10/01/2021 às 08h00min - Atualizada em 10/01/2021 às 08h00min

Reflexos da pandemia nos preparativos para o Enem em Uberlândia

Provas acontecem nos dias 17 e 24 de janeiro; cerca de 50 estudantes da cidade devem fazer exame no formato digital

IGOR MARTINS COM AGÊNCIA BRASIL

Nos dias 17 e 24 de janeiro, estudantes de todo o Brasil farão a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), de olho em uma vaga em universidades públicas do país. O teste, que deveria ter ocorrido em novembro de 2020, precisou ser remarcado por conta da pandemia de Covid-19.

Em Uberlândia, a preparação para a prova segue a todo vapor. O aluno João Pedro Alves Silva, de 17 anos, está fazendo o curso “intensivão” em uma escola privada da cidade desde março de 2020. Em entrevista ao Diário, o jovem relatou a adaptação para o formato online das aulas, que começaram logo após o decreto de fechamento de estabelecimentos no município.

“No início foi difícil acostumar com a plataforma digital. A gente estava com um fervor no início da pandemia, os ânimos estavam se adaptando à nova realidade, mas depois de um tempo a gente acostumou, e o processo de adaptação ficou um pouco mais fácil”, disse.

O aluno do 3º ano do ensino médio tentará ingressar em uma faculdade de medicina ainda neste ano. Ele afirmou à reportagem que o método de ensino à distância, que precisou ser adotado pelas escolas de Uberlândia, entrega facilidade aos estudantes em diversos aspectos.

“Eu particularmente gosto do ensino à distância, porque consigo me organizar um pouco melhor, tenho acesso às aulas ao vivo e posso gravá-las, posso até printar a tela e depois anotar algo. Eu consigo tirar dúvidas normalmente durante a aula, posso ligar meu microfone ou enviar pelo chat da aula. O professor vê minha mensagem e me responde, então é bem prático”, analisou o estudante.

Segundo João Pedro, a preparação mental será um diferencial no Enem, tendo em vista que 2020 foi um ano difícil para grande parte dos alunos que prestam algum tipo de vestibular. “2020 foi um ano muito atípico. Mentalmente foi muito desgastante. Ninguém passou pelo ano de forma tranquila, então acho que isso vai fazer diferença. Estamos vivendo uma realidade totalmente diferente se compararmos com um ano atrás. Por isso, eu creio que vai ter até mesmo uma alteração brusca na nota de corte”, explicou o vestibulando.


ROTINA DE ESTUDOS
Para Saulo Campos de Oliveira, coordenador de pré-vestibular de uma escola privada em Uberlândia, o aluno que conseguiu se organizar e manter uma rotina de estudos, mesmo com as dificuldades do ensino à distância, sairá na frente por uma das vagas em alguma universidade do país.

A instituição para qual Saulo trabalha iniciou o intensivão no dia 14 de dezembro e atende 800 alunos. Segundo ele, o curso é importante para ajudar os alunos principalmente na parte mental. “O desafio que nós temos é conseguir, em pouco tempo, ajudar os estudantes a ficarem mais tranquilos, mostrar que eles vão colher frutos de todo o trabalho desenvolvido ao longo do ano passado. Muitos estão se sentindo inseguros, estão com medo”, falou em entrevista ao Diário.

Ainda de acordo com Oliveira, outro foco do intensivão é rever os conteúdos mais importantes e que são recorrentes na prova do Enem, que trabalha na maioria das vezes com temas atuais.

“Estamos com uma expectativa muito positiva para o Enem. Temos a convicção que, ao longo da pandemia, a gente conseguiu um excelente trabalho. Os alunos tiveram as mesmas experiências que teriam com as aulas presenciais. Nossa preocupação foi em não minimizar o trabalho, sem cortar nada do que era oferecido anteriormente. Estamos muito confiantes tanto para o Enem como no vestibular da UFU realizado em dezembro. O feedback dos alunos foi bom. Fizemos simulados online e revisões e acredito que estão preparados”, disse.


ENEM DIGITAL
O Enem terá uma novidade em 2021. Pela primeira vez, a prova terá uma versão digital sendo aplicada para 96 mil candidatos em 99 cidades. Em Uberlândia, de acordo com Saulo, a expectativa é de que 50 estudantes façam o teste pelo novo formato.
O exame será um pontapé inicial para mudanças no Enem. A intenção do Inep é que o exame se torne totalmente digital até 2026. As discussões e os testes para que isso seja possível ocorrem desde 2016.

O Enem digital será aplicado nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro, após o Enem impresso, que será nos dias 17 e 24 de janeiro. As provas serão realizadas em laboratórios de informática de escolas e universidades que já foram previamente testados pelo Inep. Ao todo, serão cerca de 4 mil laboratórios, com cerca de 20 computadores cada. As máquinas terão acesso apenas à prova. Os estudantes não conseguirão, portanto, acessar a internet ou documentos do computador. 

Apesar de ser feita em tela, os participantes deverão levar, como no Enem impresso, caneta esferográfica de tubo transparente da cor preta. A prova de redação será escrita à mão. Os estudantes também receberão folhas de rascunho para fazer os cálculos das provas de matemática e ciências da natureza. Eles não terão, no entanto, folhas de resposta. Os itens devem ser marcados pelo computador. 

As questões da prova serão diferentes das do Enem impresso. No entanto, como a prova utiliza o sistema de correção baseado na chamada teoria de resposta ao item (TRI), as provas terão o mesmo nível de dificuldade e os estudantes poderão concorrer juntos às mesmas vagas em programas que dão acesso ao ensino superior, como o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que oferece vagas em instituições públicas e o Programa Universidade para Todos (ProUni), que oferece bolsas de estudos em instituições privadas.





VEJA TAMBÉM:

Em meio à pandemia, estudantes adaptam ritmo de estudos para o Enem

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »