02/10/2021 às 11h00min - Atualizada em 02/10/2021 às 11h00min

Mês de conscientização sobre o câncer de mama busca incentivar retorno de mulheres aos consultórios

Ida a clínicas e laboratórios para exames diminuiu com a pandemia; profissionais afirmam que, se descoberto no estágio inicial, o câncer tem 98% de chances de cura

LORENA BARBOSA
A estimativa é que em 2021, 66.280 novos casos sejam registrados no país | AGÊNCIA BRASIL
Mais um outubro começa e a cor do mês é o rosa, que representa um movimento de conscientização para o controle do câncer de mama. A campanha sobre prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama pode salvar vidas. Neste ano, o foco principal é levar as mulheres de volta aos hospitais para realizar exames. Segundo profissionais, se descoberto no estágio inicial, o câncer tem 98% de chances de cura.
 
O movimento internacional foi criado na década de 90, nos Estados Unidos, e passou a ser o mês de compartilhamento de informações sobre a doença e como ela pode ser reduzida. Em 2019, segundo números do Instituto Nacional de Câncer (Inca), 18.068 mulheres morreram por Câncer de Mama no Brasil. A estimativa é que em 2021, 66.280 novos casos sejam registrados no país.
 
De acordo com a oncologista de Uberlândia, Nathália Almeida, desta vez, a campanha tem como objetivo ressaltar a importância do diagnóstico precoce e incentivar as mulheres a voltarem a fazer exames, já que a ida até clínicas e laboratórios diminui com a pandemia.
 
"Muita gente está com os exames atrasados devido a pandemia e já percebemos um aumento no número de descoberta de tumores em estado avançado. O objetivo deste Outubro Rosa é fazer com que as pessoas voltem a realizar os exames”, contou Almeida.
 
AUTOEXAME
O oncologista Juliano Cunha explicou que, se descoberto no estágio inicial, o câncer tem 98% de chances de cura. Daí a importância de divulgar as informações de prevenção e cuidado. Uma das principais formas de descobrir a doença no início está nas mãos das mulheres. O autoexame é uma das maneiras que a própria paciente pode perceber uma possível alteração na mama.
 
“É ideal que ela faça esse autoexame uma vez por mês, após o período menstrual. É preciso se atentar a possíveis alterações na pele, no mamilo, rigidez na mama ou mudanças na região da axila. A partir da percepção de algo diferente é preciso procurar um médico”, orientou o oncologista.
 
E foi observando as alterações na mama que a pedagoga Raquel Elane, de 45 anos, descobriu o câncer em 2015. Ela percebeu um nódulo durante a amamentação. O diagnóstico foi uma surpresa, uma vez que os exames dela estavam em dia, principalmente devido à gravidez. Desde então Raquel começou o tratamento que já dura 7 anos.
 
“Eu fiz quimioterapia e radioterapia e hoje faço tratamento a cada 21 dias. Ele é permanente e não tem cura, preciso seguir com o acompanhamento”, contou a paciente.
 
Não é à toa que a pedagoga encoraja que as mulheres realizem os exames preventivos com frequência. Apesar do longo período de tratamento, hoje Raquel vive uma vida normal. Ela procura manter uma alimentação saudável e praticar caminhadas regulares. O apoio da família é fundamental no dia a dia do tratamento.
 
A história da pedagoga é uma das contadas no livro “De Mãos Dadas: histórias reais de mulheres com câncer”. Lançado em 2017, a publicação reúne as experiências de vinte e cinco mulheres que enfrentaram a doença e continuaram a viver.
 
“O câncer não é sinônimo de morte. É uma doença que é possível vencer e se viver com ela”,  concluiu Raquel Elane.
 
CAUSAS
Não existe uma causa exclusiva para o câncer de mama. São vários fatores que passam por histórico familiar, envelhecimento, consumo de álcool, excesso de peso e sedentarismo.  Dados do Inca mostram que cerca de 30% dos casos de câncer de mama podem ser evitados com a adoção de hábitos saudáveis.
 
“O sedentarismo é um fator de risco, independente do peso, assim como o tabagismo e a obesidade. O foco é conscientizar as pessoas sobre o consumo de alimentos saudáveis, cada vez mais naturais e menos processados", finalizou a oncologista, Nathália Almeida.
 
CONSCIENTIZAÇÃO
No dia 7 de outubro, às 17h30, o Hospital do Câncer promoverá uma live com especialista da área e paciente para promover ainda mais conscientização sobre o câncer de mama. A transmissão será no canal do Grupo Luta Pela Vida no Youtube.

E durante todo o mês, as instituições irão trabalhar o tema buscando conscientizar e compartilhar informações sobre o câncer de mama nas redes sociais.
 



Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »