11/04/2020 às 13h08min - Atualizada em 11/04/2020 às 15h32min

Prefeitura de Uberlândia nomeia parte de assessores de Wilson Pinheiro

Servidores exonerados após afastamento e cassação do vereador estão lotados em cargos da Administração Direta; veja outras nomeações

CAROLINE ALEIXO
Servidores eram lotados em gabinetes da Câmara de Uberlândia | Foto: PMU/Divulgação
Dos assessores parlamentares do vereador cassado Wilson Pinheiro (PP), seis foram nomeados para cargos comissionados na Prefeitura de Uberlândia, sendo quatro deles na semana passada. Conforme apuração do Diário, o Executivo absorveu outros dois ex-assessores de vereadores afastados nos últimos meses e nomeou um terceiro servidor com cargo de gerência no Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae).  

Parte das nomeações foi publicada no Diário Oficial do Município de quinta-feira (2). Os servidores foram exonerados do gabinete na Câmara Municipal, no dia 11 de março, após o processo que resultou na cassação do ex-líder do prefeito no Legislativo. As nomeações na Administração Municipal são para os cargos de assistente de audiovisual e aparelhagem de som, assistente de portal e redes sociais e para assistente de cerimonial. 

Adilson Claudino da Silva, Cristiano da Silva, Elias Soares de Sousa e Jaqueline de Paiva Almeida Torrezan vão desempenhar as funções na Secretaria Municipal de Comunicação e Governo, com salários de R$ 2.216,95 e R$ 2.548,74. 

Os servidores Daniel de Oliveira Nunes e Rogério Vasconcelos da Silva, que foram exonerados em dezembro do gabinete do vereador após posse do suplente de Wilson, também foram nomeados pelo Executivo com admissão no dia 14 de fevereiro. 

Os ex-assessores desempenham funções, respectivamente, de assistente de apoio a conselhos na Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, Trabalho e Habitação e coordenador de projetos sociais na Secretaria Municipal de Prevenção às Drogas, Defesa Social e Defesa Civil. Os salários líquidos variam de R$ 1,4 mil a R$ 3,4 mil.

Também houve nomeação de uma ex-assessora do Legislativo lotada no gabinete do então vice-líder do prefeito Wender Marques (PSB), que foi afastado do cargo e responde a processo de cassação após também ser alvo das investigações do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Segundo as informações obtidas no jornal O Legislativo e no Portal da Transparência, Tânia Lúcia Alves de Oliveira Pacheco foi exonerada pela Câmara de Uberlândia em fevereiro deste ano, com a nomeação do suplente para a vaga de Wender, e admitida pela Prefeitura no dia 17 de março. Ela ocupa o cargo de coordenadora de atendimento de micro e pequenas empresas na Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Inovação e Turismo com salário líquido de R$ 2,4 mil. 

Ainda consta a contratação do ex-assessor parlamentar dos gabinetes de Ismar Prado (renunciado) e posteriormente Marcelo Cunha (afastado), Silvino Silva Rezende. Ele é assistente de apoio aos conselhos na pasta de Desenvolvimento Social e Trabalho, cujo salário é de aproximadamente R$ 1,6 mil.

O Diário solicitou entrevista à Prefeitura de Uberlândia na terça-feira (7) e fez contato direto com a secretária municipal de Comunicação e Governo, Ana Paula Procópio Junqueira, mas não houve retorno até o fechamento da reportagem. 

DMAE
No dia 25 de março, foi publicada uma portaria pelo Dmae para nomeação do servidor Ananias Lázaro Neto no cargo de comissão de gerente administrativo da autarquia. Ananias é ex-assessor parlamentar do vereador da bancada de oposição Thiago Fernandes (PSL) e já assessorou o ex-prefeito Gilmar Machado (PT). O servidor também já esteve na gestão do ex-chefe do Executivo como superintendente de Operação dos Distritos. 

* A nomeação para o cargo de gerência, com remuneração de cerca de R$ 7 mil conforme a estrutura organizacional do Dmae, passou a valer no dia 3 de abril. O assunto repercutiu nas redes sociais após postagem sobre a publicação e comentários
de membros de partidos de oposição insinuando suposto acordo com a atual gestão de Odelmo Leão visando as próximas eleições.  

A reportagem procurou Ananias, que disse que pode falar sobre o assunto assim que retornar de viagem na segunda-feira (13). O Dmae e o Município não se manifestaram. 

Nomeação de ex-assessor de políticos da oposição para cargo de gerência no Dmae repercutiu nas redes sociais |  Foto: PMU/Divulgação

LEGISLATIVO

Outra nomeação que repercutiu nas redes sociais nesta semana, porém desta vez na Câmara Municipal, foi a do novo secretário-geral da Casa, Glaucus Esteves Rodrigues da Cunha, filho do secretário municipal de Saúde, Gladstone Rodrigues. O cargo, segundo apurado pela reportagem, é um dos maiores do Poder Legislativo e com salário bruto superior a R$ 16 mil.

Questionado sobre a nomeação, o presidente Ronaldo Tannús informou que a motivação foi única e exclusiva pela competência do servidor. Glaucus é formado em Administração pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), em São Paulo, e trabalhou na mesa de operações do Banco de Crédito Nacional (BCN) e na área de investimentos do Citibank.  

Esteves, de 46 anos, é produtor rural e também proprietário de uma lotérica. “É uma honra e privilégio poder trabalhar com o Ronaldo. Tenho certeza de que ele está muito comprometido com a função que assumiu. Confio muito na competência e comprometimento do presidente e por isso aceitei esse novo desafio para junto com ele contribuir para esse novo momento da Câmara Municipal”, disse o secretário à reportagem.



* ERRATA: O Diário errou ao informar que a postagem viralizada nas redes sociais foi postada pelo político Professor Neivaldo (PT). O texto foi corrigido às 15h32.




 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »