03/06/2019 às 17h04min - Atualizada em 03/06/2019 às 17h04min

Geladeira Solidária já ajudou mais de 50 pessoas em Uberlândia

No primeiro mês, projeto passou por interrupção por causa de furto de motor

VINÍCIUS LEMOS
A idealizadora do projeto Laudelina e o empresário William Jacob (Vinícius Lemos)
Pouco mais de um mês depois de implantado em Uberlândia, o projeto da Geladeira Solidária, que distribui refeições de maneira gratuita, conseguiu atender pelo menos 50 pessoas em situação de vulnerabilidade social que buscam alimentos de forma regular no bairro Marta Helena. Nos primeiros dias, contudo, o projeto enfrentou as primeiras dificuldades, como o furto do motor da primeira geladeira instalada na avenida Comendador Alexandrino Garcia. O que não impediu que a ação fosse em frente.

O coletor de materiais recicláveis que se identificou apenas como Baiano, em geral, passa duas vezes por dia pela geladeira, entre segundas e sextas-feiras, para buscar alimento. “Que Deus abençoe”, disse quando a reportagem o encontrou no local.

A benção veio depois de alguns dias em que a geladeira ficou suspensa. Como a geladeira fica ao ar livre e não tinha qualquer tipo de segurança, durante uma das noites o motor do eletrodoméstico foi levado por ladrões. Até que uma nova geladeira fosse conseguida, não houve distribuição de alimentos. Agora existe uma espécie de grade de proteção para que o fato não se repita. “Estamos felizes, mesmo com os contratempos. Eles são superados na tranquilidade de seguir com o projeto”, disse a idealizadora da Geladeira Solidária na cidade, Laudelina Theodoro.

O empresário que cedeu o espaço e a energia para o funcionamento do eletrodoméstico, William de Souza Jacob, afirmou que o furto gerou revolta. “A gente sabe que pessoas com esse tipo de comportamento sempre há. Isso gerou comoção de quem recebe o auxílio da geladeira e a gente percebe uma certa revolta da sociedade como um todo”.

Por outro lado, o problema se tornou uma nova ideia para usar a antiga geladeira sem motor como uma biblioteca coletiva. O projeto ainda está em desenvolvimento, mas se tornou o próximo objetivo entre os envolvidos com o Geladeira Solidária.
 
DOAÇÕES E RESULTADOS
 
Laudelina Theodoro explicou que a distribuição aberta de alimentos tem conseguido cada mais doadores e estes são importantes para manutenção do projeto, que tenta oferecer pelo menos três refeições diárias. “A ideia é que a geladeira seja mantida pelo bairro, para ajudar as pessoas do próprio Marta Helena. Assim que ela estiver sendo abastecida automaticamente, podemos abrir em outros lugares”, explicou.

O número de doadores varia, segundo ela, mas entre aqueles frequentes, a doadora Rose Ferreira Ribeiro tenta se organizar para ajudar naquilo que for mais necessário. “Eu procuro doar até três vezes por semana. À medida que determinado alimento vai faltando, eu procuro suprir. Recebo um carinho grande e fico muito feliz em saber que posso alimentar e matar a fome de alguém”, disse. A doadora mora no bairro Santa Rosa e disse que resolveu contribuir porque um dia precisou desse tipo de ajuda.

Feliz com o resultado de sua ajuda, o empresário William Jacob também diz que o que ganha em troca é ver a participação de mais pessoas. “É um gesto que a gente espera que possa inspirar outras pessoas”.

A Geladeira Solidária está na avenida Comendador Alexandrino Garcia, 1645, no bairro Marta Helena. Quem quiser doar pode entrar em contato no telefone 99992-4541.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »