05/02/2018 às 18h48min - Atualizada em 05/02/2018 às 18h48min

Programa de capacitação atende 1,4 mil internos

Dados são de 2017; todas as unidades de MG também oferecem ensino regular

AGÊNCIA MINAS | BELO HORIZONTE
Ensino oferecido é integral e também incluem atividades esportivas, de arte e cultura / Foto: Imprensa MG

Mais de 1.450 jovens que cumprem medidas em Centros Socioeducativos do Estado foram inseridos em cursos de profissionalização em 2017. Nos últimos três anos, foram 4.564 adolescentes instruídos.  A medida, além de tentar reduzir a defasagem escolar, tenta garantir a reinserção social dos adolescentes em internação.

As ações são desenvolvidas de forma articulada com familiares, serviços públicos, Organizações Não-Governamentais (ONGs), instituições privadas e pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), por meio da Subsecretaria de Atendimento Socioeducativo (Suase).

Todas as unidades de Minas possuem escolas e contam com o ensino integral, em uma parceria com a Secretaria de Estado de Educação (SEE). Além do avanço escolar possível – a maioria dos adolescentes em internação tem média de 4 anos de defasagem escolar – as escolas oferecem atividades esportivas, oficinas de arte, cultura e lazer, regularmente.

“Para que possam compreender o potencial que possuem, assumindo o protagonismo da própria vida, esses jovens precisam de especial atenção e orientação. Trabalhamos para mostrar que eles têm outras opções para além da criminalidade na qual foram inseridos”, observa a superintendente de Atendimento ao Adolescente da Suase, Giselle Ciryllo.

Além de cursos voltados para capacitações específicas (cabeleireiro, garçom, administrativo, empreendedorismo, culinária, entre outros), dentro dos Centros Socioeducativos do Estado, eles também passam por oficinas de capacitação básica, onde recebem orientações de como elaborar um currículo e instruções de como se portar em entrevistas e no ambiente profissional.

Há quatro meses, o jovem Miguel de Freitas*, de 18 anos, fazia um curso na área administrativa, enquanto cumpria medida socioeducativa na Casa de Semiliberdade instalada no Bairro São João Batista, em Belo Horizonte.

Durante a capacitação, teve a oportunidade de participar de uma entrevista de emprego na Rede Cidadã e conquistou uma vaga na área, com carteira assinada. “Sou tratado com muito respeito pelos colegas. Todos me apoiam e mostram que temos a mesma capacidade. É só uma questão de esforço”, compartilha Miguel.

EAD

Para capacitar os jovens que cumprem medida no Centro Socioeducativo de Patrocínio, no Triângulo Mineiro, além dos cursos presenciais, a direção também utiliza a plataforma da Universidade Aberta e Integrada de Minas Gerais (Uaitec), que oferece mais de 70 cursos gratuitos de qualificação profissional em Educação a Distância (EAD). Na sala de informática da Escola Estadual, instalada dentro da unidade, eles acessam o sistema aberto a toda população mineira.
Diogo Pereira*, de 19 anos, tem experiência como garçom e ajudante de pedreiro.  Entretanto, ele conta que só durante o cumprimento da medida de internação, no Centro Socioeducativo de Patrocínio, teve oportunidade de se capacitar para a realização de um sonho: trabalhar como cabeleireiro.

O jovem fez o curso da Uaitec, voltado para a área, e passou a frequentar a oficina de corte e cabelo ministrada dentro da unidade. “Já aprendi várias técnicas. O mercado não está fácil, mas acho que com qualificação tenho mais oportunidades”, acredita.

A diretora de atendimento da unidade, Vanessa Silva, conta que o ensino a distância veio auxiliar nas ações de profissionalização. “Em nosso município, pela falta de oferta, encontramos dificuldades para inserir os adolescentes em cursos presenciais”, observa.

Somente em 2017, 28 adolescentes do Centro Socioeducativo de Patrocínio concluíram cursos online pela plataforma digital. As principais capacitações escolhidas foram: repositor de estoque de supermercados, assentador de portas e janelas de madeira e noções básicas de instalações elétricas.

Já dentro da unidade, os adolescentes podem participar de oficinas de música (percussão), artesanato, corte e cabelo, esporte, cultivo de horta, origami, entre outras.

MERCADO

Acompanhar as tendências e exigências do mercado trabalhista também é um diferencial. Na capital, por exemplo, a Suase inseriu, em 2017, 36 jovens em um curso de Sistema de Gestão Empresarial (ERP).

O software é uma ferramenta corporativa, muito utilizada pelas grandes empresas, capaz de controlar informações, integrando e gerenciando dados, recursos e processos.
 
(*) Nomes fictícios

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »