03/06/2017 às 05h27min - Atualizada em 03/06/2017 às 05h27min

Pipas causam mais de 660 interrupções de energia

Ocorrências deixaram mais de 240 mil pessoas sem luz neste ano

AGÊNCIA MINAS | BELO HORIZONTE
Pipas presas aos cabos causam riscos de abastecimento e de segurança / Foto: Arquivo Cemig

 

Está chegando a época do ano em que os ventos são mais intensos, e como consequência, as pipas invadem os céus e fazem a diversão das crianças. Contudo, essa prática deve ser acompanhada de perto pelos pais e responsáveis para não gerar prejuízos nem trazer riscos à segurança da população. Este ano, na área de concessão da Cemig, essa brincadeira já foi responsável por 663 ocorrências de interrupção no fornecimento de energia elétrica, que prejudicaram cerca de 240 mil consumidores, conforme levantamento da empresa.

O uso do cerol – mistura cortante feita com cola, vidro e restos de materiais condutores – é um dos principais causadores dos desligamentos, causando o rompimento dos cabos de energia quando entra em contato com a rede elétrica. Além disso, muitos curtos circuitos são provocados pela tentativa de retirada de papagaios presos aos cabos.

Segundo Demetrio Venicio Aguiar, engenheiro eletricista da Cemig, alguns procedimentos devem ser adotados para que não haja risco à segurança e nem ocorram interrupções no fornecimento de energia com a prática da brincadeira. “As pipas devem ser empinadas em locais abertos e afastados da rede elétrica. Jamais use fios metálicos ou cerol e, caso a pipa fique presa, não tente resgatá-la”, orienta.

Além disso, Demetrio alerta sobre uma novidade que vem agravar os problemas e os riscos: um tipo de cabo cortante feito em escala industrial, chamado de linha chilena, mais refinado e com materiais mais abrasivos que o cerol. “Esse tipo de linha é muito mais cortante do que o cerol comum e infelizmente é possível adquirir este material de origem estrangeira pelo mercado paralelo e até pela internet”, diz o engenheiro.

O cerol e a linha chilena também podem causar acidentes graves com as pessoas que os manipulam e também ocasionar acidentes com terceiros, especialmente motociclistas.

 

 

ACIDENTES GRAVES

Além dos prejuízos causados pela falta de energia, a Cemig também alerta para os riscos à segurança que a soltura de pipas pode trazer quando praticada próxima à rede elétrica.

Demetrio conta que a maioria dos acidentes acontece quando o papagaio fica preso na rede elétrica e as crianças tentam retirá-lo utilizando materiais condutores, como pedaços de madeira ou barras metálicas. O contato com a rede elétrica pode ser fatal, além do risco de queda em função da reação involuntária causado pelo choque elétrico.

Nesses casos, as consequências mais comuns são traumatismos devido às quedas e queimaduras graves por causa dos choques.

O engenheiro chama a atenção ainda para o fato de que o uso do cerol pode transformar uma simples linha de papagaio em um material condutor e provocar choque elétrico ao entrar em contato com a rede. Além disso, muitas crianças amarram as pipas com arames e fios. “São materiais altamente condutores de energia e que acabam sendo energizados quando tocam os cabos de energia, causando o choque elétrico”, explica Demetrio.

 

UBERLÂNDIA

Homem é preso por comercializar cerol

Um homem de 26 anos foi preso ontem por comercializar linha chilena e produtos químicos utilizados para a produção de cerol, em Uberlândia.

De acordo com a Polícia Civil, o mandado de busca e apreensão inicial previa a localização de drogas e armas no bairro Luizote de Freitas, zona oeste da cidade.  Porém, ao chegarem ao local, os policiais encontraram apenas o material utilizado clandestinamente em pipas.

No comércio em que o suspeito estava foram encontrados cerca de 300 carreteis de linhas chilenas de tamanhos pequenos, médios e grandes. Também foram apreendidas aproximadamente 50 embalagens contendo produtos químicos destinados à produção do cerol. O suspeito foi preso e todo o material encontrado apreendido.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »