11/03/2020 às 12h39min - Atualizada em 11/03/2020 às 12h39min

Guilhotina

LEANDRO MAZZINI
O deputado federal Boca Aberta (PROS-PR), no afã de aplausos populares, propôs um projeto de lei polêmico: amputar as mãos de quem for condenado por corrupção – e com serviço feito pelo SUS. A literatura política há décadas traz no bordão popular que, quem tem telhado de vidro, deve evitar atirar pedras nos outros (que são muitos, por sinal, os enrolados com a Justiça). A despeito do camburão de polícia rondando muito de seus colegas, prefeitos, vereadores e gestores públicos Brasil adentro, vale lembrar que Boca Aberta é alvo de processo da Justiça Eleitoral por improbidade administrativa quando vereador em Londrina (PR), sua terra natal. Na ementa da proposta, esqueceu-se de protocolar em que teor de corrupção se encaixaria os eventuais punidos. 
 
Guilhotina 2
Alvo do MP Eleitoral, Boca Aberta conseguiu liminar no Tribunal de Justiça do Paraná para afastar inelegibilidade, no processo que precede sua eleição para federal.
 
Bem defendido
Boca Aberta tem o mesmo advogado do casal Paulo Bernardo e Gleisi Hoffmann na Operação Pixuleco, o doutor Guilherme Gonçalves.
 
Tô fora
Lembram do caso que revelamos do suposto neto do senador Renan Calheiros (MDB), menor que mora com a mãe no Rio de Janeiro? Ele se recusa a fazer o exame de DNA.
 
Dirceu na pista
José Dirceu passa no Recife esta semana para lançar o seu livro Memórias número 1. Depois segue para quatro cidades do interior. Ele só não divulgou a agenda secreta que terá com o governador Paulo Câmara (PSB) sobre uma possível aliança com Flavio Dino (PCdoB), do Maranhão, para disputar a sucessão contra Jair Bolsonaro em 2022.
 
Babel pernambucana
Até ontem, apesar de questionado desde a segunda-feira, o Governo de Pernambuco não explicou à Coluna por que vai pagar R$ 51 milhões para contratar empresa que emprega professores de idiomas (inglês, espanhol e alemão) para curso a alunos da rede pública. O Estado tem professores concursados e terceirizados para tanto, e alemão não é um idioma requisitado na praça.
 
Aliá$..
.. O projeto é antigo, repete-se a cada ano, e faz parte de um programa de intercâmbio de alunos para o exterior. Professores questionam, anonimamente – por medo de retaliação – que são muitos milhões, para poucos alunos beneficiados.
 
Mães & filhos
A ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, lança amanhã o Projeto Piloto Mães Unidas, com acompanhamento de mães e bebês até os dois anos em políticas de saúde e ações sociais. O piloto será em três cidades de Goiás, e prefeituras poderão se cadastrar. 
 
Cadê o Bolsa?
O deputado federal Célio Studart (PV-CE) quer saber por que Nordeste foi preterido em novas vagas no Bolsa Família. Nos seus cálculos, a região tem 36,8% de famílias pobres, e só recebeu 3% dos novos benefícios em janeiro
 
Reparação & Memória
A Lei 23.592 assinada na segunda pelo governador Romeu Zema, de Minas, obriga que cada obra construída em Mariana (MG) e região por verba de indenização pelo crime ambiental, haverá uma placa com o nome das vítimas do rompimento da barragem de Fundão. Gesto cidadão. Nenhuma citação, porém, à mineradora Samarco.
 
Lama abaixo
Em outra Lei (23.590), Zema instituiu o 25 de Janeiro como o Dia de Luto em Memória às Vítimas do Rompimento da Barragem I do Córrego do Feijão em Brumadinho, onde morreram quase 300 pessoas. ‘Esqueceu’ de incluir o nome da Vale.
 
Mundo ‘moderno’
O mundo moderno do atendimento por telefone: leitor cliente da Vivo ficou 28 minutos e 52 segundos ontem na linha na tentativa de apenas mudar seu plano. Passou por três atendentes, e o último desligou a ligação. Deu nota zero no atendimento, claro.
 
Mundo ‘moderno’ 2
Outro cliente, tentando contato com o plano de saúde Amil, por telefone, deu ‘voltas’ na ligação, porque o sistema automático o redirecionava para as mesmas perguntas.

*Esta coluna é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.

















 
 
Relacionadas »
Comentários »