28/05/2017 às 05h13min - Atualizada em 28/05/2017 às 05h13min

Graduação a distância cresce 50% em seis anos

Pesquisa indica que, em 2023, 51% dos universitários devem cursar a modalidade

LETÍCIA PETRUCCELLI | APRIMORAMENTO PROFISSIONAL
Atualmente mais de 1,3 milhão de estudantes cursam ensino superior EAD / Foto: EBC

O ensino a distância (EAD) vem crescendo progressivamente no Brasil. De acordo com os dados mais recentes do Ministério da Educação, o país tem hoje, apenas na graduação, mais de 1,39 milhão de estudantes na modalidade a distância. Em 2010 eram 930 mil alunos. O aumento nos últimos seis anos foi de quase 50%. Uma projeção da empresa Soluções Educacionais Integradas, de Porto Alegre, divulgada no ano passado, indica que o ensino superior a distância passará dos atuais 17,4% de participação no mercado de graduação para 51% em 2023.

Essa perspectiva de crescimento é endossa pelas instituições que oferecem cursos a distância. Uma das universidades que tem polo em Uberlândia afirma que o número de alunos matriculados na graduação a distância cresceu mais de 60% de 2015 para cá. “Há dois anos havia 1,1 mil alunos aqui em Uberlândia. Hoje temos 1,8 mil. As pessoas têm procurado mais por esse tipo de modalidade”, diz Vitor Oliveira, gerente comercial da instituição particular que foi fundada há 40 anos e está na cidade há 13.

Os principais motivos apontados para o crescimento da modalidade a distância estão associados a mudanças no estilo de vida da população. Trânsito engarrafado, alto custo de transporte, sobrecarga de tarefas, além da falta de tempo estão entre as justificativas de quem procura mais flexibilidade para cursar o ensino superior. Somado ao fato de que a graduação é uma das principais exigências para ingressar no mercado de trabalho com uma colocação melhor, a educação a distancia se tornou uma solução para muitas pessoas.

Para Gabriela Ferreira, estudante do 4º período de gestão financeira na modalidade EAD, a maior vantagem é poder estudar onde e quando quiser. “Meu horário de trabalho é bem complicado, não teria condições de frequentar a aula todos os dias. Estudando a distancia eu faço meus horários. Assisto às aulas aos sábados e domingos, de madrugada, no almoço”, diz.

Segundo Lana Bernardes, relações institucionais de uma universidade particular de Uberlândia, apesar da diferença na dinâmica das aulas, o diploma é o mesmo conferido ao aluno da graduação presencial. “O que sempre explicamos para o aluno é que a grade horária é a mesma da presencial, pois é definida pelo MEC. O que diferencia é a metodologia de ensino. O candidato vai ter que se dedicar para estudar em casa, assistir aos vídeos das aulas. Mas ele vai estar amparado por pessoas aptas na plataforma online”, diz.

A instituição em que Lana trabalha está em Uberlândia há apenas oito meses. “Decidimos vir para Uberlândia por ser uma cidade grande, com cidades menores ao redor, com moradores que preferem fazer a graduação a distância do que se deslocar todos os dias para ir à aula”, conta.

Além da flexibilidade, os valores das mensalidades no EAD são mais baratas do que a da graduação. Em Uberlândia, encontra-se, com facilidade, graduações a distancia com mensalidade de R$ 150. “O valor da mensalidade pesou no momento de escolher qual faculdade iria fazer”, diz Ana Paula, aluna do 1º período de gestão financeira.

 

PRECONCEITO

Inicialmente, quando se falava em educação a distancia, era comum surgir o julgamento de que se tratava apenas de uma forma de comprar o diploma. “Antes o nosso maior público eram pessoas mais velhas, que não tinham tempo para se dedicar ao superior. Os pais não deixavam um jovem fazer uma graduação a distancia. Mas isso tem mudado. Hoje nós temos alunos egressos do ensino médio, pois as pessoas perceberam que o ensino é o mesmo, só depende do aluno”, diz o gerente comercial de uma instituição particular, Vitor Oliveira.

A diretora do Centro de Educação a Distância da Universidade Federal de Uberlândia (CEAD UFU), Maria Teresa de Freitas, conta que o preconceito com o EAD já existiu em escala maior, e que gradualmente as pessoas vão percebendo que é possível aprender a distancia. “O preconceito acontece quando as pessoas não conhecem do que se trata. Mas quando se sabe que os professores [do ensino a distancia] são da UFU, as aulas ministradas são as mesmas da presencial, o preconceito some. O EAD veio para ficar”, afirma.   

 

DESAFIO

Distância aumenta grau de dificuldade, diz aluna

Quando se faz um curso presencial, existe um professor que cobra os trabalhos, que pede pela atenção durante as aulas, que cobra a presença. Na educação a distancia o estudante precisa estar disciplinado e dedicar um tempo para ver as aulas, ler as apostilas. “O fato de não ter ninguém cobrando dificulta um pouco. Na faculdade presencial sempre tem um que cola do colega, que faz os trabalhos em grupos e no fim não participa de nada. Não tem como isso acontecer na modalidade totalmente presencial”, conta Vitor Oliveira, gerente comercial de uma faculdade particular de Uberlândia.

“Para quem precisa ver o professor e conhecer os colegas, nós temos a modalidade semipresencial. Em que o estudante vem à universidade uma ou duas vezes por semana. Em sala de aula ele terá o auxílio do tutor. Algumas atividades são feitas em sala de aula e tem trabalhos em grupos”, diz o gestor.

A estudante de gestão financeira Gabriela Ferreira conta que estudar sozinha é a maior dificuldade enfrentada. “Se o aluno não se esforçar não passa. É preciso estudar muito mais. No presencial também precisa estudar, mas lá tem mais apoio de colegas e professores”, alega. 

 

NÚMEROS

Ensino Superior no Brasil

- 2.364 instituições

                1.118 no sudeste

302 em Minas Gerais

 

- 8.027.297 alunos

                2.946.174 homens

                3.687.371 mulheres

 

- 6.633.545 alunos no ensino presencial

                3.087.825 alunos no sudeste

                677.478 alunos em Minas Gerais

 

- 1.393.752 alunos no ensino a distância

                81.463 em instituições federais

                43.988 em instituições estaduais

                2.942 em instituições municipais

                1.265.359 em instituições particulares

               

- Polos de ensino a distância

4.915 no Brasil

1.898 no sudeste

512 em Minas Gerais

Fonte: Censo da Educação Superior (2015)

 

PERFIL DO UNIVERSITÁRIO DA GRADUAÇÃO À DISTÂNCIA

41% têm entre 31 e 40 anos

87% trabalham fora

90% estudam de casa

58% estudam sozinhos

62% estudam à noite

Fonte: Soluções Educacionais Integradas


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »