23/11/2019 às 08h40min - Atualizada em 23/11/2019 às 08h40min

Aumenta em 73% número de aparecimento de escorpiões em Uberlândia

Calor e chuva são mais propícios à proliferação do animal, aponta CCZ

NILSON BRAZ
Escorpião pode sobreviver por meses sem se alimentar, caso esteja em ambiente úmido | Foto: Vinícius Lemos

Os últimos meses foram marcados pelas altas temperaturas e, mais recentemente, a chegada do período de chuvas em Uberlândia. E juntando calor com chuva, é criada a condição propícia para a proliferação e aparecimento de escorpiões. De acordo com informações do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), nos dois últimos meses, comparando com os demais de 2019, o número de chamados da população relatando o aparecimento do animal aumentou 73%.

Esse aumento acende um alerta para a população e para as autoridades. De acordo com a coordenadora do Programa de Controle de Animais Peçonhentos do CCZ, Juliana Junqueira, não existe uma alternativa para controle da proliferação do animal. “O escorpião se adaptou totalmente às áreas urbanas. Encontraram ambientes propícios para reprodução como a rede de esgoto, por exemplo. Além de ser um animal muito resistente, que pode sobreviver por meses sem se alimentar, caso esteja em um ambiente úmido. E com o aumento na quantidade de chuvas, que enche as redes pluviais, a tendência é que eles saem desses locais e procurem abrigo dentro das casas”, disse Junqueira.

Por esse motivo, os especialistas explicam que a única forma de se precaver contra o animal é com medidas preventivas. Uma delas é vedar vãos, frestas e ralos com telas de proteção, já que as barreiras físicas ajudam a impedir que os animais entrem nas casas. Outra orientação é evitar novos ambientes onde o animal possa se abrigar, alimentar e reproduzir. “A população tem que manter os quintais limpos, não jogar lixo e resto de materiais de construção em terrenos, pois os animais estão em busca de abrigo e alimentos, como as baratas”, explica Juliana.

O alerta não fica restrito aos cidadãos, a população animal também corre riscos com os escorpiões. Isso porque ao contrário do ser humano, que sente medo ou asco, os animais de estimação podem ter um instinto de curiosidade. De acordo com a veterinária Suelen Marchi, essa curiosidade os deixam mais vulneráveis a picadas. “Os pets, como gatos e cachorros, vão para o lado do escorpião, tentam pegar ou cheirar na tentativa de identificar o que é. Não é à toa que a maioria dos atendimentos de animais de estimação em pet shops é que levaram picadas, o ferimento está nas patas e focinhos”, conta a veterinária.

De acordo com Suelen, os animais de estimação, principalmente os de pequeno porte, costumam ter os sintomas da picada mais agravados, principalmente a dor. “Quando um pet é picado, ele sente muito mais dor do que o ser humano, além disso, o local fica inchado e com vermelhidão. Por causa da dor, eles choram muito e em casos mais graves têm salivação intensa e vômito. Por isso, se algum dono encontrar os animais chorando, acuados, alguns quietos, outros agitados e aparentando sentindo dor, mesmo que não tenha visto nenhum escorpião na casa, a orientação é que procure um veterinário o mais rápido possível. E caso encontre a picada e perceba que o ferrão ainda está no local, a recomendação é que retire o ferrão, porque isso ajuda a amenizar a dor. Isso se o animal permitir, porque geralmente eles tentam proteger a região de onde estão sentindo dor”, explicou.

A veterinária disse ainda que não há um soro antiescorpiônico para os animais de estimação, como existe para os humanos. Nesses casos, é ministrado analgésico aos animais e feito um acompanhamento. Mas ela alerta que caso não tenha esse cuidado, os pets que levaram a picada podem morrer. Por isso a importância de se procurar um veterinário.

A orientação no caso de alguém encontrar um escorpião em casa é de chamar o CCZ. Agentes vão até o local, fazem a captura do que foi encontrado e realizam novas buscas no imóvel. Caso o próprio morador faça a captura antes da chegada dos agentes, é preciso ter cuidado. “Se o escorpião ainda estiver vivo a pessoa que encontrou precisa ter segurança de colocá-lo em uma caixa, ou em um vidro. Colocar um balde em cima para que ele fique preso ou mesmo conseguir matar, também pode. Mas sempre com segurança”, disse Juliana. O telefone para contato com o Centro de Controle de Zoonoses é o 3213-1470.






Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »