30/07/2021 às 11h16min - Atualizada em 30/07/2021 às 11h16min

Em Uberlândia, empreendedoras apostam no mercado digital para reforçar ganhos

Cresce número de lojas virtuais; Sebrae oferece orientação para quem quer iniciar negócio

GABRIELE LEÃO
Ana Flávia usa as redes sociais para divulgar sua atividade gastronômica I Foto: Arquivo pessoal
A pandemia da covid-19 mudou a forma de trabalhar do mundo inteiro e com a internet, que é um ambiente que permite diversas interações, o empreendedorismo se tornou algo mais sólido no último ano, além de oferecer inúmeras possibilidades de obter uma renda extra na internet.

Em Uberlândia, a confeiteira e empreendedora Ana Flávia Bertoldo encontrou nas redes sociais uma maneira de empreender após perder o emprego. “Fui demitida duas vezes por conta da pandemia. Na última vez, trabalhava em uma clínica médica como secretária e estava me adaptando bem ao emprego, mas com o fechamento do comércio, foi necessário reduzir o quadro de funcionários. Depois de alguns dias em casa procurando trabalho, conversei com meu marido e filhas sobre montar meu próprio negócio, mas até então não sabia o que poderia fazer. Então, algumas amigas comentaram sobre o meu pudim e isso foi a ideia inicial para o meu próprio negócio”, contou. .

“No final de semana do Dia das Mães, em maio deste ano, divulguei entre colegas e nas redes sociais a produção e recebi 24 encomendas, e os pedidos não pararam de chegar. Três meses depois do início do meu negócio, já consegui uma boa cartela de clientes”, completou Ana Flávia Bertoldo.  


Com investimento inicial de R$ 500,00, a confeiteira teve retorno em poucos dias. “Agora invisto em materiais, cursos e especializações para continuar tocando o meu negócio, pois também sou criteriosa em oferecer um bom produto e nesse meio tempo consegui desenvolver minha própria receita, para deixar o pudim mais cremoso, além de novos sabores e tamanhos. A expectativa é abrir um local fixo, depois da pandemia, para que as pessoas tenham a sobremesa em qualquer momento”, revelou a empreendedora.

A publicitária Nayara Rosa de Oliveira Melo trabalha em uma agência e durante a pandemia também usou o empreendedorismo como alternativa. Ela buscou a modalidade como uma renda extra e para ocupar a mente. “Na pandemia, estava em home office e desanimada com a rotina, foi então que veio essa vontade de empreender. Fiquei em dúvida sobre o que poderia oferecer. Foi conversando com uma amiga que também empreende na internet que veio a ideia de vender folheados. Procurei referências nas redes sociais e busquei alguns fornecedores”, contou.


Nayara investiu R$ 1.400,00 no empreendimento, e em menos de um mês já conseguiu recuperar o investimento. “Aproveitei a minha experiência no mercado digital para testar a loja e foi uma surpresa com o retorno. Além disso, preparei um catálogo online e envio para as clientes”, comentou.

LOJAS VIRTUAIS
Uma pesquisa realizada pelo PayPal registrou que o número de lojas virtuais no Brasil cresceu 40,7% de agosto de 2019 até agosto 2020.

O e-commerce superou a marca de 1,3 milhão de sites, impulsionado pela pandemia, que fez com que empreendedores recorressem à internet para continuar vendendo ou gerar novas fontes de renda.

Em pesquisa realizada com os dados de compra no e-commerce durante o primeiro trimestre de 2021, a Neotrust mostra que houve continuidade do crescimento das vendas online no Brasil neste ano.

Foram realizadas 78,5 milhões de compras online nos três primeiros meses do ano, um aumento de 57,4% em comparação ao mesmo período de 2020.

Esta quantidade de compras resultou em um faturamento de R$ 35,2 bilhões para o e-commerce entre janeiro e março de 2021, elevação de 72,2% na comparação com o ano passado.

A região Sudeste ainda é a que mais se destaca em volume de compras. No quarto trimestre de 2020 foi responsável por 63% do total de pedidos feitos online no país.

ORIENTAÇÕES
O Sebrae Minas oferece orientações para quem deseja empreender e buscar renda extra. Segundo o analista do Sebrae, Elder Lima, a instituição recebe diversas pessoas que buscam orientação sobre renda extra, e essa procura aumentou muito em 2020/21. “A maioria dessas pessoas procuram algo para vender na internet, como artesanatos, revenda de produtos, que demandam pouco investimento inicial”, apontou.

“É importante a pessoa entender que essa segunda fonte de renda também demanda tempo e precisa ter o mínimo de conhecimento sobre o ramo, público alvo, propósito e organização financeira, pois isso vai ajudar a elaborar estratégias e fazer com que o negócio tenha êxito”, completou o analista.

Mas, mesmo para quem busca uma renda extra, é importante estra dentro das formalidades. “O MEI oferece mais segurança para o empreendedor, pois é voltado para o microempreendedor individual, ou seja, um profissional autônomo. Quando você se cadastra como um, você passa a ter CNPJ, ou seja, tem facilidades com a abertura de conta bancária, no pedido de empréstimos e na emissão de notas fiscais, além de ter obrigações e direitos de uma pessoa jurídica”, observou.

Quem deseja receber orientações do Sebrae sobre renda extra, pode solicitar o agendamento pelo (34) 3216-2581. Os atendimentos, feitos de forma presencial na instituição, acontecem de segunda à sexta-feira, das 8h às 18h, com horário marcado.



 
 
 
 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »