17/01/2021 às 09h00min - Atualizada em 17/01/2021 às 09h00min

Ovos ganham espaço das carnes e vendas crescem durante pandemia

Consumo de ovos durante a pandemia aumentou consideravelmente em Uberlândia, de acordo com comerciantes da região

IGOR MARTINS
Distribuição aumentou entre 30% e 40% no último ano | Foto: Divulgação

Seja pelo preço acessível ou por sua versatilidade na cozinha, o ovo é um dos alimentos que nunca falta no cardápio dos brasileiros. Nutritivo e rico em proteínas, com ele é possível cozinhar bolos, massas, fazer uma omelete ou até mesmo fritá-lo ou cozinhá-lo. Por esses e outros motivos, como a substituição das carnes pelos ovos na mesa do consumidor, o consumo desse alimento durante a pandemia aumentou consideravelmente em Uberlândia, de acordo com comerciantes da região.

Na visão de Daniel Fernandes, sócio-diretor de uma produtora de ovos na cidade, um dos fatores que contribuíram para alavancar o segmento em 2020 foi o aumento no preço das carnes bovina e suína. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) apontou, em dezembro, que o preço do quilo da carne aumentou em, aproximadamente, 22%.

Além disso, o isolamento social contribuiu com o aumento do consumo de ovos, uma vez que mais pessoas ficaram dentro de casa durante o momento pandêmico. “As pessoas passaram a ficar mais em casa, e com isso, precisaram cozinhar. O ovo é um grande aliado, porque você prepara muitas coisas fáceis, é muito versátil. Além disso, existe essa preocupação com a saúde e a imunidade. O ovo é um alimento bastante nutritivo”, disse.

Fernandes conta ainda que sua empresa teve um crescimento, aproximado, de 11,27% na quantidade de caixas de ovos vendidas no último ano. Entre janeiro e dezembro de 2019, foram 182.213 caixas com 360 ovos vendidas. Já entre janeiro e dezembro de 2020, o número subiu para 202.763.

A expectativa é que o mercado continue aquecido em 2021. Segundo Daniel Fernandes, a Planalto Ovos, empresa na qual é sócio, espera um crescimento em torno de 5% no ano. “Nós estamos vivendo uma alta de grãos neste momento. O milho subiu 72%, a soja 100%, e o ovo subiu, em média, 28%. O mercado é bastante pulverizado e oscila bastante, mas acredito em um crescimento em 2021”, relatou.
 
QUARESMA
O período da Quaresma, que será celebrado entre 17 de fevereiro e 3 de abril em 2021, pode alavancar ainda mais as vendas de ovos em Uberlândia. É nisso que acredita Carlos Eduardo da Silva, dono da Dudu Ovos, uma distribuidora de ovos na cidade.

Carlos Eduardo afirmou que a distribuição de ovos em 2020 aumentou entre 30% e 40%, quando comparado ao ano anterior. O crescimento, de acordo com ele, também é reflexo do isolamento social causado pela pandemia de Covid-19.

“As pessoas estão mais em casa, não estão saindo tanto. A pessoa faz uma omelete, um sanduíche. É muito mais fácil. Sem contar que na pandemia a carne de soja subiu, o preço da carne suína e bovina explodiu. O ovo ficou em um valor muito mais acessível, por mais que também tenha aumentado. A nossa expectativa é de que esse consumo siga em alta, principalmente pela chegada da Quaresma, no próximo mês”, explicou o empresário.
 
TROCA NO CARDÁPIO
“Comprar carne vermelha está inviável no momento. Por isso, muita gente tem substituído o alimento pelo ovo”. É isso o que disse o personal trainer Richard Leandro Canuto, de 45 anos. O profissional de educação física, que segue uma dieta à base de proteína e carboidratos, disse que precisou aumentar o consumo de ovos durante a pandemia do coronavírus.

Ex-atleta de fisiculturismo, Canuto afirmou que compra cerca de 450 ovos a cada 15 dias. Segundo ele, o aumento no preço de uma caixa fechada foi notável. “Uma caixa que custava R$ 8 antes da pandemia, passou para R$ 13. Mesmo assim, a carne vermelha subiu demais. O ovo, mesmo com o aumento, continua bastante acessível para todo mundo”, disse o personal trainer.

De acordo com ele, a substituição no cardápio não traz prejuízos à saúde, uma vez que o ovo contém uma grande quantidade de proteínas, assim como a carne vermelha. “O ovo é a proteína animal mais barata que existe. A clara do ovo é proteína pura, e a gema é gordura com proteína. A proteína é formadora de músculo, é uma proteína mais barata e muito consumida”, explicou Canuto.
 
DIFERENTES TIPOS DE OVO
 
Ovo Industrial: ovo de galinhas criados em gaiolas e que recebem alimentação equilibrada, com rações à base de milho e transgênicos. O ambiente e a nutrição das aves são controlados pela produtora.
 
Ovo caipira: ovo de uma galinha caipira, criada em uma instalação fechada. Além de rações, a galinha caipira também se alimenta de verduras, ervas e legumes. Por comer folhas verdes, a gema do ovo fica mais alaranjada.
 
Ovo orgânico: ovo de galinha que é alimentada com insumos sem agrotóxicos ou ingredientes transgênicos. O conceito de orgânico também determina que a criação respeite o meio ambiente, sem causar danos ao solo, ar e outras culturas de produção.
 
Ovo “cage free”: é o ovo de galinhas que não são criadas em gaiolas. Elas têm ninhos, poleiros e recebem alimentação balanceada. Elas podem expressar seu comportamento natural, com espaço para ciscar, por exemplo.
 
*Fonte: CI Orgânicos



VEJA TAMBÉM:

Vacinação para grupos prioritários terá cadastramento a partir de segunda-feira (18)

 


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »