25/11/2018 às 07h05min - Atualizada em 25/11/2018 às 07h05min

Mais de 2 mil cartas já foram apadrinhadas

Campanha de Natal deste ano recebeu pedidos de crianças de oito escolas em regiões mais carentes de Uberlândia

MARIELY DALMÔNICA
Lançamento da campanha foi na Escola Municipal Professora Carlota de Andrade Marquez | Foto: Cleiton Borges/Secom/PMU
Há 29 anos, os Correios notaram que recebiam muitas cartas escritas por crianças e destinadas ao Papai Noel, mas que não chegariam fácil ao bom velhinho. Então, os funcionários da empresa começaram a adotar as cartinhas e enviar os presentes. Com o tempo, a ação cresceu e o projeto se transformou. Hoje, a campanha Papai Noel dos Correios existe em quase todas as cidades do País e recebe ajuda de pessoas da comunidade. 

Só nos últimos três anos, foram recebidas mais de 2,6 milhões de cartas em todo Brasil. Em Uberlândia, o projeto existe desde o início e neste ano, 4 mil cartas foram recebidas. Segundo Leandro Carneiro Barbosa, coordenador de atendimento dos Correios na cidade, mais de 2 mil já foram apadrinhadas.

O projeto tem o objetivo de fazer uma corrente do bem, unindo a empresa, os colaboradores e os voluntários, para presentear crianças em situação de vulnerabilidade social. Além de incentivar a escrita e a solidariedade. 

A campanha deste ano foi lançada na Escola Municipal Professora Carlota de Andrade Marquez, localizada no bairro Jardim Célia, no início do mês, com direito a presença de um Papai Noel. “Neste ano, o projeto fez parceria com oito escolas, todas em regiões mais carentes. São crianças de até 10 anos e que não participaram nos últimos anos. No dia do lançamento, houve uma entrega simbólica das cartinhas ao Papai Noel”, disse Leandro. 

Deusiane de Freitas Pereira, diretora da escola, disse que sem o trabalho em equipe nada disso teria acontecido. “Foi um momento de muita alegria, muita paz e muita luz”, afirmou a diretora. 

Segundo Deusiane, a imagem que os alunos da escola têm do Papai Noel é um pouco diferente. “Aqui temos crianças com um entendimento maior devido a questão familiar. Tem alunos que sentem o Papai Noel como partilha, como alguém que faz uma doação para compartilhar alimento e bondade. Outras sabem muito bem que o Natal é o nascimento de Jesus.”

Para a diretora, a ação dos Correios também influenciou na produção dos alunos. “O fator pedagógico para nós foi trabalhar a escrita, a oralidade e a interpretação de texto. Também relembrar que, mesmo com toda tecnologia que existe hoje, a carta ainda existe e faz parte desse avanço”, disse. 

As cartinhas foram escritas e entregues aos Correios até o dia 29 de outubro, e agora, estão na fase de apadrinhamento. “As cartas estão em uma sala separada na agência da avenida Getúlio Vargas, quem quiser pegar alguma, basta ir até o dia 30 deste mês. Os presentes são entregues nos Correios e queremos distribui-los até dia 14 nas escolas”, afirmou o coordenador de atendimento. 

PAPAI NOEL
Voluntário faz entrega de presentes há 22 anos

Desde 1996, os Correios de Uberlândia e região contam com a ajuda de Eurípedes Augusto Lopes, que trabalhava como coordenador de vendas e hoje, mesmo aposentado, continua sendo o Papai Noel dos Correios. “Há 22 anos eu me ofereci para vestir a roupa de Papai Noel e nunca mais parei, até mandei fazer uma fantasia toda para mim”, disse o voluntário.

Eurípedes contou que no início da campanha entregava os presentes de casa em casa, como um verdadeiro Papai Noel, mas com o passar dos anos, os pedidos foram aumentando, e algumas mudanças precisaram ser feitas. “Às vezes, na véspera de Natal, ficávamos até meia noite entregando. Agora, acompanho a entrega de presentes específicos, como uma vez que fui convidado por uma agência dos Correios em Araguari. A criança disse que dormia no chão e pediu material para construir uma casa. Alguns empresários patrocinaram e nós fomos entregar os materiais. Me emocionei muito, porque a gente vê a carência das pessoas.” 

Para o voluntário outras duas histórias marcaram seus dias como Papai Noel. “Por volta de 2008, cheguei em uma casa que não tinha cerca e nem muro, chamei o nome da criança e fui entrando. Vi uma senhora de uns 70 anos e ela começou a chorar, dizendo que nunca tinha visto um Papai Noel na vida. Em 2010, um pré-adolescente que era deficiente físico pediu uma cadeira motorizada, mais uma vez o presente foi patrocinado e eu fui fazer a entrega. É muito emocionante”, disse.

Além de se vestir de Papai Noel, Eurípedes também escolhe algumas cartas e presenteia as crianças todos os anos. “Tem de todos os tipos, desde panetone até vídeo game. Muitas pedem cesta básica e material escolar também”, disse o voluntário, que pretende se fantasiar por muitos anos ainda.  

Quem quiser ajudar basta ir à agência dos Correios, localizada na avenida Getúlio Vargas, 299, até o dia 30 deste mês. Os presentes devem ser levados de volta para a agência até dia 5 de dezembro.


Eurípedes Augusto chegou a entregar presentes de casa em casa
Foto: Cleiton Borges/Secom/PMU

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »