19/03/2021 às 16h30min - Atualizada em 19/03/2021 às 16h30min

Por que apostar em um FabLab?

Você conhece o FabLab?

PUBLIEDITORIAL
Também chamado de espaço maker, é um laboratório de fabricação digital que oferece aos estudantes e profissionais diversas máquinas controladas por computador como, por exemplo, a impressora 3D para o desenvolvimento de projetos e criação de protótipos.

O projeto criado no MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), em 2003, tem como base o compartilhamento de ideias com pessoas ao redor do mundo e a promoção de inovações que trazem o aprendizado através da prática, colocando em uso a famosa expressão “aprende fazendo”.

A ideia do FabLab é a de fornecer ambientes e materiais avançados em tecnologia para a produção de peças, tornando processos e produtos mais baratas e práticos de serem feitos ao redor do mundo.

Este tipo de produção está muito conectado com a Educação 4.0, a qual visa responder às necessidades da Quarta Revolução Industrial. Nesta, a linguagem computacional e outras tecnologias se somam para dinamizar diferentes segmentos da indústria.

Para você entender mais sobre FabLab e como este pode ajudar a sua empresa, continue nesse artigo. Aqui você verá: 
 
  1. Tipos de FabLab
  2. Objetivos dos Espaços Makers;
  3. Importância do FabLab;
  4. FabLab e a impressão 3D. 
 
  1. Tipos de FabLab
Há FabLabs que respondem a diversas finalidades. Porém, alguns desses espaços são criados com um objetivo mais específico. O que varia de acordo com o que o laboratório oferece de equipamento, a localidade e entre outros. Listamos três tipos de espaço makers:
  • Laboratório universitário – instalado dentro de universidades ou escolas, são patrocinados por instituições acadêmicas.
  • Laboratório público – é sustentado por órgãos governamentais ou pela própria comunidade local, incluindo até mesmo institutos privados, os quais compartilham das mesmas ideias e desejam auxiliar no desenvolvimento do projeto em questão.
  • Laboratório profissional – este é o único que leva em consideração o retorno financeiro e que consegue ganhar dinheiro com o aluguel de equipamentos que são disponibilizados no local. Isso se dá porque são os laboratórios que mais possuem gastos pela grande utilização das máquinas.
 
  1. Objetivos dos Espaços Makers
Já mencionamos alguns dos objetivos que os espaços makers têm em seu conceito, mas reunimos em um tópico todos os que resumem bem o modelo de FabLab:
  • Criação de um espaço no qual os estudantes, empresas e comunidades possam compartilhar ideias e conhecimentos, colocando os seus projetos em prática. Neste ambiente, eles conseguem acompanhar todos os estágios de produção das suas ideias.
  • Facilita o acesso às ferramentas convencionais e digitais para a fabricação de protótipos.
  • Integra os conceitos de indústria e educação 4.0 ao FabLab para fornecer um espaço de formação para os profissionais do futuro, ao mesmo tempo em que prepara soluções para um futuro não tão distante.
  • Criação de produtos e soluções com base no conceito de open design. Neste caso, as empresas e as comunidades trabalham em conjunto.
  1. Importância do FabLab
O modelo de FabLab tem sido um impulsionador da inovação, conseguindo fazer a ponte entre especialistas – em tecnologia, design, gestão ou educação – e amplo conjunto de parceiros interessados, por exemplo, da educação, de empresas, de artes e de cultura.

Por reunir diversas pessoas em condições igualitárias para trabalhar em uma ideia, os espaços makers se baseiam na interação social. Dessa maneira, permitem que profissionais acadêmicos interajam e compartilhem conhecimento com não acadêmicos e vice-versa.

Além disso, os FabLabs são adequados para alcançar as pessoas que não têm muito contato com a tecnologia, seja por não ter tido interesse ou por não ser algo que esteja inserido em sua realidade. Por outro lado, há aqueles que são sistematicamente encorajados a utilizar os mais recentes e diversos insights de criatividade de pesquisa de inovação. Porém, com os espaços makers, existe o poder de uma comunidade diversa e a necessidade de interagir com os usuários de uma nova tecnologia em estágio inicial, justamente porque está dentro de um FabLab desde o seu princípio.

Outro ponto importante desses espaços makers são as atividades comerciais, elas até podem ser incubadas no modelo, mas não devem entrar em conflito com o conceito de acesso aberto e compartilhamento de ideias. O que se espera desses locais é que as atividades comerciais beneficiem aos inventores e as redes que contribuem para o seu sucesso.

As FabLabs ainda não têm competido de igual para igual com as produções de massa e as economias de grande escala na fabricação de produtos amplamente distribuídos. Apesar disso, mostram potencial abrangente na capacitação de indivíduos para criarem dispositivos novos e inteligentes, e também deixá-los preparados para a entrada no mercado de trabalho.

Dependendo do projeto, as ideias e produções já são pensadas em atender às necessidades de um local específico, de maneira prática. Também há como fazer adaptações nos projetos para servir melhor ao usuário final. Tudo isso de forma mais econômica e prática, por conta do uso da impressão 3D que reduz o tempo de produção e promove a economia nas matérias utilizadas para tirar o conceito do papel.
 
  1. FabLab e a impressão 3D
Mencionamos no começo do texto que os FabLabs utilizam-se de diversas tecnologias controladas por computador e uma delas é a impressão 3D. E como já sabemos, a prototipagem tridimensional é a criação de objetos ou peças por meio da adição de um material que segue um projeto previamente definido. Ou seja, é uma tecnologia que permite ter objetos físicos a partir de modelos criados digitalmente.

Uma das maiores preocupações, atualmente, é o meio ambiente e o que pode ser feito para reduzir os danos a ele. Os FabLabs já saem na frente de outros laboratórios justamente pelo uso da impressão 3D, pois ela é menos prejudicial à natureza do que as fabricações tradicionais.

Além disso, a reciclagem de resíduos em filamentos está cada vez mais popular, sendo possível o manuseio em diferentes tipos de máquinas, por exemplo, o plástico. A maioria das impressões 3D utiliza deste material para suas criações. Portanto, a prototipagem rápida de seus projetos explora a fabricação de partículas fundidas (FPF) e a fabricação granular fundida (FGF), de maneira simplificada de reciclagem ao fabricar diretamente de um suprimento dos resíduos de plástico.

Portanto, com esse uso da impressão 3D há a possibilidade de FabLabs, com foco no meio ambiente, funcionarem como comunidades ativas e centros de reciclagem. Essa é uma tecnologia que pode incorporar às suas técnicas a economia simbiótica de código aberto, biomimética, design regenerativo, entre outros.

Essa é uma maneira de dar mais uma vida ao plástico, que se tornou uma grande preocupação a partir do momento que não era mais útil”. Por isso, os FabLabs juntamente com a impressão 3D, ajudaram a mudar a visão de como reciclar e o que pode ser feito. Desta forma, as possibilidades se tornaram infinitas.

Ao chegar no fim deste artigo, pode-se analisar a importância da criação de FabLabs para o futuro. É um investimento não só em novas tecnologias, mas também em pessoas e suas ideias. Pela utilização de equipamentos digitais, ao invés dos tradicionais, é possível a economia e o ganho de tempo para testar os projetos.

Por isso, a impressão 3D está inserida nesse meio e é uma grande aliada dos espaços makers. Quer saber mais sobre as impressoras 3D e suas aplicações? A 3DCRIAR é o lugar certo para tirar as suas dúvidas! Trazemos o máximo de informação e o melhor do mercado da prototipagem tridimensional para os nossos consumidores.
 


Essa publicação é de responsabilidade do autor e não representa necessariamente a opinião do Diário de Uberlândia.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »