10/07/2018 às 14h17min - Atualizada em 10/07/2018 às 14h17min

Servidores da rede estadual de Educação paralisam as atividades

Eles cobram pagamento integral dos salários e votação da PEC 49, em pauta nesta terça (10) na ALMG

CAROLINA PORTILHO | REPÓRTER

Os servidores da rede estadual de Educação pararam novamente as atividades em protesto ao pagamento parcelado dos salários. A decisão foi tomada na segunda-feira (9) e, nesta terça (10), o balanço do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE-MG) é que 11 escolas estão paradas, sendo nove parcialmente e duas integralmente. São elas: Messias Pedreiro e Jerônimo Arantes.

Segundo a presidente do sindicato, Elaine Ribeiro, a categoria exige que o pagamento dos salários dos servidores seja feito integralmente até o quinto dia útil e não parcelado em três, cujas datas estão previstas para os dias 13, 25 e 31.

Eles também cobram a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 49/18, que trata da obrigatoriedade de pagamento do piso nacional aos trabalhadores da rede estadual de ensino. O assunto esteve em pauta nesta terça na Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais (ALMG).

O Sind-UTE representa 66 escolas estaduais de Uberlândia, somando cerca de quatro mil servidores. Elaine acredita que mais escolas farão parte do movimento. A reportagem fez contato com a Secretaria de Estado de Educação (SES-MG), que informou que foi notificada pelo sindicado sobre a paralisação e que a mesma deve se estender até o pagamento integral da primeira parcela dos salários. No balanço até segunda, a SES disse que 121 escolas informaram que paralisaram totalmente as atividades, de um total de 3.461 unidades escolares do Estado. 
 
Posição Secretaria de Fazenda

A Secretaria de Fazenda informou, por meio de nota, que as parcelas do pagamento para o mês de julho serão depositadas nos próximos dias 13, 25 e 31 e que os critérios adotados foram: na primeira serão depositados até R$ 3 mil para os servidores da Segurança Pública e da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig). Para os demais servidores serão depositados até R$ 1.500; na segunda parcela os critérios serão iguais aos da primeira; e na terceira parcela serão depositados os valores restantes para todos os servidores. A SEF disse ainda que a terceira parcela, que estava pendente para os servidores inativos que recebem acima de R$ 6 mil, foi depositada no início da tarde de sexta (6).

PEC nº 49/2018

Elaine Ribeiro informou à reportagem do Diário de Uberlândia que esteve nesta tarde na Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais, em Belo Horizonte, para acompanhar a discussão, em 1º turno, da PEC nº 49/2018 que determina que o vencimento das carreiras de Professor de Educação Básica, Especialista em Educação Básica e Analista Educacional não será inferior ao piso salarial nacional. Segundo ela, a votação não ocorreu por falta de quórum e foi adiada para quarta-feira (11).
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »