27/01/2020 às 12h40min - Atualizada em 27/01/2020 às 13h41min

Wilson Pinheiro assume a presidência da Câmara de Uberlândia

Oposição e vereadores da base são contrários à permanência do vereador no cargo por responder a processos criminais e temer transtornos administrativos

SÍLVIO AZEVEDO
Wilson Pinheiro assumiu a presidência da Câmara nesta segunda (27) | Foto: Diário de Uberlândia
Faltando uma semana para o fim do recesso parlamentar na Câmara Municipal de Uberlândia, o vereador Wilson Pinheiro (PP) assumiu, nesta segunda (27), a presidência da Casa após ter revertida a decisão judicial que o afastava dos trabalhos no Legislativo. Ele é o segundo vice-presidente e assumiu a mesa diretora no lugar do interino Antônio Carrijo (PSDB).

Entre as primeiras medidas como presidente, Wilson se reuniu com diretores de departamentos para saber sobre o andamento dos trabalhos administrativos. O vereador espera contar com a manutenção de Carrijo e Adriano Zago como vice-presidente e ordenador de despesas, respectivamente, para manter os compromissos da Casa em dia. Uma nova reunião ficou marcada para hoje.

Uma das obrigações da Câmara que deverá sofrer impacto imediato com a troca na presidência é o pagamento dos servidores, pois é necessário fazer um processo de credenciamento no Tribunal de Contas, Caixa Econômica Federal e Receita Federal. De acordo com Wilson Pinheiro, caso Adriano Zago e Carrijo aceitem se manter na mesa diretora, o processo será menos burocrático.

Porém, segundo o vereador Thiago Fernandes, a situação não é tão simples. Primeiro por causa do tempo hábil e porque houve uma reunião no último domingo (26), em que todos os vereadores descartaram ser ordenador de despesas no mandato de Wilson Pinheiro. “Ontem tivemos uma reunião que durou quase toda a tarde e todos os vereadores que estão com mandato disseram não ter interesse de compor a ordenadoria de despesas com o vereador Wilson. Na verdade, gostaríamos que ele não assumisse a presidência, porque ele está respondendo a processo judicial”, disse Thiago Fernandes.

Conforme explicou Thiago Fernandes, caso Wilson não desista de ser presidente da Câmara, os vereadores poderão entrar com um pedido no Ministério Público e na Justiça para impedi-lo exercer a função de presidente. “Vamos tentar demovê-lo da ideia de permanecer nesse cargo, porque a manutenção dele no cargo vai causar diversos transtornos administrativos, uma vez que a casa não terá ordenador de despesas e também porque contraria o que nós entendemos ser, e que já foi tomado por linha pelos vereadores, que é a convocação de novas eleições no dia 3.  Por esses dois motivos entendemos ser desnecessária e não concordamos com o vereador Wilson na presidência da casa”.


Sgto Ednaldo
Um dos pontos falados por Wilson Pinheiro é a manutenção dos assessores que foram nomeados no gabinete do Sargento Ednaldo (PP), suplente que assumiu seu gabinete enquanto esteve afastado por decisão judicial. O vereador afirmou que terá uma conversa com o antecessor para manter a equipe até a próxima segunda-feira (3).

“Não vou nomear nenhum assessor meu agora. Só a partir do dia 4 de fevereiro. Vou reunir com o Ednaldo para ver se ele tem o interesse de manter os assessores nomeados no meu gabinete até a posse dele, na segunda, para evitar gastos com exoneração e recontratação”.

Sobre seu retorno à Câmara, Wilson Pinheiro afirmou estar tranquilo e que vai provar sua inocência. “Saio na rua de cabeça erguida, conversando com todo mundo e estou tranquilo. A CPI foi um sucesso e o contrato da cooperativa de transporte de Goiás com a Prefeitura suspenso”.

Outra questão deverá ser abordada na primeira sessão de 2020 será a recomposição dos membros das Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI), que analisam a cassação dos mandatos dos vereadores Alexandre Nogueira, Juliano Modesto e do próprio Wilson Pinheiro. “Temos a questão das comissões, que vamos recompor com os vereadores que assumirão no dia 3. Vamos dar a posse e fazer as eleições para essas comissões. Lembrando que suplente não pode presidir, mas pode fazer parte delas”.

Sobre o seu processo de cassação, Wilson Pinheiro foi enfático. “Tô tranquilo”.

Posse dos suplentes
A posse dos novos vereadores está marcada para a primeira sessão de 2020, dia 3 de fevereiro. Alguns suplentes ainda não foram notificados, como os casos do Marcos Gomes (MegaBox) (PT) e Delfino Rodrigues (PT). Outros ainda não protocolaram a desistência da vaga, como William Alvorada e Carlito Cordeiro.

O vereador Roger Dantas protocolou na manhã desta segunda-feira (27), a carta de renúncia. Era o último, dos quatro legisladores que fizeram acordo com o Ministério Público Estadual (MPE) na Operação “Má Impressão”.

A presidência da Câmara marcou uma sessão especial para esta terça-feira (28) para a leitura da renúncia de Roger Dantas e convocação do suplente Ronaldo Tannus (MDB). 



* O texto foi atualizado às 17h55 desta segunda-feira (27). 



















 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »