet ajuda muito, mas na minha visão, o impresso passa mais credibilidade, e acaba estimulando mais o cérebro ler por meio do papel. Gosto tanto de ler o Diário de Uberlândia que sinto falta da edição de segunda, que não tem.”

O comerciante Cecílio Jorge Neto, 54 anos, também é parte dessa nova fase do jornal, hoje o único impresso noticioso de circulação diária da cidade. Ele é o segundo assinante do Diário e desde o dia que recebeu a primeira edição em sua residência se identificou com a proposta. “Nesse período percebo uma evolução na qualidade do jornal, tanto de conteúdo com a exploração de assuntos diversos e inclusive de fontes, como de layout, que está mais atrativo e com páginas coloridas. Eu assinava outros impressos, mas com a correria do dia a dia dei prioridade para o que é local, valorizando um produto de casa”, declara.

Há dois anos, a história do Diário se encontra com a de Leon, de Cícero e de tantos outros assinantes, mas antes mesmo dessa nova linha editorial, o veículo já fazia história na cidade com foco na publicação de classificados. São 31 anos de mercado, completando hoje 8 mil edições nessas mais de três décadas.

Juliana Marques, diretora comercial do Diário, faz parte desse novo momento e compara o início e a atual situação do periódico. “No primeiro ano [2017] lutamos para mostrar aos anunciantes e aos leitores que nosso produto era de qualidade. A ousadia de transformar totalmente o Diário por um lado assustou, mas por outro impactou positivamente nos clientes, que se sentiram confiantes com a equipe que se formava e com a proposta de atender às particularidades de cada um. Hoje o produto se vende sozinho por já ter criado raízes, dando a certeza de que a mudança veio para ficar”, disse.

Ela também destaca que a proximidade com o cliente foi fundamental para estreitar as relações comerciais, além da flexibilidade de negociação e de oferecer formas diferentes de anunciar.

“Priorizamos pelo atendimento mais humanizado, ouvindo e entendendo o anunciante e também ampliamos os formatos de anúncios e mídias. Todo esse conjunto de fatores e ações reflete no aumento do número de anunciantes, tanto nas edições diárias quanto nas especiais. No aniversário de Uberlândia deste ano, por exemplo, crescemos 198% em número de anunciantes em comparação com a publicação de 2017. Esse dado mostra que os clientes estão enxergando o produto como, de fato, importante para a cidade e para os negócios.”

O crescimento também está nas assinaturas. De acordo com o coordenador de Circulação do Diário, Eurípedes Júnior, a distribuição do jornal era concentrada na região central e hoje está de uma ponta a outra da cidade. Ele também relembra o início da operação e do método adotado para conquistar os clientes.

“Quando o contato era feito e a pessoa dizia que não conhecia o produto, enviávamos um exemplar e a partir daí a fidelização era concretizada. Ao ter o jornal nas mãos, qualquer tipo de dúvida sobre a qualidade do material era sanada e de fato ocorria a assinatura. Desde então, temos um tratamento diferente com o nosso público. Não perdemos cliente de forma alguma. Pelo contrário, entendemos a necessidade dele para justamente tê-los do nosso lado”, disse.


Cecílio Jorge Neto e Leon Diniz Nogueiras, os primeiros assisnantes da nova fase do Diário
Foto: Divulgação


BANCAS
Hoje, o jornal está à venda em quase 50 pontos da cidade, entre bancas, panificadoras e outros estabelecimentos. Para seguir avançando, Júnior disse que há estudos logísticos para alcançar novas rotas. “A expansão é gradativa, mas quando penetramos em uma região, dificilmente somos abandonados. Nosso índice de renovação de assinaturas é de 90% e isso significa que nossos leitores estão satisfeitos com o conteúdo apresentado.”

ARQUIVO PÚBLICO
História do Diário passa a ser preservada


As edições do Diário de Uberlândia agora fazem parte do Arquivo Público Municipal, que conta hoje com cerca de 25 mil fotos, além de mais de 8 mil caixas com documentos do Executivo, 800 jornais, 10 mil processos da Câmara de Vereadores, atas, entre outros. O único veículo impresso se junta a esse volume que trata da construção da história da sociedade.

As publicações do jornal estão sendo catalogadas e encadernadas para preservação do documento e uso como fonte de pesquisa. “É através dos registros de cada dia que se faz uma interpretação para contar histórias locais. Com isso, teremos a memória dos fatos que abrangem diversas frentes e áreas da cidade como cultura, economia, esporte, educação. São através dos documentos do passado que podemos projetar o futuro”, disse a coordenadora do Arquivo Público, Carla de Oliveira Rezende Abreu.

Especial
A coragem para construir uma mudança


Felipe Faria conta que acreditou na oportunidade do mercado e enaltece o trabalho
a equipe | Foto: Celso Ribeiro


Anoiteceu classificados e amanheceu editorial. Assim foi marcada a mudança do Diário de Uberlândia e como todo recomeço a dúvida:  será que esse produto é realmente de qualidade? Esse questionamento foi feito, na época, entre os quatro cantos da cidade, mas o empresário Felipe Faria, que adquiriu o Diário do Comércio em julho de 2010, estava certo da sua escolha e que aos poucos as pessoas enxergariam o jornal como um veículo sério, feito por profissionais competentes e com a função de informar com total isenção os fatos da cidade.

“O Diário já era rodado em formato de classificados e a gráfica [Gaia, também do Felipe] já existia. Estávamos prontos e o mercado se abria para essa oportunidade, mesmo em um cenário em que muitos veículos nacionais estavam fechando. Era preciso coragem, que eu sempre tive, e a coragem anda ao lado de quem tem sorte e a minha sorte era estar pronto. A dúvida de muitos em relação à qualidade do jornal e sua durabilidade foi sanada em pouco tempo por conta do papel isento que atuamos desde o início”, disse Felipe.

O empresário está confiante no futuro e planeja não só ampliar a cobertura de atuação do jornal, mas de levar ao leitor ainda mais conteúdo local com a chegada de profissionais, como, por exemplo, os novos colunistas que somarão à equipe. “Eu não vejo o mercado de impresso em queda e aposto cada vez mais no nosso produto. Cada um que já passou pelo Diário de Uberlândia deixou sua importante contribuição e os que estão nessa fase sabem muito bem conduzir suas atividades com total competência, e o mais importante é a integração entre as áreas. Cada um é peça importante que faz essa engrenagem rodar. Agradeço todos que estão nesse processo, à minha família e em especial à minha mãe e minha esposa Juliedda. Sem elas nada disso seria possível”.

Antes mesmo do jornal ser distribuído na cidade, ele passa pelas mãos do Luiz Carlos Brito da Conceição, que foi contratado pela Gráfica Gaia para cuidar de todo o processo de impressão do Diário. Ele é o primeiro a ler as notícias de cada edição e diz ter orgulho de acompanhar a evolução do periódico. “É gratificante fazer parte desse processo e ver que estamos crescendo em conteúdo e mercado. A qualidade das matérias é inquestionável, ouvindo todas as partes, e com isso faz com que tenhamos força”.

Quem também faz parte do quadro de funcionários da gráfica é o gerente geral Marco Túlio de Oliveira. Ele compara os sete mil giros por hora com os atuais 30 mil giros por hora. “A capacidade de produção da gráfica é quase quatro vezes maior que há quatros anos. Isso significa que temos atendido nossos clientes com respeito em todo material que trabalhamos como folders, sacolas, embalagens, entre outros produtos, inclusive o Diário de Uberlândia”.

Ao lado do Felipe desde o início da gráfica está o Raul Chester de Faria, que também faz um comparativo de antes e depois da empresa. “Temos mais máquinas, inclusive mais modernas, que vêm permitindo a entrega de produtos com mais qualidade ainda. Enquanto muitas empresas do setor estão fechando, nós estamos crescendo”.


Raul Chester de Faria, Luiz Carlos e Marco Túlio de Oliveira | Foto: Celso Ribeiro

Mais opinião 
Página2 terá quatro novos colunistas


A partir da próxima semana, o Diário de Uberlândia contará com oito novos colunistas, quatro para o primeiro caderno e outros quatro no Diversão & Arte, que se somam ao time já composto por mais de 20 profissionais gerando conteúdo. Vários temas serão tratados enriquecendo o conteúdo do jornal e levando pontos de reflexão com a visão de especialistas que dominam os temas propostos. Confira quem são:

Crônicas da Cidade com Antonio Pereira


O historiador Antonio Pereira participará toda terça-feira do Diário de Uberlândia com o tema Crônicas da Cidade, divulgando fatos e revivendo momentos históricos de Uberlândia, que desde a sua emancipação conta com mídia impressa. A preocupação dele de Uberlândia ficar sem veículo impresso foi logo suprida com a virada da linha editorial do Diário. “Foi oportuno e importante para a cidade essa entrada do Diário com foco em notícias. Não ficamos sem rumo. O impresso, na minha visão, tem muito valor. É um documento e dá um impacto maior do que a internet. Por isso, fazer parte do Diário é importante para manter vida essa história da cidade”.

Comunicação Eficaz com Fernando Cunha


Graduado em Comunicação Social e pós-graduado em Gestão de Comunicação e Marketing. Há quase 30 anos atua como locutor, repórter e apresentador de rádio e TV. Atualmente é apresentador da TV Câmara Uberlândia, colunista de Comunicação Eficaz na Rádio América (AM 580) e palestrante. Fernando também já atuou como professor universitário. Com a coluna no Diário, ele pretende oferecer reflexões sobre diferentes estratégias de comunicação que, se aplicadas, podem ajudar o leitor a conseguir melhores resultados e transformações na sua vida pessoal e profissional.

"É com muita alegria e espírito de comprometimento que assumo essa missão, alinhada ao meu propósito de orientar as pessoas no sentido de elevar o padrão de comunicação delas em busca de melhores resultados e transformações na vida pessoal e profissional", disse.


Democracia Hoje com João Batista Domingues Filho


Cientista político e professor universitário pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) desde 1993. Na bagagem conta ainda com a publicação do livro Planejamento Governamental e Democracia no Brasil, além de um mestrado na área de planejamento governamental e doutorado em fase final com foco em orçamento público federal. João Batista estará no Diário todas as quintas e sua expectativa é discutir a construção da democracia no Brasil e os rumos para se tornar um país desenvolvido. “O espaço será oportuno justamente para tratar sobre esse assunto que é amplo. Acredito que será uma oportunidade de expor meu conhecimento sobre o tema e dividir isso toda semana com os leitores servirá de reflexão”.




Empreendedorismo e inovação com Mariana Segala

Jornalista especializada em economia e finanças. Por sete anos, trabalhou nas redações de veículos de comunicação como Agência Estado, Brasil Econômico e EXAME. Atuou como freelancer, a partir de Uberlândia, colaborando com publicações na EXAME, Valor Econômico, Você S/A, Capital Aberto, Carta Capital, entre outros. É parceira da Dialetto - agência de assessoria de imprensa e inbound marketing para empresas do setor de tecnologia - na região Sudeste. Toda sexta-feira, Mariana trará informações na sua coluna sobre empreendedorismo, tecnologia e inovação. “Fui me aproximando desse tema a partir do surgimento de empresas de tecnologia e startup, por exemplo, que cada vez mais ganham espaço no mercado de Uberlândia. Tratar esse assunto no Diário é uma oportunidade fantástica de consolidar esse envolvimento que tenho com o tema e de poder compartilhar esse conhecimento com o leitor que poderá ter uma visão mais ampla sobre esse mercado na cidade”.

AQUI você confere uma entrevista com os outros quatro colunistas novos do Diário: Enzo, Nando Lopes, Ivone Assis e Celso Machado.

RELATOS DE QUEM FAZ PARTE DESSA HISTÓRIA

Antônio Moura - Agência Libre Propaganda
“Somos parceiros do Diário ainda quando o veículo tinha como foco os classificados. Somos uma agência de publicidade que desenvolve peças para os clientes com foco em campanhas de varejo ou institucional e esse material vai parar nas páginas do jornal, que impacta positivamente nos negócios dos nossos clientes. É um meio de muita credibilidade, respeito e reconhecido pelo papel que desempenha. A onda de fake news na internet, na minha visão, deu mais força ainda para a mídia impressa que acaba passando mais segurança”.




Dione Borges – presidente da APP
“A nova história do Diário começou com a pretensão de ocupar o espaço que estava aberto. Foi feito investimento em profissionais, mudanças na gestão e no próprio visual do jornal. Com isso veio o respeito e a orfandade que foi sentida acabou sendo suprida. Outros jornais tentaram entrar no mercado, mas sem sucesso. A mídia impressa é tradicional e cada vez mais tem assumido um papel analítico, bem diferente do que a internet oferece, que são conteúdos mais rasos. O impresso passa essa credibilidade e essa realidade ninguém muda. Nada de saudosismo quando falamos de impresso. Pelo contrário. Cada vez mais vejo essa mídia se fortalecendo”.




Célio Rodrigues – gerente da Reikol
“Anunciamos o ano todo no Diário de Uberlândia e temos retorno com esse investimento. O veículo tem boa tiragem, leitores e formadores de opinião, o que resulta em bons resultados para nós. Toda mídia é importante, mas o impresso ainda tem o seu valor, a sua relevância. Não pode deixar de existir, não só pelo hábito, mas pela credibilidade que passa, ainda mais sendo um jornal local, hoje o único de circulação diária da cidade”.



Régis Eduardo Vasconcelos – diretor da Velox
“Para o nosso tipo de negócio valorizamos a mídia impressa, que sempre fez parte da nossa estratégia de comunicação promocional. A evolução do Diário é nítida e ficamos satisfeitos, pois ganha a cidade, os leitores, os anunciantes e demais envolvidos. Uberlândia é pulsante e merece um veículo à altura. Nossa expectativa é que o jornal se consolide cada vez mais para continuarmos essa parceria, que rende frutos”





Larissa Zilioli, gerente de marketing do Center Shopping Uberlândia
"O Center Shopping parabeniza o Diário de Uberlândia e ressalta a sua relevância como fonte de informação e referência em veículo impresso. Diariamente temos acesso ao que acontece não apenas na cidade, mas na região e até no Brasil, por meio das reportagens e artigos elaborados pelos profissionais de qualidade que são parte deste jornal. Temos orgulho de ser parte desta história anunciando diariamente nossas atrações nesta publicação, o que torna um elo entre nós e os clientes. Parabéns e muito mais sucesso!"




Fredson Dourado - Superintendente do Uberlândia Shopping
“O Jornal Diário de Uberlândia é de extrema importância para a cidade. A meu ver, mesmo diante desta tecnologia patente de hoje, o jornal impresso nunca perderá o seu posto se for popular, dinâmico e inteligente. A transição do jornal que antes era apenas de anúncio, para um informativo, veio em boa hora. Uma cidade com quase 1 milhão de habitantes não poderia ficar sem um jornal impresso. Como leitor, tenho observado como o Diário de Uberlândia cresceu. Sem dúvida, nos bastidores, o Diário conta com uma equipe séria e de grandes profissionais que transformam pautas em conteúdos interessantes e responsáveis. Parabéns aos diretores que ousaram e a toda equipe comprometida que trabalha para que ele chegue em nossos lares e empresas com informações de qualidade!“ 



Yara Mira Mendonça Andrade – Banca Pratic no Terminal Central
“Desde que temos a banca, há 17 anos, vendemos o Diário de Uberlândia, mas o impacto maior tanto nas vendas, quanto na percepção das pessoas, veio com a mudança editorial. A modernização fez toda a diferença, pois antes não abrangia os fatos da nossa cidade e hoje o veículo faz isso muito bem. Precisamos de um veículo impresso com notícias boas e atualizadas, assim como vem sendo feito pelo Diário. Já é expressivo o reconhecimento do veículo junto aos leitores e isso mostra que o Diário está no caminho certo”.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »