14/03/2021 às 09h30min - Atualizada em 14/03/2021 às 09h30min

Prática de compostagem ganha adeptos durante a pandemia em Uberlândia

Moradores criam própria compostagem em casa; projeto recolhe resíduos orgânicos na casa dos cidadãos

BRUNA MERLIN
Projeto Las Monas incentiva a compostagem que traz benefícios ao meio ambiente a ao solo I Foto: Divulgação
Desde o início da pandemia do novo coronavírus, as pessoas começaram a investir em atividades para se distrair do isolamento social e preencher o tempo vago. A compostagem se tornou uma prática muito adotada pelos moradores de Uberlândia e vem ganhando mais adeptos a cada dia que passa.
 
A estudante de enfermagem, Sílvia Alcântara, começou produzir a própria compostagem no fim do ano passado. Com apenas 22 anos, ela já se preocupa com a saúde ambiental do mundo.
 
“Sou vegetariana há anos e sempre quero poder ajudar o meio ambiente de alguma forma. Sempre tive interesse na compostagem, mas por falta de tempo acabei adiando. Com a pandemia, tive tempo de sobra pra poder buscar informações e aplicar aqui em casa”, disse.
 
Sílvia Alcântara começou produzir própria compostagem no fim do ano passado I Foto: Arquivo Pessoal


Todo o adubo orgânico produzido na composteira de Sílvia é destinado às plantas que ela tem em casa. Para ela, a técnica fornece mais qualidade de vida à sua horta.
 
A jovem também frisou que a atividades proporcionou a ela uma distração do cenário caótico que a sociedade está vivendo atualmente. “A compostagem requer atenção e é uma ótima atividade para nos manter ocupado, além de nos ensinar muito sobre as coisas naturais”, ressaltou.
 
REDE DE COMPOSTAGEM
A compostagem vem ganhando, a cada dia que passa, mais adeptos em Uberlândia. Para contribuir com isso, a cidade conta com a rede Las Monas que têm como objetivo espalhar a cultura da prática no dia a dia dos moradores.
 
O projeto foi criado por Gabriela e Fhaesa, de 27 e 30 anos, respectivamente, no início do ano passado. Mas, a história delas com práticas sustentáveis começou muito antes disso. Tudo começou há cerca de seis anos quando as companheiras decidiram desenvolver algumas atividades.
 
Em 2016, elas decidiram comprar um kombi e viajar por diversas regiões para atuar como voluntárias em fazendas orgânicas. Nessa época, as jovens começaram a aprender sobre a importância da agroecologia e do cultivo alinhado à natureza.
 
“Fica três anos aplicando essas técnicas que aprendemos em um sítio. No ano passado, decidimos voltar para Uberlândia e trazer esse conhecimento para a região urbana, levando conhecimento para o dia a dia dos moradores”, ressaltou Gabriela.
 
Com isso, nasceu a rede de compostagem que, atualmente, conta com 26 adeptos. O projeto visa recolher resíduos orgânicos na casa dos participantes que são levados a uma grande composteira montada na fazenda-escola da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).
 
“Todos os fins de semana passamos nos endereços dos apoiadores e recolhemos os resíduos. Todo mês, os participantes recebem uma recompensa pelo o apoio como, por exemplo, o adubo orgânico produzido através dos materiais, mudas, sementes ou biofertilizantes”, destacou.
 
Os interessados em participar da rede pode entrar em contato com as organizadoras através do Instagram @lasmonas.eco.
 
COMPOSTAGEM EM CASA
A compostagem é feita através de um conjunto de técnicas para estimular a decomposição de materiais orgânicos como, por exemplo, restos de comida, que irão se transformar em um adubo orgânico rico em substâncias minerais e nutrientes.
 
Conforme dito pela criadora do Las Monas, Gabriela, a prática traz muitos benefícios. Além de auxiliar na preservação do meio ambiente, a técnica de juntar os resíduos orgânicos e transformar em adubo promove um material rico em nutrientes que enriquecem o solo, trazendo mais benefícios às plantas.
 
“Esse material que seria destinado ao aterro sanitário e misturado com outros resíduos poderia se transformar em um material tóxico, afetando o solo onde o aterro está localizado e as proximidades”, detalhou.
 
Apesar de parecer uma atividade complicada, a compostagem pode ser feita em casa ou até mesmo em locais menos como apartamentos. De acordo com Gabriela, basta as pessoas ter interesse e procurar informações corretas sobre a técnica.
 
O primeiro passo é ter um recipiente para separar os resíduos que irão se decompor. Esse equipamento pode ser um galão de água, que deve ter repartido em compartimentos com furos na base, ou a própria composteira que já é preparada para receber os materiais.
 
A compostagem deve ser uma mistura de materiais orgânicos, como cascas de vegetais e frutas, e materiais secos como folhas, serragens ou papel. Dependendo da quantidade e do tipo de resíduo, também é necessário minhocas que irão agir na decomposição desses resíduos. Após algumas semanas, todo esse material se tornará um adubo pronto para ser utilizado em hortas ou cultivo de flores e árvores.
 
Mais informações sobre como fazer uma compostagem em casa podem ser obtidas na página de Instagram do projeto Las Monas, @lasmonas.eco.
 
COMPOSTEIRAS MUNICIPAIS
A Prefeitura de Uberlândia instalou duas composteiras nos parques municipais Santa Luzia e Victório Siquieroli. O objetivo é a produção de adubo que será colocado nas mudas produzidas no Horto Municipal e também nas espécies plantadas em áreas públicas.

Os interessados podem se direcionar até uma das composteiras e depositar os lixos orgânicos produzidos em casa como sobras de verduras, casca de ovo, borra de café, folhas caídas e materiais oriundos de poda de grama.

“Temos, como resultado final desse processo de armazenagem do material dentro da composteira, a produção de um produto orgânico, rico em nutrientes importantes para o desenvolvimento das plantas, como nitrogênio, potássio, fósforo, cálcio e magnésio. Estamos sempre atentos para promover as melhores práticas sustentáveis e esta vem para confirmar”, disse o secretário municipal de Meio Ambiente e Serviços Urbanos, João Junior.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »