22/08/2018 às 08h16min - Atualizada em 22/08/2018 às 08h16min

Anastasia avalia como “estranho” episódio sobre candidato do PSB

CAROLINA PORTILHO | REPÓRTER
O senador Antonio Anastasia (PSDB), candidato ao Governo de Minas nas eleições deste ano, esteve em Uberlândia ontem (21), a convite do G7, para expor sua opinião sobre o atual cenário político e suas propostas para o Estado. O encontro com lideranças do Triângulo Mineiro foi realizado à noite na Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL). Ao desembarcar na cidade, Anastasia atendeu a reportagem do Diário, ainda no aeroporto, e falou sobre os desafios que enfrentará à frente do cargo, caso seja eleito.

Com a retirada da candidatura de Marcio Lacerda (PSB), após pressão do próprio PSB nacional, Anastasia avaliou o ocorrido como “algo estranho”. O tucano, no entanto, evitou afirmar que a decisão possa gerar a uma possível polarização dos votos entre ele e o candidato do PT, que tem à frente o governador Fernando Pimentel.

“Registro mais uma vez minha solidariedade ao Marcio Lacerda. Achei a retirada de sua candidatura, que foi contra sua vontade, algo estranho na nossa política mineira. Ele tinha toda a elegibilidade de se candidatar e essa é minha posição pública. Quanto à distribuição dos votos, não sabemos como será essa polarização, pois tudo depende da vontade soberana do eleitor. Sigo minha campanha com foco nas propostas, na minha caminhada, e não no adversário”, disse.

Entre as prioridades do candidato, Anastasia disse que a primeira é colocar em ordem as finanças de Minas Gerais e para isso há duas problemáticas diretamente ligadas ao tema: pagamento em dia do salário dos servidores e regularização da situação do Estado com as prefeituras. “Vamos honrar com o pagamento do salário no quinto dia útil a favor do servidor, medida que consegui fazer como secretário de Planejamento em 2004 e que por muitos anos assim permaneceu, até que o atual governo não deu mais cumprimento a essa justa reivindicação dos profissionais. A outra medida é normalizar a situação dos repasses do Governo aos Municípios. Muito estranho o Estado reter esses valores. De fato é impossível dar prazos para essas duas questões, mas será o mais breve possível”.

O candidato foi questionado pela reportagem sobre o Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg), plano de saúde dos profissionais. Segundo ele, é preciso voltar a fazer convênios com hospitais para que o serviço volte a funcionar.


Antonio Anastasia participou de debate na CDL Uberlândia ontem à noite | Foto: Divulgação

 
SAÚDE
 
Sobre a não participação de Uberlândia no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) do Triângulo Norte, justificada pela gestão municipal à deficiência de leitos na cidade, Anastasia reforçou ser fundamental o serviço, mas frisou que a decisão cabe aos prefeitos. “Não posso opinar sobre questões municipais, mas os consórcios de saúde como um todo são medidas benéficas, além de serem grandes feitos para a política pública de saúde no Brasil e em Minas. Mas realmente a adesão não facultativa”.

Em relação a obra parada de ampliação do pronto-socorro do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU), Anastasia garantiu que se esforçará para a conclusão do trabalho devido ao apoio político que terá, já que a obra é do Governo Federal.
 
EDUCAÇÃO E SEGURANÇA
 
O candidato reconheceu durante entrevista ao Diário que o salário dos professores e de outros servidores de Minas está defasado e que rever os valores também está entre as prioridades de seu governo, assim que as finanças do Estado estiverem em ordem.

Em relação à segurança, o candidato destacou que as queixas são gerais em relação ao básico, como estrutura para se trabalhar e pouco efetivo, no caso dos policiais civis. “Não vamos começar ou concluir obras sem antes estruturar o necessário para o funcionamento regular das atividades, seja ela ligada a educação, saúde, segurança, entre outros”.
 
TRIÂNGULO MINEIRO
 
“Uberlândia é a segunda maior cidade de Minas Gerais, perdendo apenas para Belo Horizonte. Minha proximidade com a cidade, com a região do Triângulo Mineiro sempre foi presente e pretendo manter esse elo, agora ainda mais forte por ter como vice Marcos Montes que é deputado federal e ex-prefeito de Uberaba por duas vezes”, concluiu Anastasia ao dizer que pretende mudar a visão que as pessoas têm em relação à distância da região com o Governo de Minas.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »