08/01/2018 às 16h18min - Atualizada em 08/01/2018 às 16h18min

Projeto resgata o idoso para a vida ativa

Além de promover a saúde, iniciativa do curso de Medicina da UFU oferta disciplinas para a área médica

LAURA FERNANDES | APRIMORAMENTO PROFISSIONAL
Universidade Amiga do Idoso teve a primeira turma formada em 2016 e oferece 100 vagas por ano em várias atividades / Foto: Divulgação

 

“Uma oportunidade de enxergar melhor a forma de se viver.” É assim que o participante Roberto Yassudi Okada define o projeto “Universidade Amiga do Idoso - UNAI”. Desenvolvido desde setembro de 2015 a partir da extensão do programa “Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida para a Terceira Idade”, da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), o projeto destinado às pessoas idosas e também àquelas com mais de 50 anos, tem a proposta multidisciplinar de intervenção, promoção de saúde e pesquisa voltada ao campo do envelhecimento humano.

De acordo com Karina do Valle Marques, professora do curso de Medicina da UFU e coordenadora geral do UNAI, o intuito é resgatar o idoso que está em casa e não quer participar de outros grupos, além de apenas dançar forró ou produzir artesanato. “Os idosos muitas vezes vêm em busca de conhecimento. Eles vêm para ter eixos teóricos e aprendizagem sobre determinados assuntos”, explica ela sobre os desejos desse público que é contemplado no UNAI e que teve sua primeira turma formada em dezembro de 2016.

O projeto conta com o apoio da Pró-Reitoria de Extensão (Proex) da UFU e a colaboração de professores e alunos dos cursos de Enfermagem, Educação Física, Ciência da Computação, Dança, Teatro, Psicologia, Nutrição e vários outros setores da universidade e de outros órgãos, como a Secretaria de Saúde e o Centro Universitário do Triângulo (UNITRI), com a realização de um desfile com os idosos. A manutenção é feita pelo Ministério da Educação (MEC) e a Proex-UFU.

 

PARTICIPAÇÃO

Para participar é necessário inscrever-se no edital disponível no site da UFU (www.envelhecimentohumano.com.br). A divulgação acontece pelos meios de comunicação da UFU: rádio e TV Universitária, além do portal de notícias da instituição (www.comunica.ufu.br). Ao fim do projeto, os participantes recebem um certificado de “Promotor do Envelhecimento Ativo e Saudável”.

São disponibilizadas 100 vagas anuais e o critério de cadastro segue a ordem de matrícula. Também participam do projeto os idosos já formados em turmas anteriores, que nas próximas edições, após suas colações, atuam como monitores nas diferentes disciplinas, contribuindo para a aprendizagem de todos os envolvidos.

 

ATIVIDADES

As aulas acontecem nos campi Umuarama e Santa Mônica, junto aos universitários da UFU. O projeto funciona de acordo com o calendário acadêmico e traz algumas características típicas da academia, como a estruturação de disciplinas obrigatórias e optativas.

Ambas as disciplinas são divididas em dois semestres. No primeiro semestre, o eixo obrigatório contempla fundamentos em gerontologia; direito do idoso; anatomia do corpo humano; informática; atividades físicas, recreativas e de lazer; dança circular; sorriso saudável; automassagem; bem-estar e saúde. No segundo semestre, o mesmo módulo oferta primeiros socorros; cozinha afetiva; atividades físicas e recreativas; qualidade de vida; trabalho de conclusão de curso; aprendizagem e memória; inteligência emocional; bem-estar e saúde; e café literário.

Já o eixo optativo oferece no primeiro semestre a dança contemporânea; mexa-se active anatomy; teatro; canto e coral. No segundo semestre a grade contempla grupo de oração; artesanato; horta comunitária; farmacinha sênior; atividades extracurriculares, como viagens e eventos.

As aulas acontecem duas vezes por semana com duas opções de datas, segundas e quartas-feiras ou quintas e sextas-feiras. Aos sábados, acontece no Parque do Sabiá parte das atividades da disciplina optativa “Mexa-se”, que contempla atividades físicas.

 

PROJETO

Hoje o projeto conta com uma média de 230 participantes por dia, dentre os cadastros neste ano, aqueles que já participaram de edições anteriores do projeto e ainda os que participam somente das disciplinas optativas. Karina do Valle conta que em eventos e palestras abertas o número chega a triplicar, dependendo da atividade. A coordenadora diz que o projeto formou na primeira turma 74 idosos e em 2017 contemplou 66 pessoas com o certificado de “Promotor do Envelhecimento Ativo e Saudável”, que se formaram neste mês.

A coordenadora revela relatos de participantes que afirmaram terem suas vidas e de suas famílias transformadas após a participação no projeto. De acordo com Karina, a inserção do idoso na universidade e a consequente aquisição de conhecimento e interação com os demais grupos, é um espelho para os familiares. "Só de ver aquele idoso vindo para a universidade, alguns netos começam a estudar", conta. Karina diz ainda que esta interação no mundo acadêmico é um estímulo para o próprio idoso, inclusive uma das participantes fez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) este ano e agora pretende fazer um curso superior.

 

EXPERIÊNCIA

Idosos relatam mudança de vida com as atividades

Roberto Okada é um dos idosos que frequentam a UNAI. Aos 62 anos de idade, ele conta que além do conhecimento em diversas áreas ainda não estudadas, teve a oportunidade de participar de atividades, que regadas de “preconceitos masculinos” ainda não havia praticado ao longo de sua vida, como aulas de dança, desfiles e até quadrilha.

Okada iniciou no projeto em março deste ano e só não participou das atividades físicas porque já pratica habitualmente. Aquelas disciplinas que já têm conhecimento, atuou ajudando os colegas que têm dificuldades, como a computação.

“Muitas vezes, as pessoas acreditam que o fator aposentadoria é não fazer mais nada, mas o ficar dentro de casa, em vez de ajudar, na saúde complica”, diz. Por isso, Okada acredita que é muito importante a participação neste tipo de projeto, pois contribui para uma vida saudável e ativa. "As pessoas nessa idade não têm convívio com outras, as conversas são as mesmas, então o mundo fica muito pequeno, mas com essa interação ela amplia", explica Okada sobre alguns dos benefícios das disciplinas disponibilizadas pelo projeto, como melhor qualidade de vida, seja ela na parte física ou psicossocial.  "É necessário modificar a forma como estamos vivendo", ressalta.

Terezinha Matilde de Oliveira também é da turma deste ano. A inscrição foi feita por seu filho mais velho, Robson Rodrigues, que também participou das disciplinas e se formou junto com ela, o que foi um incentivo para sua permanência. Nas aulas, aprendeu muita coisa que não sabia, tanto da área da saúde, quanto dos diretos dos idosos e outras especificidades. Segundo  afirma, o simples fato de uma pessoa da sua idade não ficar "enclausurada" dentro de casa sem nenhuma atividade já é uma terapia. "Este projeto é inteligente, só faz bem para as pessoas que participam. Minha autoestima melhorou.”

Maria Abadia da Silva, 83 anos, também integra a turma deste ano. A princípio, Abadia diz que frequentou as disciplinas para ajudar a filha, que tem alguns problemas de saúde. Gostou tanto das atividades que permaneceu no projeto depois da desistência da filha, que deixou as aulas após os primeiros meses de associação. “Hoje minha disposição é outra. Melhorei minha força física, memória”, conta Maria Abadia, que procura compartilhar seus conhecimentos com a família e amigos. "A gente vê como as pessoas entram e como saem. Notamos a diferença", explica.

Já Abadia Zélia Magalhães, 64, foi da turma de 2016 e se interessou em continuar contribuindo este ano como monitora da disciplina de "Dança e conhecimento do Corpo". Ela conta que após a inserção no projeto sente o corpo diferente. Sua memória e disposição são outras, além de sua capacidade de integração. "Você aprende a lidar com as diferenças dos outros", relata.

A superação começou dentro de casa. “Minha irmã mais nova dizia: "Onde já se viu uma pessoa nessa idade ir para a Universidade?", conta. Ao longo do projeto, a família viu sua evolução e empenho e hoje, diz, a irmã manda mensagem parabenizando  pelas conquistas, além de incentivar sua permanência. Abadia garante que continuará como monitora nas próximas edições.

 

SERVIÇO

As inscrições podem ser feitas de 15 de Janeiro a 20 de fevereiro, no site www.envelhecimentohumano.com.br ou presencialmente de 5 a 9 de fevereiro, das 9h às 14h, no bloco 4B do Campus Umuarama da Faculdade de Medicina UFU (Rua Pedro Quirino, s/n, Umuarama). O projeto também está recebendo doações para fins de manutenção. Informações: 3239-1307.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »