20/12/2017 às 05h32min - Atualizada em 20/12/2017 às 05h32min

Reunião pode finalizar hoje a greve na Jucemg

VINÍCIUS LEMOS | REPÓRTER

Perto de completar quatro meses de greve, mais uma reunião está marcada para hoje, em Belo Horizonte, para tentar resolver o impasse entre servidores da Junta Comercial de Minas Gerais (Jucemg) e o Estado. Em Uberlândia apenas um trabalhador, dos seis efetivos, aderiu ao movimento grevista, mas demandas que dependem de Belo Horizonte sofrem com até 60 dias de espera.

Entre os motivos da suspensão dos trabalhos no Estado estão o não cumprimento do acordo firmado na greve de 2015 e o não pagamento do vale-alimentação com o mesmo índice de reajuste aplicado aos demais servidores estaduais.

De acordo com informações levantadas na unidade de Uberlândia da Jucemg, por conta da greve em todo o Estado, os maiores problemas locais estão em alterações e também nos fechamentos de empresas. Os serviços, que poderiam ser feitos em uma semana em períodos normais, hoje demoram dois meses por causa de processos feitos na capital, onde o atendimento é mínimo, ou seja, de 30% como determinado por Lei.

Apesar de entrar em contato tanto com a comunicação quanto com o gabinete da presidência da Junta Comercial em Belo Horizonte, o Diário do Comércio de Uberlândia não conseguiu falar com algum responsável pelo órgão. Em comunicado em seu portal, contudo, a Jucemg informou que “por haver ultrapassado o limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal, o Governo está impedido de conceder novos aumentos salariais até que o Estado melhore seus indicadores financeiros” e também que o Governo do Estado “continua aberto à negociação com os servidores da Jucemg e espera que o sindicato da categoria encerre o movimento grevista o mais rapidamente possível.”

A reunião desta quarta é considerada importante por ser uma conversa direta entre Jucemg e servidores, depois que, segundo a Associação dos Servidores da Junta Comercial de Minas Gerais, o Estado não apresentou nenhuma proposta em audiências durante dezembro na Justiça mineira. 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »