15/10/2017 às 05h34min - Atualizada em 15/10/2017 às 05h34min

Grupo faz mapeamento das reservas naturais

Objetivo da ação foi identificar a necessidade de ações conjuntas

AGÊNCIA MINAS | BELO HORIZONTE
Expedição percorreu 1.950 km em 22 municípios mineiros / Foto: Divulgação/IEF

 

De um lado, redutos naturais de rara beleza e muita importância para a fauna e flora sujeitos à exploração humana. De outro, a necessidade de preservá-los. Estas duas vertentes reúnem profissionais do governo do Estado, de universidades de prefeituras, de diferentes campos de atuação, em uma frente de atuação que tem o objetivo de identificar a necessidade de ações conjuntas para a promoção do cuidado com os ecossistemas do território mineiro.

Profissionais que têm o meio ambiente como causa comum integraram a 5ª Expedição do Programa Caminhos dos Gerais e percorreram atrativos naturais do norte do Estado. Entre eles destacam-se sítios arqueológicos com pinturas rupestres, cavernas como a gruta do Janelão, que possui a maior estalactite do mundo, os complexos de lagoas e veredas e o pantanal mineiro, além dos balneários do Rio Catulé e do Rio Pandeiros, com três cachoeiras próximas.

Promovida pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Montes Claros, a 5ª Expedição aconteceu em setembro, com participação de representantes de diferentes instituições, entre os quais, profissionais dos Escritórios Regionais Norte e Alto Médio São Francisco do Instituto Estadual de Florestas (IEF).

A expedição voltou ser a organizada, depois de nove anos sem atividades. Idealizada em 2005, teve edições naquele ano e em 2006, 2007 e 2008, quando deixou de percorrer as cidades do Norte de Minas. Dessa vez, a atividade foi desenvolvida em três circuitos, com roteiros que tiveram início e fim em Montes Claros, denominados Serra do Cabral, Espinhaço e Peruaçu.

Pela primeira vez na expedição, a coordenadora regional de unidades de conservação vinculadas ao IEF no regional Alto Médio São Francisco, Laíssa de Araujo Viana, reforça a importância da atividade para o levantamento de dados, in loco, que darão base às ações de preservação ambiental.

“Ao conhecer áreas da região, de extrema importância ambiental, e ver os impactos negativos da degradação, lembramos o quanto são necessárias, participação e ajuda da comunidade local e dos visitantes”, explica Laíssa, que percorreu o caminho Peruaçu.

A 5ª Expedição Caminhos dos Gerais percorreu, ao todo, 1.950 km em 22 municípios mineiros, recolhendo informações e levantando dados nos diferentes espaços ambientais. O próximo passo será elaborar um documento com o diagnóstico encontrado nas regiões visitadas.

Durante a caravana, os participantes foram divididos em grupos e, futuramente, irão se reunir novamente para que cada coletivo apresente projetos e ações que poderão ser aplicados nos locais com o objetivo de proteção, conservação e/ou recuperação.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »