07/11/2018 às 08h11min - Atualizada em 07/11/2018 às 08h11min

PM centraliza o 190 de 18 municípios da região

Medida garante geração de todas as ocorrências e libera policiais para trabalho de rua

NÚBIA MOTA
Major Mauro Elias disse que há possibilidade de ter civis no atendimento, liberando mais PMs para as ruas | Foto: Núbia Mota
As ligações para o número 190 originadas dos 18 municípios e 7 distritos pertencentes à 9ª Região da Polícia Militar (9ª RPM) estão sendo direcionadas, há um mês, ao Centro de Operações da Polícia Militar (Copom) de Uberlândia. A intenção, além de centralizar o atendimento e liberar policiais para o trabalho na rua, é ter a garantia de que todas as ocorrências serão geradas. As chamadas serão registradas na Central de Atendimento de Despacho (CAD) e direcionadas online para os quartéis das outras cidades ou via telefone celular, em casos de municípios pequenos com menor contingente, onde os policiais ficam a maior parte do tempo na rua.

Para quem telefonar a partir de agora para o 190, a principal orientação é passar dados mais precisos, principalmente a respeito da localização da ocorrência, com nome da rua, bairro e número aproximado, já que os atendentes do Copom não conhecerão os locais por nomes informais. Antes da unificação, as ligações caíam diretamente nos quartéis da cidade de origem da chamada, ou então a pessoa tinha que ligar para os celulares das viaturas, em localidades onde não tinha o 190. “O policial ou funcionário civil que atendia anotava em um papel e passava para a viatura via rádio comunicador. Se fosse o caso de fazer o Reds (Registro de Eventos de Defesa Social), essa viatura deslocava a um computador e terminava o trabalho da polícia. Hoje não, tudo cai em Uberlândia e é registrado no sistema”, disse o major Mauro Elias, chefe do Copom da 9ª RPM.

Em horários de menor pico é disponibilizado 1 atendente para cada 300 mil habitantes, o que equivale a 4 ou 5 atendentes no Copom, e em maior pico, das 16h às 23h, quando acontece mais ocorrências, é disponibilizado 1 atendente para cada 100 mil habitantes, entre 7 a 8 atendentes, mas a expectativa é que essa proporção seja de 1 atendente a cada 70 mil habitantes. “A intenção é liberar alguns policiais que estão no atendimento do 190 para atender na viatura. Estamos estudando a possibilidade de ter civil aqui no atendimento, para que mais policiais sejam levados para a rua”, disse o major Mauro Elias.

Ainda de acordo com o chefe do Copom, por meio do sistema CAD é possível fazer uma auditoria do serviço prestado pela PM e dar garantia de que o cidadão será realmente atendido. A cada passo da ocorrência, o sistema muda de cor e, com isso, é possível medir o tempo médio gasto em cada estágio, desde o atendimento, o deslocamento, até gerar o Reds, se for necessário. Hoje, por exemplo, são gastos em média 98 segundos para um atendimento, com 11 segundos de espera. Por dia, são atendidas cerca de 2.880 ligações. “Lá em Gurinhatã, por exemplo, o policial na viatura recebia o chamado pelo celular, anotava no papel e se não quisesse atender, não atendia. A gente nunca ia saber. Hoje não, registrou no CAD, ele precisa atender, tem que chegar até o final, mesmo que a viatura vá ao local e não tenha nada”, disse o major.
 
190
Orientação: Passar dados mais precisos, principalmente a respeito da localização da ocorrência, com nome da rua, bairro e número aproximado.

Municípios e distritos da 9ª RPM
Uberlândia, Araguari, Indianópolis, Tupaciguara, Araporã, Ituiutaba, Santa Vitória, Monte Alegre de Minas, Prata, Capinópolis, Gurinhatã, Ipiaçu, Canápolis, Centralina, Cachoeira Dourada, Estrela do Sul, Cascalho Rico e Grupiara, além dos distritos de Patrimônio do Rio do Peixe, Amanhece, Chaveslândia, Perdilândia, Martinésia, Cruzeiro dos Peixotos e Tapuirama, em uma área de 29.467 km².
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »