08/02/2017 às 09h12min - Atualizada em 08/02/2017 às 09h12min

Triângulo registra maior número colisões de veículos em postes

A Cemig registrou no ano passado 4.856 colisões de veículos com postes do sistema elétrico em sua área de concessão, número 3% inferior ao registrado em 2015. Esses acidentes de trânsito provocaram interrupção no fornecimento de energia para cerca de 1,6 milhão de clientes. A região que contabilizou o maior número de acidentes dessa natureza foi o Triângulo, com 1.189 abalroamentos, cerca de 25% do total.
O maior número de clientes impactados - cerca de 445 mil, ou 29% do total - está no Centro do Estado, apesar de a região ter registrado menos acidentes em comparação com o Triângulo. Já o Oeste de Minas foi o menos prejudicado, de acordo com o levantamento da companhia. Lá, pouco mais de 123 mil unidades consumidoras ficaram sem eletricidade em 2016 por causa de abalroamentos.
O engenheiro do sistema elétrico Márcio Moreira Gonçalves, da Cemig, explica que quando um poste é danificado, uma equipe de emergência é deslocada para avaliar a situação e definir as ações que deverão ser realizadas. “Geralmente, os serviços são complexos e demandam tempo e diversas equipes, pois envolvem o isolamento da área afetada, a retirada do veículo e a substituição ou reconstrução do poste quebrado e da rede elétrica, o que traz transtornos ao trânsito e à população”, afirma.
Ainda segundo Márcio Gonçalves, o trabalho de manutenção da Cemig nesses casos costuma depender, também, da ação de outros agentes públicos, como policiais militares, agentes de trânsito e bombeiros.

CUSTOS E RESPONSABILIDADES. Somente no Centro do Estado, aproximadamente três postes são danificados diariamente em acidentes de trânsito. Somando-se os custos do poste, cabos e outros materiais, cada serviço custa, em média, R$ 3.300. Isso significa que a Cemig gasta cerca de R$ 3,5 milhões por ano com as manutenções. 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »