25/07/2019 às 08h46min - Atualizada em 25/07/2019 às 08h46min

Bolsonarismo define Bolsonaro: asshole frouxo

JOÃO BATISTA DOMINGUES FILHO

Brasil à beira do abismo da incerteza, sem inclusão social, distribuição de renda e distribuição da cultura erudita, técnica e científica. Estrutura econômica dissociada da estrutura social. José de Souza Martins profetiza: “Podem chamar economistas, benzedores, pastores, curandeiros, exorcistas, que só aumentarão a fratura e o problema. A distância entre o Brasil escandalosamente próspero e o Brasil escandalosamente atrasado tem ampliado. O Brasil se afogará no aparentemente insolúvel dos Brasis desencontrados.”(Valor,21/06/2019.03). Presidência Bolsonaro aprofunda esse fosso entre os Brasis, reduzindo programas sociais, agenda retrógrada de costumes, governança antissistema e antiglobalização. É o Brasil resistente à compatibilização virtuosa entre democracia e capitalismo, com 13,9 milhões de famílias no Bolsa Família, somados aos 13 milhões de desempregados, com 40 milhões de famílias em situação de sofrimentos inomináveis.

Eleições após eleições nos entes da Federação, o Brasil mantém a dissociação entre a estrutura econômica e a estrutura social, independentemente dos vitoriosos nessas eleições. Não regula as condições de trabalho, não amplia eficientemente os programas de seguridade social, não equaliza oportunidades e não tem investimento público-privado suficiente para entrar num círculo virtuoso de desenvolvimento econômico. Nacionalismo e populismo emolduram o inferno brasileiro. Dedução óbvia para a maioria dos brasileiros: democracia brasileira não serve para nada, a não ser para perpetuar esse Brasil para suas castas privilegiadas por recursos públicos: empresários, políticos e as burocracias pública e privada. Extrema-direita brasileira foi germinada por esse padrão de interação perversa entre capitalismo e democracia. Movimento Bolsonarista é a manifestação social organizada dessa Presidência vitoriosa nas urnas com 57,8 milhões de votos. Extrema-direita neoliberal inimiga declarada das instituições democráticas.

A doutora em Antropologia Social Isabel Oliveira Kalil pesquisa há seis anos o desenvolvimento de movimentos conservadores no Brasil: como pensam, agem e se expressam. Extrema-direita brasileira foi unida a partir do apoio à candidatura de Jair Messias Bolsonaro. Esse estudo etnográfico de Kalil se concentra na região metropolitana de São Paulo. Os perfis de bolsonaristas são diversos: mulheres empoderadas, militares, jovens de periferia, homens de 40 anos e homossexuais conservadores. Cada um nesse movimento bolsonarista vê o Bolsonaro que lhe apetece ideologicamente. Extrema-direita como movimentos sociais se formaram nas ruas criando suas lideranças, com narrativas antissistemas, esperando do capitão-presidente o cumprimento das promessas de campanha antiestablishment não entregues até agora para esses bolsonaristas militantes. Não entregou mudança política radical como o fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Congresso nacional. Esses movimentos de extrema-direita não se reduzem à governança Bolsonaro que, não entregando as promessas de campanha, é ferozmente agredido com xingamentos de “asshole frouxo”. Kalil explica: “Pesquisas de opinião mostram a popularidade de Bolsonaro caindo. Isso não quer dizer necessariamente que as pessoas estão insatisfeitas por acharem que Bolsonaro tem atitudes inadequadas ou pouco democráticas. É o contrário. Existe uma parcela dos eleitores que estão insatisfeitos com Bolsonaro porque ele não está se comportando suficientemente como de extrema-direita. Bolsonarismo faz surgir agora uma extrema-direita da extrema-direita. Bolsonarismo é muito mais do que Bolsonaro. Bolsonaro está sendo frouxo, não está entregando o que prometeu.” (Valor,22/07/2019,A10).

Brasil caminha para o terceiro ano de crescimento pífio após aguda recessão, com permanência do esvaziamento dos investimentos público-privado, sem políticas de demandas econômicas, com elevada ociosidade. É o Brasil cronicamente improdutivo. Ecossistema rico para o florescimento espontâneo e crescente dos movimentos bolsonaristas anti-bolsonaro tipo “asshole frouxo”. Esse capitão-presidente conseguiu ser figura tóxica não só para o Brasil democrático inscrito na Constituição Federal de 1988, mas também para os movimentos da extrema direita da extrema-direita. “Asshole frouxo” é o selo comemorativo com o qual entrará para a história brasileira, com suas explosões infantis de incivilidade, afrontando os valores e as instituições democráticas do Brasil.

*O conteúdo desta coluna é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.

Tags »
Relacionadas »
Comentários »