27/09/2020 às 09h00min - Atualizada em 27/09/2020 às 09h00min

Brechós conquistam população de Uberlândia durante pandemia

Empreendimentos registraram aumento de até 60% nas vendas; canais online ajudam no alcance de novos clientes

BRUNA MERLIN
Grasielly Rodrigues Chaves proprietária do Brechó Bacana | Foto: Arquivo Pessoal

Não é de hoje que os brechós vêm conquistando espaço no mercado fashion de Uberlândia. Com peças únicas, baratas e de boa qualidade, o interesse da população em garimpar roupas se tornou ainda maior após a chegada da pandemia do novo coronavírus. 

A Grasielly Rodrigues Chaves, de 27 anos, é dona do Brechó Bacana e percebeu um aumento de 60% no número de vendas nos últimos meses. A empreendedora atribui o crescimento do setor ao fechamento de diversas lojas de departamento durante o decreto de suspensão do comércio presencial. 

"A pandemia mudou hábitos no dia a dia de muita gente. As pessoas começaram a procurar por outras opções que se encaixavam no bolso, devido à crise financeira, e uma delas foram os brechós”, destacou.

O negócio de Grasielly funciona de forma online, através de uma página do Instagram, e ela acredita que isso foi outra vantagem para chamar a atenção dos clientes. Para ela, o hábito de compras virtuais se tornou mais frequente devido à praticidade e conforto de receber as peças em casa.

“Tenho esse empreendimento desde 2017 e neste ano, após ficar desempregada, me dediquei 100% ao brechó e comecei a perceber o quanto as vendas online ganharam notoriedade nos últimos meses”, complementou a jovem.

A Josiane Marques Fernandes, de 31 anos, também teve que investir mais nas vendas online durante a pandemia. Ela é dona do Brechó Achados da Josi, que existe há cerca de um ano, e, após ter que fechar a loja física em razão do isolamento social, começou a impulsionar ainda mais o Instagram da loja. 

Josiane Marques proprietária do Brechó Achados da Josi | Foto: Arquivo Pessoal

“Hoje, nós já voltamos com os atendimentos presenciais com horário marcado e respeitando as orientações de segurança. Mas, no começo, os meios online ajudaram muito a continuar com as vendas”, ressaltou.

O aumento das vendas também atingiu o brechó que aposta em peças vintages. Segundo a proprietária, mesmo tendo uma queda no início da pandemia, a demanda voltou a crescer no mês de maio e até agora ela já registrou uma elevação de 60% na quantidade de garimpos vendidos.

“Estamos conseguindo alcançar novas clientes, como muitas pessoas trabalham em home office ou em casa o tempo ocioso também fica maior, com isso a busca por peças online aumenta. A experiência é fantástica”, finalizou.

PRECONCEITO
Carolina Silva Rosa e Rita Carneiro sócia do Brechó Beleza | Foto: Arquivo Pessoal

O cenário da pandemia e isolamento social intensificou o interesse de pessoas que já compravam em brechós, mas também despertou a vontade de clientes que nunca haviam garimpado peças devido à falta de conhecimento ou pelo preconceito. Os empreendimentos sempre foram alvos de críticas pois muitos ainda pensam que as peças são sujas, desgastadas e entulhadas em uma prateleira, mas não é bem assim.

O Brechó Beleza, administrado pelas sócias Carolina Silva Rosa e Rita Carneiro, existe há cinco anos. Na época em que foi criado, o setor ainda era uma novidade na cidade e o preconceito era algo enraizado na população.

Entretanto, a situação foi mudando com o passar dos anos e com a chegada de novos brechós no município. Nos últimos meses, o Brechó Beleza recebeu novos consumidores que se renderam ao hábito de garimpar. 

“Tivemos um número significativo de clientes que nunca haviam vivenciado o a experiência do brechó e 95% deles continuam comprando. E são pessoas de todos os tipos e bolsos. Esse preconceito está se quebrando porque os brechós oferecem roupas de qualidade e com um preço atrativo. As pessoas vão incentivando as outras e essa mitificação vai se quebrando”, ressaltou Carolina Silva, de 41 anos.

A proprietária do Brechó Bacana, Grasielly Rodrigues Chaves, também conquistou consumidores fiéis que conheceram o mundo dos brechós em meio a pandemia. “Tive uma cliente que tinha uma visão de que os brechós eram lugares sujos e que fediam a mofo. Mas, quando ela recebeu a peça limpa e cheirosinha em casa, ficou encantada”, disse.

Josiane Marques Fernandes acredita que o mercado de brechós ainda irá crescer muito e, consequentemente, as pessoas irão ser cada vez mais conquistadas e começarão a entender o real sentido dos empreendimentos que vão muito além do que peças com um preço bacana. 

“Os brechós trazem a proposta de uma vida mais sustentável, da reutilização. Estamos presenciando diversas formas de que a moda sempre volta. Peças que eram utilizadas há anos estão voltando e os brechós estão aqui para isso. O objetivo é dar um novo significado para roupas que poderiam estar no lixo, mas que estão sendo conquistando a população novamente”, concluiu. 


VEJA TAMBÉM:

Cresce o número de reclamações por compras online durante pandemia


 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »