30/10/2020 às 09h23min - Atualizada em 30/10/2020 às 09h23min

Attiê (PTB) quer recuperar economia trazendo novas empresas para Uberlândia

Próximo candidato entrevistado pelo Diário é Gilberto Cunha (PSTU)

SÍLVIO AZEVEDO
Felipe Attiê tem 51 anos e na carreira política foi vereador em Uberlândia e deputado estadual | Foto: Divulgação
O candidato a prefeito de Uberlândia Felipe Attiê (PTB) é o terceiro entrevistado da série produzida pelo Diário de Uberlândia. A sequência das entrevistas foi definida pela produção do jornal e informada aos candidatos, sendo optada a ordem alfabética como critério. Já participaram Adriano Zago (PDT), Arquimedes Ciloni (PT) e Professor Edilson Graciolli (PCdoB). Os próximos serão Gilberto Cunha (PSTU), Odelmo Leão (PP), Placidino Stábile (MDB), Thiago Fernandes (PSL) e Wallace (PSOL).

Com experiência de 25 anos na carreira política, o ex-vereador e ex-deputado estadual Felipe Attiê tem 51 anos e é o candidato do PTB nas eleições majoritárias desse ano pela coligação “Uberlândia com Futuro”, juntamente com o Cidadania. Compondo a chapa está o produtor rural Paulo Roberto Andrade Cunha (Cidadania), 66 anos, que foi presidente do Sindicato Rural de Uberlândia por 11 anos, além de ter ocupado cargos em outras entidades no cenário agropecuário do país.

Como é baseado o seu projeto de governo para Uberlândia entre 2021 e 2024?
Quero dizer que o meu plano de governo, no começo, é fazer uma reforma organizacional da Prefeitura, com enxugamento da máquina e tornando-a integrada e ágil a partir da tecnologia da informação, das novas tecnologias. Farei isso nos dois primeiros anos. Depois um projeto de recuperação econômica, fornecendo microcrédito a pequenos empreendedores por meio de parceria com a inciativa privada e fazendo o novo Distrito Agroindustrial.

Quais as expectativas para governar uma cidade do porte de Uberlândia em um período final e pós-pandemia?
O primeiro trimestre de 2021 será de amargar. Se não tivermos um controle do orçamento, as despesas vão crescer muito e a receita vai cair. Nós precisamos entender que ano que vem será de muita complexidade, que não podemos ter mais problemas com Covid-19. Podemos ter que gastar, mas terei que ser duro e enérgico com empresa de ônibus, com horário do funcionamento do comércio, que eu quero é dobrar, dividir se acontecer alguma coisa, e não fechar. Aí vou ter que fazer 50 UTIs equipadas para poder não ter que fechar a cidade toda.

Quais são as suas propostas para recuperar a economia do Município?
A proposta para recuperar a economia do município é encarnar o espírito de Uberlândia. O espírito do empreendedorismo, de acreditar, do trabalho, da vontade. Isso que nós temos que fazer. É o caçador de empresas. Vamos ajudar o pequeno e micro com o microcrédito, fazendo uma licitação com uma financeira para operar o empréstimo para a pessoa montar o negócio e a Prefeitura garante. Quero criar o distrito agroindustrial para atrair 20 grandes agroindústrias na região da saída de Araxá, entre a Monsanto e a Ambev. Fazer uma PPP com os fazendeiros para montar esse distrito. Instalar estações fotovoltaicas nas áreas do Dmae para geração da própria energia, barateando o custo da produção de água, que é importante para termos um diferencial para atrair gente, empresas e negócios. Temos que ser inteligentes, estratégicos pra isso. E precisamos, acima de tudo, desburocratizar a Prefeitura.

A Saúde é uma das pastas que mais recebe recursos e, também, motiva muitas reclamações por parte dos usuários do sistema público, especialmente quanto ao déficit de leitos. Como diminuir essa insatisfação e melhorar a qualidade dos atendimentos nas unidades de saúde?
Vou mudar a administração da Saúde em Uberlândia com três profissionais gerenciando. Um médico que vai fazer o trabalho de conversar com a classe médica; o controller financeiro que controlará os gastos da saúde, que tem orçamento maior que cinco mil prefeituras desse Brasil; e o administrativo tecnológico. Esses três estarão em uma sala só. É uma junta tripartido porque a saúde é muito pesada. E o prefeito em cima dela ainda. É assim que nós vamos funcionar. Vamos mexer na estrutura, buscando valorizar cada profissional, criando uma cultura nele para que nos ajude a enfrentar os problemas. Também começar as obras de ampliação do Hospital Municipal, pois hoje tem 30 mil pessoas esperando uma cirurgia eletiva.

A Educação também figura entre os segmentos mais importantes na gestão pública. Quais as principais ações do seu governo propostas para o segmento?
A gente precisa mudar a educação de Uberlândia. Estamos caindo no IDEB e não é de agora, desse governo. E isso nos preocupa. Precisamos apoiar, qualificar e dar autonomia às nossas diretoras e professoras. Transformar o Cemepe na universidade de todo o servidor público municipal. Vai ter a área pedagógica, que é o Cemepe hoje, e muito mais com pós-graduação. Também precisamos fazer um exame nas escolas, ter um ranking na rede. Precisamos desenvolver um programa de ajuda e apoio à saúde do servidor da Educação, e acima de tudo ampará-los. Quero levar a modernidade às escolas, criando as telessalas, com filmagem, gravação de áudio e vídeo, informática. Tudo interligado para os professores poderem preparar aula de reforço, gravar um conteúdo.

O produtor rural Paulo Roberto Andrade Cunha é vice na chapa de Attiê pelo Cidadania | Foto: Divulgação

Os setores cultural e esportivo têm sido alguns dos mais afetados pela pandemia da Covid-19. Como auxiliar na retomada e fomentar áreas que, há muito, já vêm sofrendo com cortes de investimentos em todos os âmbitos da Administração Pública?
Acredito que preciso remodelar e replanejar a Futel, criando um órgão acima dela que trabalhe esporte, lazer e cultura juntos. Precisamos fazer um trabalho conjunto nos bairros, nas escolas, voltar o teatro nas escolas. Criar a escola municipal de dança, que eu quero fazer para voltar o Festival de Dança do Triângulo. Precisamos fazer eventos, atrair tudo que é eventos de esporte e lazer. Vou trabalhar dia e noite para que os nossos hotéis fiquem cheios, para que nossa juventude tenha oportunidade no esporte e lazer, dessa cultura que é muito importante para segurá-lo no caminho do bem, na boa eficiência na escola.

Muitos especialistas indicam a urgência de Uberlândia passar a contar com um plano de mobilidade urbana efetivo diante ao crescimento exponencial da cidade. Em seu governo, como o planejamento de tráfego e melhorias no transporte urbano seriam tratados?
Vou separar o trânsito do transporte. Vou colocar uma canga nessas empresas de ônibus, que fazem o que querem em Uberlândia, utilizando a informática, controle de satélite e muito mais. Não tenho rabo preso com eles. Em 2000, eu fui o autor da lei que instituiu o Sistema Clicloviário Integrado e vou investir mais em ciclovias. Vou criar a Companhia de Engenharia de Tráfego, que vai administrar os semáforos e as centenas de câmeras vão controlar o fluxo de carro por minuto nas ruas, com sensores no chão para reforçar esse controle. Junto estará o Instituto Municipal de Planejamento, autarquia que criarei e que será importante no projeto de mobilidade da cidade, fazendo o processo de liberação de alvarás, mas, acima de tudo, planejar, pensar e organizar para que Uberlândia não seja uma cidade sem rumo, sem eira e nem beira.

O candidato gostaria de comentar alguma outra proposta de área específica não tratada nos questionamentos anteriores?
Não posso deixar de falar do meu DNA, que é a habitação. Habitação eu vou inovar. Vou levar as pessoas para morarem em apartamentos em bairros mais próximos ao Centro, criando a zona especial de habitação de interesse social, possibilitando a construção de grandes torres de apartamentos com garagens subterrâneas. Isso barateia demais o custo do terreno e o apartamento, valendo somente para apartamento de até R$ 150 mil, quem faz construção popular. Também estou atrás de outras áreas próximas ao Canaã, Mansour, em frente ao Morumbi, para construção de casas populares. Infelizmente o atual prefeito extinguiu a secretaria de habitação, zero casa, zero entrega. Eu vou recriar no primeiro dia de mandato esse órgão em todo pleno vapor.

Considerações finais: por que você acredita que seu plano de governo é melhor do que o dos demais candidatos?
Não é o plano de governo que é melhor. É a minha capacidade de conhecer a prefeitura, minha bagagem e a experiência de saber os caminhos que farão o plano de governo funcionar. Eu sou líder, sou o prefeito. Se eu não souber para onde nós vamos, quem vai saber? Todos os planos de governo estão aí, mas na hora de fazer, saber os caminhos, de ter bagagem para fazer acontecer, de ter amor, persistência e perseverança, aí o meu é melhor. Não porque sou melhor do que alguém, mas porque eu acredito, amo e dou o sangue e a vida, se preciso for, para minha amada Uberlândia.

SERVIÇO
Número na urna:
14
Chapa: Uberlândia com Futuro – PTB/Cidadania
Instagram: @felipeattie14
Facebook: felipeattie
Twitter: @felipeattie14
Site: https://felipeattie.com.br/
YouTube: Felipe Attiê



VEJA TAMBÉM:
 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »