27/09/2019 às 10h50min - Atualizada em 27/09/2019 às 10h50min

Bairro Novo Mundo ainda não conta com serviços básicos em Uberlândia

Moradores apontam falta de linha de ônibus, serviço de varrição e atendimento à saúde

DA REDAÇÃO
Nilson Borges, morador do bairro há 5 anos, varre parte da rua para evitar o entupimento dos bueiros | Foto: Núbia Mota/Divulgação

O bairro Novo Mundo, na zona leste de Uberlândia, completou 10 anos de existência no dia 25 de setembro e, apesar do planejamento urbano e localização privilegiados, os moradores se queixam de não terem acesso a serviços que são um direito da população, como transporte público, limpeza das ruas e atendimento público à saúde.

Como os ônibus não circulam dentro do bairro, quem mora e trabalha naquele ponto da cidade precisa andar por vários quarteirões até as estações da avenida Segismundo Pereira. Sem serviço de garis, os próprios moradores varrem a porta de suas casas e, para obter serviços de atendimento na área da saúde, recorrem a unidades de outras localidades. A obra da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Novo Mundo está parada desde 2016.

Quinze dos 35 funcionários da empresa de serviço de internet onde o supervisor técnico Vinícius Pereira trabalha, assim como ele, utilizam o transporte coletivo. Mas até 2 meses atrás, quando a loja funcionava no centro da cidade, todos deixavam o carro ou a moto em casa, por questão de economia, e utilizam ônibus. Agora, com a dificuldade de chegar até à empresa, que fica a 1 quilômetro da estação da avenida Segismundo Pereira, a maioria voltou a usar transporte individual, o que aumentou a despesa para os trabalhadores e reduziu o gasto da empresa com vale-transporte - de R$ 5 mil para R$ 2.700 por mês.

Como não tem carro nem moto, Vinícius Pereira se viu obrigado a pegar ônibus diariamente e andar cerca de 15 minutos a pé sob sol forte entre a estação de ônibus e a empresa. Com a chegada do período chuvoso, ele já se preocupa sobre como fará o trajeto. “Como aqui é um bairro alto e uma área aberta, sem edifícios, venta muito. Com a temporada de chuvas, já prevejo que vai dificultar muito, porque não tem guarda-chuva que vai. E aqui é uma avenida comercial, estão vindo outras empresas, com novos funcionários, o que requer essa facilidade de acesso que ainda não temos”, disse Pereira.

“A Prefeitura está dando um tiro no pé, porque está deixando de ganhar com o transporte coletivo e nós estamos deixando de empregar cerca de 6 pessoas a mais, porque queríamos ampliar o atendimento até às 22h, mas é muito perigoso. Não dá para deixar o funcionário ir embora a pé de noite. A rua fica deserta”, disse Erika Moura, assistente financeiro da empresa.

Além de usar ônibus, a vendedora Lourdes Fernandes Gomes precisa de atendimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mas, com a falta de atendimento médico próximo de casa, ela precisa se deslocar constantemente até a Unidade de Atendimento Integrado (UAI) Pampulha, onde faz tratamento por causa de um problema de coluna. “Já fizemos abaixo-assinado para conseguir os ônibus e tivemos mais de 8 folhas grandes de caderno (de assinaturas). Ficaram de vir aqui demarcar os pontos, mas disseram que o ônibus vai entrar poucas vezes, o que não adianta. Agora, estamos pensando em fazer abaixo-assinado para conseguir um postinho e atendimento médico mais perto de casa”, disse Lourdes Gomes.
 
VARRIÇÃO
Sem serviço regular de gari, quem quer ter a rua de casa limpa, precisa varrer por conta própria. O segurança Nilson Borges mora no Novo Mundo há 5 anos e, desde então, varre diariamente da frente de casa até o fim do quarteirão para evitar o acúmulo de folhas e o entupimento dos bueiros.

“Desde que moro aqui, vi a Prefeitura limpar os bueiros uma vez, nesse ano. Mas não adianta limpar o bueiro e não varrer a rua.  Tem muito morador que não tem tempo para ficar varrendo a porta de casa todo dia, além disso tem muito terreno vago.  Já fui atrás da Prefeitura, de vereadores. A Secretária de Trânsito nos passou a rota do ônibus há mais de um ano, mas nunca executa. E a (falta da) UPA Novo Mundo é um dos principais problemas do bairro. Tem muita gente aqui que depende desses serviços. A gente paga todos os impostos, assim como todo mundo, para não ter nada em troca”, disse Borges.
 
PREFEITURA
 
Ônibus vão entrar no bairro a partir de outubro
 
Em resposta às demandas apresentadas por moradores e pessoas que trabalham no bairro Novo Mundo, a Prefeitura de Uberlândia encaminhou uma nota ao Diário.  A Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (Settran) informou que, a partir do próximo mês, a linha I360 - que atualmente passa pela avenida Segismundo Pereira - começará a trafegar por outras vias do bairro, melhorando o acesso da população ao transporte coletivo. No local, também foi reforçada a sinalização das vias. 

Quanto à varrição, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Serviços Urbanos esclareceu que já aumentou a frequência da limpeza das vias do bairro, por meio de mutirões. Não foi informada a frequência da realização desses mutirões nem se há perspectiva de colocar equipes de limpeza em determinados dias da semana, como ocorre em outros bairros.

Por meio da mesma nota, o Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) informou que iniciou um estudo técnico para aumentar os bairros atendidos pela coleta seletiva, observando a localização e a quantidade de materiais descartados em cada bairro. A abrangência do serviço para o Novo Mundo depende do resultado deste estudo. No bairro, a coleta de lixo comum é feita três vezes por semana.

Por fim, a Prefeitura esclareceu - sem mencionar a obra da UPA que está paralisada - que entrou com um pedido de autorização perante o Ministério da Saúde para a abertura de uma nova unidade naquela região. “A gestão municipal reforça que segue atenta às necessidades dos moradores do bairro Novo Mundo, assim como das demais regiões da cidade”, diz a nota.

Solicitações da população podem ser feitas pelo telefone 3239-2800.

 
 
 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »