26/09/2021 às 13h00min - Atualizada em 26/09/2021 às 13h00min

Levantamento mostra redução na realização de exames para diagnóstico do câncer

Pandemia afetou diretamente na diminuição de avaliações de rotina; especialista faz alerta

LORENA BARBOSA
Francielle de Paula foi diagnosticada com câncer de mama e passou por parte do tratamento durante a pandemia | ACERVO PESSOAL
Um levantamento feito pelo Instituto Oncoguia com base nos dados do DATASUS apontou uma queda nos diagnósticos de câncer no Brasil no último ano. De acordo com o estudo, a redução das consultas de rotina durante a pandemia impactaram diretamente no resultado. Com parte da vida voltando ao normal, especialistas temem que os diagnósticos de câncer aumentem, bem como o nível de letalidade da doença, devido ao descobrimento avançado.
 
A pesquisa aponta que o número de biópsias, principal exame para identificação dos tumores, caiu 39,1% em 2020, se comparado a 2019. As mamografias também tiveram uma redução na procura de 49,8%, o que preocupa, uma vez que o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres.
 
Os homens também estão postergando as consultas. O número de Antígenos Prostático Específico (PSAs), procedimentos usados para identificação de câncer de próstata, tiveram redução de 30,6%. A colonoscopia, que é usada para identificação de tumores de cólon e reto, também apresentou queda na procura em cerca de 36,5%.
 
Abril e maio de 2020, período de pico da primeira onda da pandemia, foram os meses com maior baixa na realização dos procedimentos. Em entrevista ao Diário, o oncologista, Rodolfo Gadia, explicou que o medo dos especialistas da área é de que o país enfrente uma onda de casos de câncer nos próximos anos por causa da falta de prevenção e do diagnóstico tardio.
 
“No início da pandemia, as pessoas tinham medo, muitas cirurgias foram canceladas pelos hospitais. Então esses procedimentos deixaram de ser realizados e com eles diminuíram os diagnósticos da doença”, destacou o médico.
 
AUMENTO DE CASOS
O maior problema é que os casos de câncer não diminuíram. De acordo com o especialista ouvido pelo Diário, os números mostram que em um ano e meio de pandemia, as mortes por câncer no mundo representam quase o dobro do número de óbitos causados pela covid, cerca de 8 milhões, contra outros 4,5 milhões vítimas do coronavírus.
 
“Infelizmente essa doença ainda mata muito, mais até que a Covid-19. A pessoa tem uma dorzinha, mas prefere não ir por causa da pandemia, mas o câncer está lá. Passa um ano e ele continua com a dor, só que o tumor já cresceu”, afirmou o oncologista.
 
A psicóloga de Uberlândia Francielle de Paula descobriu um câncer em 2019. Tudo começou com uma dorzinha e a percepção de um pequeno caroço na região da mama. Pouco tempo depois, o diagnóstico foi dado. O tratamento começou rápido, mas se estendeu pela pandemia, período em que ela esteve internada passando por quimioterapia.
 
“Eu estava muito apreensiva porque a quimioterapia por si só já nos deixa abalados, com imunidade muito baixa e aí o meu medo aumentou. Medo de pegar o vírus e atrapalhar mais ainda uma situação que já era complicada”, relatou Francielle.
 
Mesmo com medo, a psicóloga realizou todos os procedimentos necessários para o tratamento. Hoje curada do câncer de mama, ela aguarda para fazer um procedimento cirúrgico de ajuste na prótese que precisou colocar no seio. O único que resolveu esperar para fazer, por se tratar da questão estética e não trazer riscos ao tratamento. Ela destaca que a cura do câncer esteve muito ligada ao diagnóstico precoce e a manutenção desse tratamento, mesmo durante o auge da pandemia.
 
“Descobrir o quanto antes fez com que o tratamento fosse mais efetivo. É muito importante que a gente busque atendimento médico de forma rotineira. Existem algumas doenças que não podem esperar, o câncer é uma delas”, enfatizou a psicóloga.
 
O oncologista Rodolfo Gadia destaca ainda que além de se preocupar com o diagnóstico, o foco das pessoas deve ser o de melhorar os hábitos de vida. Pequenas ações cotidianas que podem salvar vidas.
 
“Ao invés de ter o prazer de descobrir um câncer, trabalhe para diminuir os riscos de tê-lo. Evite fumar, ingerir bebidas alcoólicas, alimentos processados. Busque manter o peso e proteja a pele”, destacou o especialista.
 
 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »