27/04/2017 às 08h48min - Atualizada em 27/04/2017 às 08h48min

Icasu assumirá rotativo em maio

RECEITA LÍQUIDA DO SISTEMA SERÁ DESTINADA PARA A COMPRA DE MEDICAMENTOS PARA AS UNIDADES DE SAÚDE

Walace Torres - editor
Da Redação
Presidente da Icasu informou que cobrança seguirá sendo feita por parquímetros

A partir de maio, a Instituição Cristã de Assistência Social de Uberlândia (Icasu) irá assumir a gestão do estacionamento rotativo na cidade. A mudança, segundo apurou o Diário do Comércio, será feita com base em recomendação do Ministério Público Estadual, que tem questionado problemas na operacionalização do sistema e ainda apura indícios da participação do atual consórcio em práticas ilícitas.

Procurado pela reportagem, o promotor Luiz Henrique Borsari, que tem conduzido o processo, informou que, por enquanto, não irá se manifestar sobre o assunto. A Secretaria de Trânsito e Transportes (Settran) também informou que só vai falar sobre o assunto na próxima semana.

Já o presidente da Icasu, Antônio Naves, confirmou a informação e disse que os detalhes deverão ser anunciados na próxima semana pela instituição e pela Prefeitura. Segundo ele, a gestão do estacionamento rotativo será feita por convênio a ser assinado nos próximos dias. A novidade é que toda a receita líquida com o serviço será destinada para a aquisição de medicamentos para as unidades da rede municipal de saúde. “Hoje a receita é de R$ 100 mil por mês e temos condições de aumentar essa arrecadação, que será revertida para o social”, disse Antônio Naves. Segundo afirmou, a cobrança permanece sendo feita por parquímetros, podendo ser utilizando também o aplicativo instalado no celular. A Icasu está fechando parceria com uma empresa de telefonia para operar os chips instalados nas máquinas utilizadas pelos agentes de trânsito durante a fiscalização do sistema. A princípio, será mantido os mesmos valores cobrados no estacionamento rotativo. A Icasu também pretende ampliar o número de vagas já previstas desde a gestão municipal anterior.

“O rotativo irá mudar para melhor. Os empresários também serão chamados para nos ajudar”, disse Antônio Naves.

A Icasu é uma instituição que atua na capacitação de jovens e adolescentes, projetos sociais e no programa jovem aprendiz. Durante vários anos, administrou o estacionamento rotativo Zona Azul até 2012, quando o Ministério Público questionou a mão de obra de adolescentes na comercialização dos talões.

 

ALVO DE INVESTIGAÇÃO

Descontentamento com empresa teria gerado mudança

 

Fontes ouvidas pelo Diário do Comércio afirmam que a mudança na gestão do estacionamento rotativo está relacionada ao descontentamento do Município com o atual consórcio. O Ministério Público também prepara uma ação civil pública contra a empresa. Um dos sócios do Consórcio de Estacionamento Rotativo de Uberlândia integra o grupo econômico que foi alvo de investigação na Operação “Não tem preço”, deflagrada em fevereiro e que desarticulou um esquema de aluguel de máquinas de cartão de crédito e débito utilizadas para ocultar faturamento de empresas e lavagem de dinheiro em Uberlândia. Na época, cinco pessoas foram presas e vários materiais e equipamentos foram apreendidos, chegando a encher um ônibus da Polícia Militar. Durante a operação, a força-tarefa ainda bloqueou R$ 17,9 milhões que representavam, até o momento, a movimentação incompatível com o faturamento das empresas investigadas.

As investigações correm em sigilo, mas ainda de acordo com fontes, o sócio envolvido no esquema teria concordado com a rescisão do contrato do estacionamento rotativo como parte de um acordo de delação premiada.

A reportagem não conseguiu contato com a empresa.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »