12/11/2021 às 14h24min - Atualizada em 12/11/2021 às 14h24min

​Câmara volta atrás e decide votar e aprovar verba de R$ 1 milhão para escolas de samba em Uberlândia

Proposta do Executivo chegou a ser retirada da pauta nesta sexta, mas acabou sendo votada em sessão extraordinária

SÍLVIO AZEVEDO
Proposta foi aprovada em segunda discussão por 16 votos favoráveis, oito contrários e duas ausências I Foto: Aline Rezende/CMU
A Câmara Municipal aprovou em sessão extraordinária nesta sexta (12) o projeto do Executivo que vai destinar uma verba de R$ 1 milhão para cinco escolas de samba em Uberlândia. O valor deve ser usado para a realização do carnaval em 2022. A proposta chegou a ser retirada da pauta, mas acabou sendo votada e aprovada em primeira e segunda discussão.
 
Durante a primeira discussão, o projeto foi aprovado por 16 votos favoráveis e sete contrários. Outros três parlamentares estiveram ausentes e não registram o voto. Após o término da primeira votação, o líder do Executivo, vereador Antônio Carrijo (PSDB), solicitou que fosse convocada uma sessão extraordinária para avaliação do projeto em segunda discussão. A proposta foi então aprovada novamente por 16 votos favoráveis, oito contrários e duas ausências.
 
O recurso, que é proveniente da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, será dividido entre as agremiações Garras de Águia, Unidos do Chatão, Garotos do Samba, Tabajara e Acadêmicos do Samba. Cada uma terá o direito a receber R$ 200 mil para que possam se organizar para realizar os desfiles no carnaval do ano que vem.
 
Na exposição de motivos da proposta, a secretária Municipal de Cultura e Turismo, Mônica Debs, justifica que a parceira com as organizações é de interesse ao Município, pois o Carnaval é a maior festa popular do país e movimenta bens e serviços com a fabricação de materiais e confecção de fantasias e adereços.
 
O PROCESSO
Nesta sexta, no início da discussão do projeto, a proposta chegou a ser retirada da pauta. A justificativa, segundo alguns parlamentares, é de que o projeto não passaria. Nos bastidores, muitos vereadores se posicionaram contra a destinação da verba, já que para alguns, o este não era o momento propício para a votação do projeto, uma vez que a pandemia ainda não está erradicada, mesmo com a vacinação adiantada.
 
Porém, no decorrer da sessão, vereadores favoráveis à proposta se reuniam com os demais parlamentares para reverter a situação.  Com isso, o projeto voltou à pauta e foi votado.
 
O vereador Anderson Lima (PSL) foi o primeiro a questionar a aprovação, afirmando que poder público não deve liberar verbas para a realização de eventos de qualquer natureza, sejam culturais, religiosos ou identitários. “Estamos vivendo debaixo de restrições sanitárias. Outro ponto é que sou absolutamente contrário à aplicação de verba pública em atividades como carnaval, Marcha para Jesus, Congado, procissões. O município deve fornecer espaço e segurança para que o evento possa acontecer, mas pegar dinheiro público e injetar em entidades privadas eu sou contra”, justificou.
 
O vereador Fabão (Pros) também foi contrário. “Primeiro ponto é que não tenho nada contra carnaval. Só que não podemos ignorar o contexto que o país está vivendo. Estamos no final de 2021, saindo de uma guerra com mais de 600 mil mortos, um pandemia que embora esteja acabando, não foi solucionada. Outro ponto é que a economia do país está destruída. Embora eu reconheça a importância do carnaval como símbolo da identidade cultural brasileira, esse gasto de R$ 1 milhão não parece razoável”, disse.
 
Antônio Carrijo (PSDB), líder do governo, defendeu a aprovação da proposta e criticou vereadores que não aceitam os ônus do cargo. “Não tenha medo, temos que respeitar quem gosta. O país tem que movimentar. O governo tem feito sua parte. Tem que olhar para o lazer, esporte, cultura. A secretaria vai tirar o recurso dela, não será retirado de outros setores. Peço aos vereadores que votam com sua consciência, não por pressão de quem está te ligando, mandando mensagem”, afirmou.
 
Eduardo Moraes (PSC) também se posicionou favorável à proposta. “Voto sim, e deixo meu apoio dos projetos culturais de Uberlândia. Sou a favor da nossa cultura, carnaval, Folia de Reis. Esse dinheiro é da Secretaria Cultura, que já tem seu orçamento. Quero valorizar o pessoal do carnaval, as coisas estão voltando, estamos vencendo essa pandemia. Precisamos voltar nossa realidade. Não adianta só sair de casa para trabalhar. Precisamos de um momento de diversão, distração e nada melhor que fazer com o pessoal da cultura”.

VEJA COMO FICOU A VOTAÇÃO:
 
FAVORÁVEIS:
•             Antônio Augusto Queijinho (Cidadania)
•             Antônio Carrijo (PSDB)
•             Charles Charlão (PP)
•             Cláudia Guerra (PDT)
•             Dandara (PT)
•             Eduardo Morais (PSC)
•             Gilvan Masferrer (DC)
•             Gláucia da Saúde (PSDB)
•             Ivan Nunes (PP)
•             Liza Prado (MDB)
•             Murilo (Rede)
•             Odair José (Avante)
•             Ronaldo Tannús (PL)
•             Sargento Ednaldo (PP)
•             Thais Andrade (PSB)
•             Zezinho Mendonça (PP)
 
CONTRÁRIOS:
•             Anderson Lima (PSL)
•             Cristiano Caporezzo (Patriota)
•             Fabão (Pros)
•             Leandro Neves (PSD)
•             Neemias Miqueias (PSD)
•             Raphael Leles
•             Sérvio Tulio (PSL)
•             Walquir (SD)
 
AUSÊNCIAS JUSTIFICADAS:
•             Amanda Gondim (PDT)
•             Dudu Luiz Eduardo (Pros)


 
REPROVAÇÃO SOCIAL
Por meio das redes sociais, leitores do Diário se posicionaram contra a aprovação da proposta. Um deles classificou o projeto como absurdo. “Que absurdo, dinheiro jogado fora. Enquanto isso as UAIs e postinhos de saúde com falta de medicamentos e uma estrutura precária. Que palhaçada isso. Usem o dinheiro pra construir estradas. Tapar buracos nas ruas fazer melhorias que são muito mais úteis pra todos”,  argumentou.
 
Outra leitora também fez uma declaração negativa. “Sem lógica, que absurdo, tantas outras coisas que precisam de melhorias na cidade, principalmente na saúde e na educação”, disse.
 
Por meio de nota enviada ao Diário, a Secretaria de Cultura e Turismo informou que o Município está se preparando para a possibilidade de celebrar o Carnaval 2022. Esclareceu também que as comemorações dependerão da situação da época, das restrições impostas pela pandemia de Covid-19, das deliberações do Núcleo Estratégico do Comitê de Enfrentamento à Covid-19.
 
Ainda de acordo com a Secretaria, caso seja possível a realização do Carnaval, a liberação da verba também dependerá da documentação e situação legal das Escolas de Samba, assim como da apresentação de seus Planos de Trabalho”.
 
O desfile das escolas de samba poderá voltar a ser realizado em Uberlândia depois de cinco anos, sendo que a última vez em que o festejo aconteceu foi em 2017.

VEJA TAMBÉM:

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »