11/09/2020 às 19h09min - Atualizada em 11/09/2020 às 19h38min

Após ação judicial, Uberlândia permanece na onda amarela

Poder Judiciário acatou pedido da Prefeitura após discordar de regressão à onda vermelha; liminar foi dada na noite desta sexta-feira (11)

IGOR MARTINS

Uberlândia vai permanecer na onda amarela. É o que o Poder Judiciário, por meio da  Vara da Fazenda Pública, decidiu após a Prefeitura entrar com uma ação judicial contra o programa Minas Consciente, cobrando a reavaliação do município ao ser enquadrado na onda vermelha, juntamente às outras cidades da macrorregião do Triângulo Norte. A decisão liminar foi divulgada na noite desta sexta-feira (11).

Na última terça-feira (8), o Comitê Extraordinário Covid-19 do Estado havia anunciado a regressão da região para a faixa mais restrita do programa estadual, levando em consideração o aumento no número de casos de Covid-19 no Triângulo Norte. Além de Uberlândia, fazem parte desta região os municípios de Abadia dos Dourados, Araguari, Araporã, Cachoeira Dourada, Campina Verde, Canápolis, Capinópolis, Cascalho Rico, Centralina, Coromandel, Douradoquara, Estrela do Sul, Grupiara, Gurinhatã, Indianópolis, Ipiaçu, Iraí de Minas, Ituiutaba, Monte Alegre de Minas, Monte Carmelo, Nova Ponte, Patrocínio, Prata, Romaria, Santa Vitória e Tupaciguara.

Conforme a decisão da juíza Juliana Faleiro de Lacerda Ventura, "o que se conclui é que o comportamento de Uberlândia, desde o início do período de pandemia pela Covid-19, sempre foi de muita cautela, responsabilidade e seriedade, com edição de normas locais calçadas em dados estatísticos sérios, onde eram considerados os números de ocupação de leitos de UTI, índice de contaminação pela Covid-19 e outros, que após serem analisados pelo Comitê Municipal direcionavam a tomada de decisões do poder executivo local".

Em novo vídeo divulgado nas redes sociais nesta sexta, o prefeito Odelmo Leão comemorou o retorno de Uberlândia à onda amarela. Segundo ele, um ofício foi encaminhado ao governador de Minas Gerais, Romeu Zema, citando os erros de cálculos do programa Minas Consciente com relação à incidência de casos na região. “Isso mostra que estamos acompanhando essa pandemia. Aqui não tem nenhum irresponsável, trabalhamos com responsabilidade”, disse o chefe do Executivo.

Leão afirmou ainda que nos próximos dias haverá uma reunião entre a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) e a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) para fazer a revisão dos cálculos. Ainda durante o pronunciamento, o prefeito voltou a pedir a colaboração da população durante a pandemia de Covid-19.

"A população tem que colaborar. Se não houver colaboração, vamos ficar sempre nessa. Espero que na próxima semana possamos melhorar. Se você olhar o boletim de hoje, dá para ver que os nossos indicadores melhoraram”, disse.


Com a decisão, o funcionamento do comércio segue da mesma maneira que funciona atualmente. A onda amarela permite o funcionamento de alguns serviços não essenciais. Nesta fase, são permitidos:

- Bares (consumo no local);
- Autoescolas e cursos de pilotagem;
- Salões de beleza e atividades de estética;
- Comércio de eletrodomésticos e equipamentos de áudio e vídeo;
- Papelarias, lojas de livros, discos e revistas;
- Lojas de roupas, bijuterias, joias, calçados, e artigos de viagem;
- Comércio de itens de cama, mesa e banho;
- Lojas de móveis e lustres;
- Imobiliárias;
- Lojas de departamento e duty free;
- Lojas de brinquedos;
- Academias (com restrições)
- Agências de viagem
- Clubes

VEJA TAMBÉM:


Prefeito diz que entrará com ação judicial contra o programa Minas Consciente

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »