30/04/2021 às 18h20min - Atualizada em 30/04/2021 às 18h20min

Realidade em outras cidades, vacinação para pessoas com comorbidades não tem sequer um cronograma divulgado em Uberlândia

Ministério da Saúde prevê imunização do grupo para maio; cidades como Manaus e Belém já iniciaram imunização desta parcela e em BH já existe planejamento para esta faixa

DA REDAÇÃO
Foto: Araípedes Luz – Secretaria Municipal de Governo e Comunicação/PMU

Enquanto a ampliação da vacinação contra a Covid-19 para o grupo de pessoas com comorbidades já é uma realidade em outras cidades do país, Uberlândia ainda não divulgou sequer um cronograma para imunizar essa parcela da população na cidade.

Foi anunciado na última semana, pelo Ministério da Saúde, que este grupo prioritário começaria a ser vacinado no Brasil. A previsão do órgão é que as pessoas com condições de saúde que as deixam mais vulneráveis a uma eventual infecção pelo novo coronavírus comecem a receber as doses já neste mês de maio, embora, em alguns municípios brasileiros as doses já estão sendo aplicadas em pessoas com comorbidades.

De acordo com um levantamento do ministério, esta nova etapa deve vacinar 17,7 milhões de pessoas em todo o país, e a orientação é que, dentro deste grupo, seja estabelecido o critério de idade com intervalos de cinco anos, começando com aqueles com 55 a 59 anos, na sequência com 50 a 54 anos, até a idade mínima de 18 anos.

Em Manaus, capital do estado do Amazonas, e que foi, durante muito tempo, o epicentro da doença no Brasil, a vacinação deste grupo aconteceu no início do mês de abril, do dia 5 ao dia 9, quando foram vacinadas aproximadamente 500 mil pessoas com idades entre 59 e 18 anos com comorbidades.

A prefeitura da cidade do Rio de Janeiro também iniciou, na última semana de abril, a vacinação da população com comorbidades, mas não foi divulgado o quantitativo de pessoas que recebeu o imunizante.

Outra capital que já está vacinando pessoas com comorbidade é Belém, no estado do Pará, que pretende administrar 3 mil doses da vacina nesta faixa da população.

A cidade de Nova Iguaçu, no estado do Rio de Janeiro, também começou a vacinar o grupo com comorbidade, mas está fazendo por partes. Na primeira etapa, que aconteceu nesta última semana de abril, vacinou pessoas com doenças crônicas com idades entre 59 e 57 anos e também incluiu os profissionais da educação da mesma faixa etária. Até o fim da próxima semana está prevista a vacinação para aqueles que têm entre 57 e 54 anos dos dois grupos - pessoas com comorbidades e profissionais da educação.

Em Minas Gerais, a capital ainda não iniciou a aplicação das doses na população com comorbidades, mas já tem planejamento para cadastramento deste grupo e dados sobre a quantidade de pessoas que integram esta faixa prioritária. Em Belo Horizonte, a estimativa da prefeitura local é que 290 mil pessoas, que pertencem a esse grupo, recebam a vacina contra o coronavírus. O cadastro dessas pessoas será feito até a próxima segunda-feira (3), mas a data de início da vacinação só será divulgada quando a nova remessa de imunizantes chegar à capital mineira.

Em nota, a Secretaria de Comunicação (Secom) da Prefeitura de Uberlândia disse que seguirá as orientações do Ministério da Saúdo com relação à vacinação das pessoas com comorbidades e já está definindo as estratégias para dar sequência à vacinação, utilizando de todos os recursos técnicos e estruturais disponibilizados pelo Município. Disse ainda que o cronograma de vacinação deste público será divulgado em breve, já que o Programa Municipal de Imunização depende do envio de novas doses para iniciar esta etapa.

O QUE SÃO COMORBIDADES
De acordo com o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19, pessoas com comorbidades são aquelas que apresentam as seguintes condições:

- Qualquer tipo de diabetes
- Pneumopatias crônicas graves
- Hipertensão arterial resistente
- Hipertensão arterial estágio 3
- Hipertensão arterial estágios 1 e 2 com lesão em órgão-alvo
- Insuficiência cardíaca
- Hipertensão pulmonar
- Cardiopatia hipertensiva
- Síndromes coronarianas
- Valvopatias
- Miocardiopatias e pericardiopatias
- Doenças da aorta, dos grandes vasos e fístulas arteriovenosas
- Arritmias cardíacas
- Cardiopatias congênitas no adulto
- Dispositivos cardíacos implantados
- Doença cerebrovascular
- Doença renal crônica
- Imunossuprimidos
- Anemia falciforme
- Obesidade mórbida
- Síndrome de down
- Cirrose hepática

ORDEM DE VACINAÇÃO
Na elaboração do Plano Nacional de Operacionalização da Vacina contra a Covid-19, o Ministério da Saúde estabeleceu uma ordem das populações a serem imunizadas se baseando nos princípios da Organização Mundial da Saúde (OMS), na tentativa de garantir o funcionamento dos serviços de saúde, a proteção dos cidadãos mais vulneráveis ao coronavírus, além da preservação do funcionamento dos serviços essenciais.

Por se tratar de uma orientação, o órgão estabeleceu ainda que os estados e municípios têm autonomia para montar um esquema próprio de vacinação de acordo com as características de sua população, demandas específicas de cada região e doses disponibilizadas.

Uberlândia segue o plano nacional de vacinação, que foi dividido em quatro fases:

Fase 1: Profissionais da saúde, idosos com 75 anos ou mais, idosos com mais de 60 anos que moram em asilos e instituições pediátricas, acamados e povos indígenas;
Fase 2: Pessoas de 60 a 74 anos;
Fase 3: Pessoas com comorbidades crônicas, transplantados e com obesidade;
Fase 4: Profissionais da educação, pessoas com deficiência severa, primeiros socorristas, funcionários do sistema prisional, trabalhadores do transporte coletivo, transportadores rodoviários de cargas e população privada de liberdade.
 

 
 

 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »