31/01/2021 às 09h00min - Atualizada em 31/01/2021 às 09h00min

Uberlândia apresenta crescimento vegetativo positivo entre 2009 e 2019

Média do índice durante o período foi de mais de 8%; taxa de natalidade nos 11 anos foi de 15%

IGOR MARTINS

A taxa de natalidade em Uberlândia registrou um crescimento de 15% na última década. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), entre 2009 e 2019, o número de nascidos saltou de 8.478 para 9.784. Na mesma proporção, os registros de óbitos também tiveram uma alta de 20%, saindo de 3.320 em 2009 para 3.995 em 2019. A diferença entre o número de nascimentos e óbitos na cidade permanece na casa de 60%.
 
A taxa de natalidade nada mais é do que a relação matemática entre o número de nascimentos em um ano em relação ao total de habitantes de um determinado local. Para fazer o cálculo do índice, o Diário utilizou o censo do IBGE de 2010, quando foi registrado que Uberlândia possuía aproximadamente 604.013 habitantes.
 
O maior índice de nascimentos contabilizados na cidade foi em 2018, com 9.856 registros, seguido por 2017 (9.811), 2015 (9.786), 2019 (9.784) e 2014 (9.557). A média de nascidos na cidade nos 11 anos analisados foi de 15,36%. Neste caso, para cada 1000 habitantes de Uberlândia, nasceram 15,36 crianças entre 2009 e 2019.
 
Já a taxa de mortalidade apresentou menores índices com relação à população total de Uberlândia na última década. A média geral do índice foi de 6,49%, o que significa que para cada 1000 moradores da cidade, houve 6,49 óbitos na cidade. O ano com o maior número de mortes no município foi em 2015, com 4.230. O levantamento não considerou o ano de 2020.
 
Veja o gráfico detalhado abaixo:
 

NASCIDOS

QUANTIDADE

MORTOS

QUANTIDADE

2009

8.478

2009

3.320

2010

8.570

2010

3.758

2011

8.743

2011

3.724

2012

8.993

2012

3.759

2013

9.112

2013

3.879

2014

9.557

2014

4.230

2015

9.786

2015

4.249

2016

9.467

2016

4.199

2017

9.811

2017

4.218

2018

9.856

2018

3.920

2019

9.784

2019

3.995

 
 
CRESCIMENTO VEGETATIVO
O crescimento vegetativo, que representa a diferença entre as taxas de natalidade e mortalidade, foi positivo em Uberlândia nos anos analisados pelo IBGE. A média totalitária durante o período foi de 8,87%, o que significa que, entre 2009 e 2019, foram pouco mais de 5.355 registros a mais de nascimentos do que de mortes na cidade.
 
OUTROS DADOS
 
Em 2019, Uberlândia foi a 2ª cidade de Minas Gerais com mais nascimentos registrados, atrás apenas da capital Belo Horizonte, com mais de 35 mil registros. O ranking é composto ainda por Juiz de Fora (6.698), Montes Claros (6.681) e Contagem (6.576).

A nível nacional, Uberlândia ocupou a 31ª colocação do ranking. A primeira em 2019 foi São Paulo, com 174.999 registros de nascimento, seguida por Rio de Janeiro (82.185), Brasília (53.892), Fortaleza (39.958) e Manaus (39.626).

Já com relação aos óbitos, mesmo tendo registrado mais nascimentos do que Juiz de Fora, Uberlândia ficou atrás no número de mortes contabilizadas em 2019. A cidade com mais registros foi Belo Horizonte, com 16.418, seguida da cidade juiz-forana (4.452), Uberlândia (3.960), Contagem (3.620) e Uberaba (2.262).

Analisando nacionalmente, Uberlândia ocupou a 35ª colocação com mais óbitos em 2019. A primeira do ranking também é São Paulo, com 77.791, seguida de perto pelo Rio de Janeiro, com 60.234. A lista tem também Salvador em 3º, com 16.955, Belo Horizonte, com 16.418 e Fortaleza, com 14.939 mortes.



VEJA TAMBÉM:

População de Uberlândia passa de 699 mil habitantes, aponta IBGE


 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »