25/01/2022 às 15h52min - Atualizada em 25/01/2022 às 15h52min

Aumento de casos de covid deve permanecer por mais quatro semanas em Uberlândia

Com mais de 29 mil confirmações, janeiro já o mês com maior número de registros desde o início da pandemia

GABRIELE LEÃO
Com recorde de novas infecções, janeiro já é o mês com o maior número de casos confirmados de covid-19 desde o início da pandemia em Uberlândia. Em apenas 24 dias, a cidade registrou 29.138 testes positivos para a doença. O índice representa uma alta de 75% em relação ao mesmo período em 2021, quando o município contabilizou 13.152 infectados. Em entrevista ao Diário, o coordenador da Rede de Urgências e Emergências, Clauber Lourenço, projeta que este crescimento tende a permanecer por pelo menos mais quatro semanas. 
 
Além do aumento de casos positivos, o número de óbitos também vem subindo. Somente neste mês de janeiro, a cidade contabiliza 23 óbitos pela doença. O indicativo representa uma alta de 228% em relação a dezembro de 2021, quando foram registradas sete mortes pelo coronavírus. 
 
Apesar da alta de casos e mortes, o registro de internações ainda é considerado baixo pelo município. De acordo com dados disponibilizados pelo boletim epidemiológico da Prefeitura nesta segunda, atualmente 166 pacientes estão em tratamento nas redes pública e privada, sendo 37 em Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs) e 129 em enfermaria. A ocupação geral dos leitos na rede municipal está em 51% e os leitos destinados à covid-19 seguem com um índice de 22%.
 
Segundo o coordenador da Rede de Urgência e Emergência, Clauber Lourenço, 80% dos pacientes internados não estão vacinados com nenhuma dose ou estão com o esquema vacinal incompleto. Os pacientes, de acordo com o responsável, são de idades variadas, desde pessoas jovens até idosos com comorbidades.
 
“Quando analisamos os números de pessoas infectadas pelo vírus, percebemos que tivemos o maior registro desde o início dos casos. Nos últimos sete dias tivemos quase três mil casos positivos por dia. Além da nova cepa, a ômicron, que se dissipa mais rápido, percebemos que as pessoas deixaram de se cuidar, usando máscaras, álcool gel e mantendo o distanciamento”, explicou.


 
PROFISSIONAIS AFASTADOS
Diversos profissionais da área da saúde tiveram que ser afastados das atividades em janeiro, devido ao aumento do número de casos de covid-19, aliados ao surto de síndrome gripal. Até o momento, segundo o coordenador da Rede de Urgências e Emergências 23% dos colaboradores estão de atestado médico.
 
Na última semana, a Prefeitura emitiu um comunicado informando que somente durante a primeira quinzena de 2022 mais de 1,2 mil trabalhadores da área da saúde foram afastados. De acordo com Clauber Lourenço, também há registros de afastamento na rede particular.
 
“Usamos o esquema de remanejamento para que nenhuma área fosse afetada, mas ainda sim percebemos os casos entre os profissionais da saúde aumentando, principalmente dos que estão nos atendimentos primários. Mas essa não é uma realidade apenas da rede pública. Conversei com todos os hospitais privados de Uberlândia e todos estão enfrentando a mesma dificuldade”, explicou.
 
A produção do Diário também buscou informações sobre possíveis afastamentos de profissionais com o Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU). Por meio de nota, a Gerência de Atenção à Saúde do Hospital de Clínicas da UFU (HC-UFU/Ebserh) informou que também foi percebido o aumento do número de pessoas com síndromes gripais no HC-UFU e que esforços estão sendo empenhados para manter as equipes assistenciais.
 
O HC esclareceu também que todos os protocolos de biossegurança estão sendo seguidos como medida para conter a propagação do vírus entre os pacientes e trabalhadores do HC-UFU.
 
REDE PARTICULAR
O Diário de Uberlândia também procurou os principais hospitais da rede privada para um levantamento sobre o número de profissionais afastados por conta do coronavírus e possíveis impactos no atendimento.
 
Por meio de nota, o Uberlândia Medical Center (UMC) informou que registrou um crescimento da quantidade de afastamentos, em relação a dezembro, mas nada que tenha gerado impacto no funcionamento da unidade. O hospital ressaltou que todos os colaboradores estão vacinados e, em caso de contaminação, são afastados, mas conseguem retornar com rapidez às atividades. O UMC disse ainda que a manutenção de todas as atividades e atendimentos aos pacientes tem sido garantida.
 
Também por meio de nota, o hospital Madrecor não informou se houve afastamentos na unidade, mas disse que sempre mantém a grade completa de colaboradores para garantir o atendimento. Os hospitais Santa Marta e Santa Clara não responderam aos questionamentos até a publicação desta matéria.
 
VACINAÇÃO X FALTOSOS
Uberlândia já aplicou 1.354.735 doses de imunizantes contra covid-19. Dessas 584.166 são de primeira dose, 548.213 da segunda dose. Já com a dose única foram aplicadas 20.598 e doses de reforço somam 201.758.
 
Embora haja números tão expressivos, a atenção está redobrada para o número de faltosos, que já somam mais de 90 mil pessoas. “Reforçamos que as pessoas que se cadastraram para a vacinação compareçam no dia do agendamento. Temos mais de 30 mil pessoas sem nenhuma dose da vacina e outros 60 mil sem completar o esquema vacinal”, explicou o coordenador da Rede de Urgências e Emergências, Clauber Lourenço.
 
 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »