02/02/2018 às 05h16min - Atualizada em 02/02/2018 às 05h16min

Sete secretários deixam cargos de olho na eleição

Governador optou por antecipar saída e substituir por secretários adjuntos

WALACE TORRES | EDITOR
Neivaldo esteve à frente da Secretaria de Desenvolvimento Agrário por dois anos / Foto: Divulgação/Seda
 
O governador Fernando Pimentel exonerou sete secretários de Estado que pretendem disputar as eleições deste ano, entre eles o único representante de Uberlândia no primeiro escalão do governo, o então titular da Secretaria de Desenvolvimento Agrário, Professor Neivaldo. Todos os titulares serão substituídos pelos secretários adjuntos das respectivas pastas. As exonerações foram publicadas na edição de ontem do Diário Oficial do Estado.

De acordo com a legislação eleitoral, o prazo para desincompatibilização dos cargos no Estado para quem irá disputar um cargo eletivo em outubro deste ano vai até o fim de março – seis meses antes do pleito -, mas o governador decidiu antecipar a mudança para evitar descontinuidade nos programas e ações já implementados e em andamento, além de exigir dedicação integral de quem estiver à frente das pastas.

Além de evitar a descontinuidade nas políticas de governo, a indicação dos adjuntos também acaba gerando uma economia aos cofres públicos, uma vez que os secretários não recebem pelo acúmulo de funções. A decisão de repassar a responsabilidade dos cargos aos adjuntos ainda proporciona ao governo um perfil mais técnico nas secretarias envolvidas.

Dos sete secretários que saíram, quatro irão disputar o cargo de deputado estadual e outros três o de deputado federal. Pelo menos dois deles já são deputados com mandato e retornam de imediato à Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). São eles: Sávio Souza Cruz (MDB), que deixa a Secretaria de Estado de Saúde, e Ricardo Faria (PCdoB), que ocupava a pasta de Turismo. Esses dois irão tentar a reeleição, além de Professor Neivaldo (PT), que é suplente de deputado na ALMG e chegou a assumir o mandato no início da legislatura com a composição do secretariado. Também disputará o cargo de deputado estadual a ex-secretária de Educação, Macaé Evaristo.

Com o retorno dos dois parlamentares, Tony Carlos (MDB) e Geraldo Pimenta (PCdoB) retornam à condição de suplentes na Assembleia.

Para a Câmara dos Deputados, deverão estar na disputa o então ouvidor-geral e secretário de Desenvolvimento Integrado e dos Fóruns Regionais Wadson Ribeiro, que também é presidente do PCdoB; o ex-titular da Secretaria de Direitos Humanos Nilmário Miranda; e o ex-secretário de Esportes Arnaldo Gontijo.

Único político de Uberlândia a ocupar um cargo no primeiro escalão no atual governo estadual, Professor Neivaldo comandou a Secretaria de Desenvolvimento Agrário por dois anos. Nesse período, intensificou os programas de alimentação escolar (PNAE) e de aquisição de alimentos (PAA) no Estado, além de fortalecer ações na agroindústria, agroecologia, alimentação orgânica e na regularização de títulos fundiários – foram mais de dois mil títulos entregues e outros cinco mil que deverão ser repassados este ano. “Saio com o sentimento de dever cumprido e com uma experiência diferente, de poder conhecer o Executivo, onde você precisa ter e saber administrar recursos para executar as ações, e não apenas cobrar”, disse Neivaldo fazendo uma comparação do com cargo legislativo, no qual teve a vivência como vereador e como deputado.
 
Secretários de Estado que deixaram os cargos
 
Secretaria - Nome (Cargo que disputará)

Educação - Macaé Evaristo (Deputada estadual)
Saúde - Sávio Souza Cruz (Deputado estadual)
Ouvidoria-Geral/Sec. Fóruns Regionais - Wadson Ribeiro (Deputado federal)
Desenvolvimento Agrário - Professor Neivaldo (Deputado estadual)
Direitos Humanos - Nilmário Miranda (Deputado federal)
Turismo - Ricardo Faria (Deputado estadual)
Esportes - Arnaldo Gontijo (Deputado federal)
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »