02/08/2020 às 11h02min - Atualizada em 02/08/2020 às 11h02min

Entidades “transformam” lacres em cadeiras de rodas

Material é vendido e valor é revertido na compra dos equipamentos

SÍLVIO AZEVEDO
Para chegar ao valor de uma cadeira, são necessários aproximadamente 120 quilos de lacres | Foto: Divulgação
Todo mundo já ouviu falar que os anéis das latinhas de refrigerante, cerveja ou qualquer tipo de bebida, são recolhidos e doados para virar cadeiras de rodas. Algumas pessoas fazem esse recolhimento e doam para entidades que fazem a destinação final. Um gesto simples que ajuda milhares de pessoas a ter uma melhor qualidade de vida.

O processo para conseguir uma cadeira passa pelo recolhimento dos anéis, que são vendidos para empresas de processamento de alumínio e o valor é usado para a compra. Para atingir o valor, é necessário recolher milhares de lacres, que são leves e pequenos. Em Uberlândia, pessoas da própria comunidade e algumas entidades sociais fazem esse trabalho de recolhimento e doação. 

Desde janeiro de 2018, a supervisora Ana Paula Martins do Amaral é voluntária nessa ação. Ela estima que nesses dois anos já juntou cerca de 174 garrafas pet de dois litros com lacres que foram levados ao Rotary Clube de Uberlândia – Cidade Industrial, que faz a venda e compra de cadeiras.

“É muito bom saber que uma ação tão simples pra gente pode ajudar tantas pessoas e em um momento em que elas realmente precisam de apoio. O sentimento é de felicidade e gratidão por ter condições de colaborar”.

A entidade ajudada pela Ana Paula, o Rotary Clube, oferece o empréstimo de cadeiras de rodas, banho, muletas e andadores para a comunidade. Ao todo, o banco de cadeiras possui cerca de 120 equipamentos.

Segundo o coordenador do projeto das cadeiras da entidade, Roberto de Sá, os lacres são recolhidos junto à comunidade, em restaurantes e bares que se solidarizam com a campanha e fazem as doações. 

“É uma campanha muito bonita. Tem doadores até de outras cidades que ajudam. Antes a gente tinha um parceiro que pagava um valor maior, mas a fundição dele fechou e hoje vendemos a preço de mercado. Deu uma caída, mas continuamos com a campanha”.

Para chegar ao valor de uma cadeira, são necessários aproximadamente 120 quilos de lacres. Ainda de acordo com Roberto, é feito um projeto junto ao Distrito Rotary do Brasil ou ao Rotary Internacional que subsidiam mais 100% do que foi arrecadado para ser usado na compra de mais cadeiras. “Cada cadeira custa em média entre R$ 400 e R$ 500 e com esse projeto, a cada uma comprada ganhamos outra”.

As pessoas que quiserem fazer a doação de lacres ou necessitam de uma cadeira emprestada podem entrar em contato com o Rotary Clube de Uberlândia – Cidade Industrial, através do telefone (34) 99192-1411.

Outra instituição que recebe os lacres é o Hospital do Câncer. Porém, ao invés de comprar cadeiras de roda, eles fazem um trabalho de assistência social com pacientes. De acordo com Fernanda Freitas, secretaria do Núcleo de Voluntários, são doados suprimentos a quem necessita.

“Os lacres que recebemos fazemos a venda e com isso compramos os suprimentos necessários, como fraldas e leite. Antes da pandemia, a gente recebia 10 garrafas pet de 2 litros por semana com lacres, mas hoje caiu. Como o pessoal está demorando mais a juntar, são uma, duas. Ano passado conseguimos juntar 760 quilos, que deu R$ 2,9 mil. É um valor bem em conta e como o lacre é muito leve, tem que juntar muitos pra vender”.

Os lacres doados ao Hospital do Câncer são guardados em um depósito e duas vezes ao ano são encaminhados para venda em ferros-velhos da cidade. Quem quiser doar é só levar o material no espaço de doações do Hospital do Câncer, que fica no bairro Umuarama.

“Geralmente o pessoal traz em garrafa pet, porque é mais fácil de juntar. Mas não temos quantidade mínima, recebemos qualquer volume. Quem tiver dúvidas é só ligar no 3291-6160”, disse Fernanda.






















 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »