08/05/2018 às 07h40min - Atualizada em 08/05/2018 às 11h15min

Promotoria ouve clientes lesados por imobiliária

MARIELY DALMÔNICA | REPÓRTER
 
O Ministério Público Estadual (MPE) irá instaurar procedimento para apurar um possível golpe praticado pelos proprietários da Imobiliária Vállory, cujos donos desapareceram com dinheiro dos clientes, conforme noticiado no último sábado (5) pelo Diário de Uberlândia. De acordo com o promotor Fernando Martins, as denúncias ainda estão sendo levantadas. Ontem, parte dos clientes que se sentem lesados pela empresa compareceu ao MPE em mais uma audiência.

Segundo Martins, o MPE dará início a um processo no Programa de Proteção e Defesa do Consumidor nesta semana. “Atendi a uma consumidora que vendeu terrenos através da imobiliária, mas eu não tinha ideia da dimensão do caso. A partir da audiência que foi realizada na semana passada, requisitei um inquérito policial. Agora um promotor ficará responsável pelo caso”, afirmou.

Eduandra Lemes e outras vítimas se reuniram novamente no MPE na noite de ontem. “Um formulário foi entregue para a gente preencher. Também recolheram cópias de alguns dos nossos documentos. Agora estamos aguardando um promotor”, disse a estudante.

Ainda segundo Eduandra, mais de R$ 500 mil teriam sido levados dos clientes e cerca de 50 pessoas já fizeram boletim de ocorrência.
 
ENTENDA O CASO
 
Na semana passada, os quatro proprietários da Imobiliária Vállory, situada na avenida Cesário Alvim, na região central, desapareceram sem pagar os funcionários e, possivelmente, levando parte do dinheiro dos clientes que aguardavam a finalização dos contratos de compra de casas e apartamentos.

Um dos corretores, que não quis ter o nome divulgado, identificou os donos da imobiliária como Mateus Fernando Moreira, Júlia Paula Monteiro, e os pais de Mateus, identificados apenas como Nilson e Jucimeire. Todos eles vieram há menos de dois anos de Curitiba (PR) para Uberlândia, quando abriram a imobiliária, em outubro de 2016.

Os proprietários da imobiliária não foram encontrados nas casas onde moram, nem atenderam aos telefonemas da reportagem do Diário de Uberlândia.

O presidente do Sindicato da Habitação Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba (Secovi) em Uberlândia, que congrega as empresas imobiliárias, Ronaldo Arantes, disse que a Vállory não está entre as filiadas e que a entidade desconhece qualquer informação sobre os proprietários ou sobre a empresa.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »