07/01/2020 às 13h46min - Atualizada em 07/01/2020 às 13h46min

Comércio de Uberlândia prepara liquidações para compensar sazonalidade

Shoppings da cidade e lojas fazem promoções para limpar estoque e manter ritmo de vendas

SÍLVIO AZEVEDO
Larissa Zilioli, gerente do Center Shopping, destaca ações de olhos nas férias escolares para movimentar comércio | Foto: Divulgação
Passada a euforia com as vendas do final de ano, que contemplaram a Black Friday, em novembro, e o Natal, em dezembro, chegou a hora das empresas e comércios se prepararem para um novo ano. E o desafio é manter o ritmo já no mês de janeiro, tradicionalmente marcado por desaceleração. Diante disso, estabelecimento comerciais de Uberlândia têm apostado em liquidações e renovação de estoque para atrair o consumidor.

Geralmente, o segundo semestre é mais forte em termos de vendas para o varejo porque há a concentração de datas comemorativas importantes para o setor. O Natal é a principal delas, mas ainda há a Black Friday, o Dia dos Pais e o Dia das Crianças.

O apelo comercial e emotivo dessas datas faz o volume de vendas aumentar. Além das datas comemorativas, no segundo semestre também há a injeção de renda propiciada pelo 13º salário e pela geração de empregos temporários.

Segundo o economista-chefe da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio-MG), Guilherme Almeida, a queda de movimentação no comércio é ocasionada pela sazonalidade, datas comemorativas em dezembro e as obrigações de janeiro.

 
“Em janeiro, por exemplo, nós não temos nenhuma data comemorativa significativa para todo o setor, com essa expressividade. Ao invés de termos a injeção de renda proporcionada pelo 13º, nós temos compromissos obrigatórios de início de ano, que são os impostos, material escolar, matrícula escolar, e isso acaba gerando um impacto negativo para o setor como um todo”, disse.

Mesmo com essa queda no setor varejista, alguns nichos aproveitam o período para vender mais. É o caso dos comércios de materiais escolares e combustíveis.

“Os pais vão às compras de material escolar no mês de janeiro já se preparando para a volta às aulas. E nós temos o segmento de combustíveis e lubrificantes que, apesar da alta inflação impactar a demanda por esse bem, em janeiro temos movimentação muito grande nas estradas por motivo de lazer ou escoamento de produção, isso acaba demandando mais”, disse Almeida.

Ainda para o economista, os comerciantes devem buscar alternativas para minimizar essas perdas, começando com o planejamento de compras e vendas antes mesmo do final do ano.

 
“Comerciantes acabam incrementando as lojas em dezembro com aquela expectativa de vendas muito superestimada. Então acaba com muito produto parado no seu estoque. Por isso, o planejamento deve começar lá no fim do ano, justamente para ele entrar no mês de janeiro com poucas mercadorias paradas, fica aquele dinheiro lá imobilizado em ativos cuja a saída é incerta.”

AÇÕES
Para tentar minimizar esses impactos, o comércio acaba lançando algumas ações. Em janeiro, há liquidações em alguns segmentos, justamente para tentar contornar essa queda no fluxo de consumidores.

É o que acontece em alguns shoppings da cidade. No Center Shopping, estão programadas diversas ações que buscam atrair os consumidores, como a tradicional liquidação de janeiro. “A Liquida Ponto Mix, que já acontece há cinco anos, será do dia 10 ao dia 12 de janeiro. Serão três dias de liquidação, sexta, sábado e domingo, com horário normal de funcionamento do shopping, com a participação das principais lojas do segmento de moda, acessórios, calçados e eletro com desconto bastante agressivos”, explicou a gerente de marketing, Larissa Zilioli.

Quem vai aproveitar a liquidação para zerar o estoque é Samuel Roman de Toledo, que tem uma loja da Melissa no Center Shopping e quer aproveitar para começar fevereiro com a coleção nova de calçados. “A gente vem com descontos agressivos para pegar o que ficou do Natal e virar o estoque para começar fevereiro já com lançamento de uma nova coleção. Então são essas duas vertentes, que é a liquidação e, logo em fevereiro, a coleção nova. O cliente vem querendo novidade e a gente consegue fazer girar os produtos.”

Samuel Roman de Toledo aposta em renovação de estoque para atrair clientes | Foto: Divulgação 

Além da liquidação, o Center Shopping aposta no período de férias das crianças e nas compras para a volta às aulas, que gera bastante movimento e consumo nas lojas especializadas.

“No dia 15 entra o evento de férias, com um grande brinquedo com piscina de bolinha e uma matemática de safari. É um formato que já fizemos em julho do ano passado com a Casa da Árvore, que gerou bastante burburinho, principalmente para uma faixa etária de 5 a 11 anos.  Na volta às aulas a gente vai fazer uma campanha focada bastante no digital, também a partir do dia 15, pegando as principais lojas de varejo focadas neste segmento”, disse Larissa Zilioli.

No outro extremo da cidade, o Uberlândia Shopping também prepara uma liquidação de janeiro. O Saldão de Verão começa no dia 10 com descontos que podem chegar a 70% em produtos de vestuários e acessórios, eletrodomésticos e eletrônicos.

“É um outro ponto positivo para os lojistas que têm a oportunidade de fazer uma queima de estoque e se preparar para nova coleção. A gente aproveita para fazer uma promoção, uma rodada de desconto bacana”, disse o superintendente do Uberlândia Shopping, Fredson Dourado.

Segundo o administrador, em 2018 o Saldão de Verão foi realizado na semana entre o Natal e o Ano Novo, mas em 2020, será realizado em janeiro para dar mais tranquilidade e comodidade aos consumidores.

“No final do ano tem que toda aquela movimentação de troca de presente e a gente não quis atrapalhar. Então passamos para janeiro, que é um mês que normalmente as pessoas esperam mais as liquidações. É uma oportunidade de os clientes comprarem produtos de qualidade com preços bem agressivos.”
Além do Saldão de Verão, o shopping promoverá um pocket-show com a banda Venosa no dia 11 e será feito o sorteio de um carro da premiação de Natal.
 
Empresário estima 20% a mais nas vendas do ano
Não é somente o comércio varejista que se prepara para as vendas do mês de janeiro. As grandes empresas e indústrias vêm se organizando para todo o ano. Com um 2019 fechando com crescimento acima dos 11% na empresa, o diretor-presidente da Junco e presidente da Associação Comercial e Industrial de Uberlândia (Aciub), Paulo Romes Junqueira, espera planejar bem o orçamento para garantir boas vendas e resultados positivos, com estimativa de aumento de 20,5% este ano.

“Já é com toda certeza [dentro do planejamento] de onde vamos crescer, para as regiões que vamos crescer mais, ou menos, e quais os produtos que nós vamos vender. Então o quê, para quem, e onde, já está tudo definido no orçamento”.

Com uma empresa que vende artigos e alimentos para festas, Paulo Romes diz que a sazonalidade não afeta diretamente os negócios, mas para atingir o resultado de vendas esperado é necessário seguir à risca o que foi planejado no começo do ano.

“É importante compreender que quando nós desenhamos o nosso orçamento, a gente não tem o número de quanto vai dar o percentual. O que faz a gente chegar aos 20% é sentindo toda a equipe de vendas do Brasil e se faz um desenho de onde nós vamos vender, o que nós vamos vender, quais os produtos que vão vender mais. É isso que faz com que nós cheguemos no final do resultado 20,59% [a mais]”.

Romes: para atingir resultado tem que seguir planejamento à risca | Foto: Divulgação
 








 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »