24/09/2020 às 09h43min - Atualizada em 24/09/2020 às 09h43min

Cobertura vacinal tem queda significativa no primeiro semestre de 2020 em Uberlândia

Somente duas vacinas alcançaram meta de 90%; baixa procura ocorre em razão de fake news e isolamento social

BRUNA MERLIN
Município de Uberlândia conta com 74 salas de vacinação em todas as UAIs e UBSFs | Foto: Divulgação
A cobertura vacinal de diversas doenças epidêmicas caiu de forma significativa no primeiro semestre de 2020 em Uberlândia. A baixa procura pela imunização ocorre em razão de diversos fatores como fake news e o isolamento social causado pela Covid-19. 
 
Segundo a coordenadora do Programa de Imunização da Prefeitura de Uberlândia, Cláubia de Oliveira, a maior preocupação é em relação à baixa demanda por vacinas importantes para os primeiros meses de vida das crianças. Neste ano, das vacinas obrigatórias, somente duas alcançaram a meta de 90% de cobertura, o que ainda não é o ideal já que o Ministério da Saúde recomenda alcance de 95%. 
 
Ainda conforme aponta o levantamento, a maioria delas teve alcance acima de 80% e duas abaixo de 80%. Veja a tabela abaixo. 
 

1º semestre 2019

1º semestre 2020

Acima de 90%

Poliomielite (menor de 1 ano)

Pneumocóccica (menor de 1 ano)

Meningocócica conj. C  (menor de 1 ano)

Febre Amarela (menor de 1 ano)

Hepatite A     

Meningocócica conj. C  (1 ano)

Rotavírus Humano

Tríplice Viral (1ª dose)

Pneumocóccica (1 ano)


 

Acima de 90%

DTP (1 ano)

Tríplice Viral (1ª dose)


 

Acima de 80%

DTP (1 ano)

Poliomielite

Tríplica Viral (2ªdose)

 Pentavalente (menor de 1 ano)

Varicela    


 

Acima de 80%

Febre Amarela (menor de 1 ano)

Pentavalente (menor de 1 ano)

Pneumocóccica (menor de 1 ano)

Rotavírus Humano

Hepatite A 

Meningocócica conj. C  (1 ano)

Pneumocóccica (1 ano)

Tríplica Viral (2ªdose)

Varicela

Poliomielite    


 
 

Abaixo de 80%

Meningocócica conj. C  (menor de 1 ano)

Poliomielite (menor de 1 ano)


 
 
“Em 2019 tivemos um alcance maior. Nove vacinas alcançaram a meta de 90%. As outras ficaram pouco acima de 80% e não tivemos nenhuma abaixo de 80%. Mas é perceptível que a importância da vacinação está sendo deixada de lado”, ressaltou. 
 
Cláubia atribuiu o cenário a vários fatores. Entre eles, está a falsa sensação da população em achar que as doenças foram extintas já que em anos passados foram registrados altos índices de cobertura vacinal. Além disso, a divulgação de fake news sobre a não eficácia das doses e os sintomas que elas provocam é outro motivo que diminui a procura.
 
“É comum acontecerem eventos adversos. Algumas crianças apresentam febre e dores na região da aplicação, mas isso não é nada comparado ao que as doenças podem trazer. Um exemplo é o sarampo, que pode deixar a criança surda e até levá-la ao óbito”.
 
O isolamento social, que começou no mês de março devido à proliferação do novo coronavírus, também é um fator que afasta as crianças das salas de vacinação. Os pais têm medo de entrarem com crianças em unidades hospitalares e expô-las ao vírus.
 
“É engraçado pensar que todos estão esperando ansiosamente pela vacina da Covid, mas não querem vacinar contra as outras doenças que também trazem consequências graves. Essas enfermidades não vão esperar o coronavírus passar, o risco de contaminação existe”, finalizou.
 
INFLUENZA
Durante o primeiro semestre deste ano, ocorreu a 22º Campanha Nacional de Vacinação contra a influenza em Uberlândia. Neste ano, a meta era imunizar 90% dos grupos prioritários e, segundo a representante do Programa de Imunização Cláubia Oliveira, a cidade ultrapassou o objetivo.
 
“Tivemos uma cobertura boa, principalmente dos idosos. Com a vacinação da influenza em dia, a identificação da contaminação da Covid-19 fica mais fácil já que os sintomas são semelhantes. Sendo assim, a procura pela vacina foi alta”, destacou.
 
Entretanto, quando analisamos os grupos prioritários de forma isolada, a quantidade de vacinação em crianças e gestantes foi abaixo do esperado. O alcance no município foi de 85%.
 
“A quantidade de vacinas aplicadas foi maior que 2019, mas mesmo assim não alcançamos a meta. Isso reforça que a imunização de crianças está sendo esquecida e deixada para depois”, complementou. 
 
SALAS DE IMUNIZAÇÃO
O Município de Uberlândia conta com 74 salas de vacinação em todas as Unidades de Atendimento Integrado (UAIs) e Unidades Básica de Saúde Familiar (UBSFs). Algumas oferecem horário estendido até as 20h e possibilitam o agendamento da aplicação da dose para evitar aglomeração.
 
“Todas as medidas de segurança estão sendo adotadas para evitar a contaminação do coronavírus. Reforço da limpeza, salas de espera com distanciamento e uso de equipamentos individuais. A vacinação não deve ser adiada porque as doenças estão por aí”, concluiu Cláubia Oliveira.
 
Horários:
UBSFs: 7h30 às 16h30
UBS: 7h30 às 18h 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »