29/07/2020 às 13h14min - Atualizada em 29/07/2020 às 13h14min

PM cria cartilha para evitar golpes de clonagem do WhatsApp

Criminosos utilizam aplicativo para pedir dinheiro a amigos e familiares das vítimas; crime tem se tornado frequente em Uberlândia

BRUNA MERLIN
Criminosos invadem aplicativo de vítimas para conversar com amigos e familiares com o objetivo de pedir dinheiro | Foto: Pixabay
A Polícia Militar (PM) divulgou nesta semana uma cartilha para orientar a população sobre o crime de clonagem do aplicativo de mensagens WhatsApp, que vem se tornando cada vez mais frequente na cidade de Uberlândia. O documento fornece dicas de como reconhecer o golpe e como a vítima deve proceder caso tenha caído em algum. 

Segundo o porta-voz da PM, capitão Leandro Menezes, os criminosos estão invadindo o aplicativo de vítimas para conversar com amigos e familiares com o objetivo de pedir dinheiro emprestado. 

“Os golpistas entram em contato com você pedindo a confirmação, por WhatsApp ou por telefonema, de um número de verificação que será enviado via SMS. Contudo, o que muitos não percebem, é que esse é o código de autenticação do próprio aplicativo, e acabam passando para os autores. Com essa chave de acesso, eles conectam sua conta a um novo celular e, a partir daí, conseguem utilizar o aplicativo como se fosse você e conversam com toda a lista de contato”, detalhou.

A abordagem e pedidos dos códigos são feitos de várias formas. Os criminosos costumam se passar por vendedores e pedem os números para validar uma compra ou utilizam perfis fakes para falar que enviou a senha para o celular sem querer e pede que a encaminhe de volta.

CRIME
Em maio, um jovem de 19 anos teve o WhatsApp clonado após anunciar um carro em um site de compra e venda. Ele relatou à PM que recebeu uma ligação do estado de São Paulo em que o autor se passava por um funcionário da empresa e solicitou a confirmação de um código que seria enviado via SMS para o celular dele.

Sem perceber a ação criminosa, o rapaz repassou os números ao criminoso que zombou da vítima e disse “valeu otário” antes de desligar a ligação. Neste momento, o jovem percebeu que havia caído em um golpe e perdeu o acesso do aplicativo no celular. 

A vítima também contou aos policiais que entrou em contato com os familiares, amigos e colegas de trabalho para informar que o Whats dele tinha sido clonado. O autor tentou solicitar dinheiro a alguns contatos do jovem, mas não obteve sucesso.

Transferência de dinheiro 
Uma mulher de 39 anos, moradora do bairro Santa Mônica, também foi vítima de clonagem do WhatsApp de uma amiga dela. Ela chegou a transferir R$ 1,6 mil para a conta bancária do autor.

Consta no Boletim de Ocorrência que a mulher recebeu uma mensagem da suposta amiga dizendo que precisava de dinheiro emprestado para pagar uma conta. Acreditando ser a colega, a vítima pediu os dados bancários e realizou a transação.

Em seguida, o autor mandou mensagens de agradecimento e chegou a chamar a vítima de “amor”. Neste momento, a mulher percebeu que a amiga não costumava conversar daquele jeito e ligou para outro número da colega que relatou que havia tido seu aplicativo clonado. 

Ainda de acordo com a PM, o valor transferido pela vítima caiu em uma conta criada no estado de São Paulo.

COMO EVITAR
O capitão da PM explica que as pessoas sempre devem ficar desconfiadas quando algum desconhecido entra em contato para confirmar códigos enviados por SMS. Além disso, orienta que os usuários do aplicativo fiquem atentos a pedidos de dinheiro emprestado através de mensagens, mesmo que a pessoa seja conhecida ou próxima.

“Não negocie valores por mensagens. Ligue ou peça para que a pessoa mande um áudio. Se houver resistência, com certeza é um golpe”, ressaltou.

Além disso, Menezes sugere que, caso a vítima tenha o aplicativo clonado, desinstale e instale o aplicativo novamente porque isso irá bloquear o acesso no telefone utilizado pelo autor. “É importante também que as pessoas façam a verificação em duas etapas no aplicativo. Nas configurações é possível criar uma senha. Um PIN que será solicitado além do código enviado pelo SMS”, concluiu.

Outras dicas da cartilha:
  • Como regra, as grandes empresas de compra e venda na internet não mantém contato com o cliente através de aplicativos de mensagens, portanto sempre desconfie.
     
  • Tenha muito cuidado com e-mails de promoções que possuam links. Ao receber um e-mail não solicitado ou de um site no qual não esteja cadastrado para receber promoções, é importante verificar se realmente se trata de uma empresa idônea. Acesse o site digitando os dados no navegador e não clicando no link.
     
  • Outro recurso disponibilizado pelo aplicativo é a confirmação em duas etapas. Essa é uma camada a mais para sua proteção. Com ela ativada, você precisará digitar o PIN de seis dígitos todas as vezes que quiser confirmar seu número no WhatsApp. Para ativá-la, entre em Configurações/Ajustes > Conta > Confirmação em duas etapas > ativar. Em seguida, defina uma senha e digite seu e-mail.
     
  • Se enviou um valor achando que era um familiar ou conhecido, comunique a pessoa que sofreu o golpe, o quanto antes. Tire prints da conversa, reúna documento de comprovantes de pagamento e faça um Boletim de Ocorrência. Além disso, entre em contato com o seu gerente e informe o ocorrido, a fim de verificar a possibilidade de cancelamento da transação e ainda pedir a suspensão da conta de destino, evitando futuras fraudes.
     
  • Se você suspeitar que os criminosos estejam utilizando o WhatsApp Web – extensão para utilizar o aplicativo no computador -, desconecte-os também acessando as Configurações/Ajustes > Conta > WhatsApp Web/Desktop > Sair de todos os computadores.

VEJA TAMBÉM:



















 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »