12/07/2018 às 18h20min - Atualizada em 12/07/2018 às 18h20min

UFU recebe R$ 10 milhões para repassar à Faepu

Servidores da Saúde entraram em greve na manhã de quarta-feira (11)

MARIELY DALMÔNICA | REPÓRTER
Cerca de R$ 10 milhões foram repassados pelo Fundo Nacional de Saúde (FNS) à Universidade Federal de Uberlândia (UFU), na manhã desta quinta-feira (12), um dia após o Ministério Público do Trabalho (MPT) e o Ministério Público Federal (MPF) ingressarem com ação na Justiça para pedir o bloqueio de mais de R$ 31 milhões para assegurar o pagamento de salários atrasados a 1.408 servidores do Hospital de Clínicas da UFU (HC- UFU).

Os profissionais contratados pela Fundação de Assistência, Estudo e Pesquisa de Uberlândia (Faepu) entraram em greve na manhã de quarta (11) e anunciaram que só voltarão a trabalhar quando tiverem certeza de que o pagamento será depositado no quinto dia útil.

A ACP pediu o bloqueio dos valores equivalentes aos repasses pendentes, que vão assegurar o pagamento dos salários e de outras despesas da UFU e tem como réus a União, o Estado de Minas Gerais e a Faepu. De acordo com assessoria do hospital, a UFU recebeu cerca de R$ 10 milhões do FNS, mas esse valor ainda deve ser repassado à Faepu. A previsão é que o pagamento dos salários seja feito até a próxima segunda-feira (16). Esse repasse estava previsto para o dia 10 de junho de 2018, que corresponde à parcela 06/2018. Segundo o FNS, os repasses que garantem atendimentos de média e alta complexidade estão atrasados para todos os hospitais federais.

Em nota, o HC-UFU informou que, até o momento, não há falta de medicamentos e materiais que coloquem em risco o atendimento aos pacientes, mas se persistir o atraso no repasse, o funcionamento da unidade poderá ser comprometido. “Informamos que, em virtude da greve dos funcionários da Faepu, o Centro Cirúrgico está realizando apenas cirurgias de urgência e emergência e cirurgias eletivas oncológicas.” 

GREVE

Segundo o presidente do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Uberlândia e região (Sind-Saúde), Ronaldo Rosa, além do atraso de cinco a dez dias nos salários, o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) de alguns funcionários não vem sendo depositado .“Vamos continuar em greve, já que até agora o pagamento dos salários não saiu. Amanhã [sexta-feira] iremos nos reunir na porta do HC-UFU pela manhã”, disse Rosa. 
A instituição de saúde está atendendo apenas casos de urgência e emergência. De acordo com o presidente do sindicato, 70% dos funcionários ligados à Faepu aderiram à greve. 

A categoria deve retornar aos trabalhos apenas com o pagamento referente a junho e com um documento oficial assegurando que o salário seja depositado até o quinto dia útil de cada mês.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »