15/09/2019 às 11h05min - Atualizada em 15/09/2019 às 11h05min

Bitcoin, a moeda virtual que vem ganhando espaço

Conheça um pouco mais da criptomoeda que balança o mercado financeiro mundial

SÍLVIO AZEVEDO
Uma criptomoeda supervalorizada no mercado econômico mundial que movimenta bilhões de dólares toda semana. O Bitcoin (BTC) tem atraído cada vez mais investidores pelo retorno financeiro alto. Seu valor é avaliado como uma ação na bolsa de valores. Até a última quinta-feira (12), um Bitcoin estava avaliado em cerca de R$ 42 mil.

Mas o que é o Bitcoin? Trata-se da primeira criptomoeda digital de código aberto desenvolvida e lançada em 2008 por um grupo de programadores independentes desconhecidos que atendem pelo nome de Satoshi Nakamoto. O BTC pode ser usado como meio de pagamento, investimento e tem por principais características o fato de ser criptografado e descentralizado.

Ser criptografado é algo muito importante quando se fala do mundo digital, pois se trata de uma técnica que oferece segurança e confiabilidade. Já o fato de ser descentralizado significa que as transações em Bitcoin não precisam ser mediadas por uma instituição financeira ou governo, por isso a importância da criptografia.

Em Uberlândia, existem pessoas que são entusiastas do uso do Bitcoin. Entre elas está o gerente de projetos e investidor Edivaldo Portela Júnior, que vê na criptomoeda um mercado promissor, uma nova era das transações financeiras.

“Assim como em 1949, o primeiro cartão de crédito, o DinersClub, se vendia como passagem para um estilo de vida moderno e nos libertava da necessidade de carregar dinheiro, o Bitcoin hoje nos prepara para um novo estilo de vida, baseado em transações diretas entre pessoas, sem taxas, sem restrição de horários, sem instituições ou governo definindo seu valor", disse.

Mesmo com a desconfiança de muita gente que é cética quando o assunto é transação financeira virtual, Edivaldo Portela 
acredita que, com o tempo, as pessoas ganharão mais confiança na medida em que vão conhecendo as vantagens e funcionalidades do Bitcoin.

“A desconfiança das pessoas se deve, na maioria das vezes, à falta de informação ou má informação. E à medida em que o Bitcoin for difundido como um meio de pagamento, o que já é realidade em países como Japão, favorecerá ainda mais a sua adesão. Em pouco tempo, veremos o Bitcoin superando todas as expectativas e se confirmando como uma grande revolução monetária.”

Em alguns países, já podem ser encontrados caixas-eletrônicos para a compra e venda de Bitcoins. Também há previsão de que algumas máquinas de cartões passarão a aceitar o pagamento em criptomoedas.

O peso do Bitcoin no mercado financeiro é tão grande que analistas americanos acreditam que o presidente Donald Trump proibirá o uso da criptomoeda se o seu preço chegar a US$ 100 mil.

MINERAÇÃO
Existem duas formas de se conseguir Bitcoins. Uma delas é comprar em uma espécie de bolsa de valores de criptomoedas, conhecidas como exchanges. Outra forma é através da mineração, que consiste em resolver problemas matemáticos de alto grau de dificuldade, que são ajustados em tempo real pela rede.

Os principais apoiadores da rede do Bitcoin são conhecidos como mineradores, que usam computadores para realizar registros e fazer transações, que posteriormente são gravadas no Blockchain, espécie de livro razão, de acesso público, com histórico de todas as transações já feitas.

De uma forma simples, o Blockchain é um aplicativo que oferece uma carteira digital pessoal e permite que o usuário envie e receba Bitcoins a partir dela.

O Bitcoin foi projetado de modo a reproduzir a extração do ouro com o limite previamente estipulado de 21 milhões de bitcoins, sendo que a estimativa é que a última fração de Bitcoin seja colhida no ano 2140.

INVESTIMENTO
Apesar da sua volatilidade, o Bitcoin fornece possibilidades de ganhos, tanto a curto prazo, quanto a longo prazo. A curto prazo, é possível obter lucros através da arbitragem de bitcoins, que é comprar o bitcoin mais barato em uma exchange, e vendê-lo em outra onde esteja cotado em um valor maior.

A longo prazo, usando da estratégia "buy and hold", bastante conhecido no mercado de ações, que consiste em comprar um determinado ativo e permanecer com ele até que atinja uma grande valorização. O Bitcoin gerou ganhos de 1.000% nos últimos dois anos.

“Quem tinha 10 bitcoins em janeiro de 2017, tinha o valor aproximado de US$ 10 mil. Atualmente, esses mesmos 10 bitcoins valem aproximadamente U$ 100 mil. Entretanto, para se obter esses ganhos com o Bitcoin, é extremamente importante conhecer essas formas de estratégias antes de se investir”, disse Edivaldo Portela Júnior.

Assim como em todas as áreas, a melhor maneira de fazer um investimento correto é estudando o funcionamento da criptomoeda, seus riscos e suas vantagens. Buscar conselhos com especialistas e empresas realmente especializadas no assunto. Algumas delas são indicadas pela própria página do Bitcoin na internet.
 
SEGURANÇA
Manter os bitcoins em sua própria carteira é uma forma de se ver livre de roubos ou fraudes. Já deixar as criptomoedas investidas em corretoras ou exchanges é um risco, pois se não tiver dispositivos de segurança, elas ficam vulneráveis a ataques de hackers.

“Se vai operar compra e venda de bitcoins, o ideal é investir apenas em empresas que se conheçam, que tenham estrutura para garantir a segurança da operação e que te propicie a extração dos seus rendimentos com o menor prazo possível. Existem plataformas que você consegue transferir seus rendimentos para a Blockchain em até 24hs úteis”, explicou Edivaldo Portela Júnior, entusiasta da criptomoeda em Uberlândia.

FRAUDES
Ultimamente, a imprensa tem mostrado casos de fraudes envolvendo as criptomoedas. Em Uberlândia, o primeiro caso aconteceu há cerca de dois anos, sendo o segundo registrado no Brasil.

Em outubro de 2017, um empresário foi sequestrado em Uberlândia e teve uma carteira digital, com diversos bitcoins de valores não divulgados, roubada. Na época, investidores disseram que a soma dos valores roubados poderia ser maior que R$ 2 bilhões.

No curso inicial das diligências, a Polícia Civil não descartava que o sequestro teria sido forjado para que a vítima fugisse com o dinheiro dos investidores. Até hoje o crime não foi solucionado. Em nota, a corporação informou que foi pedido a dilação do prazo para seguir com as investigações.
 
DÚVIDAS
O que é Bitcoin?
Bitcoin é uma moeda digital de código aberto. Foi desenvolvido e lançado em 2008 por um grupo de programadores independentes desconhecidos que atendem pelo nome de Satoshi Nakamoto.
É uma moeda criptografada e descentralizada, ou seja, não regulada por nenhum órgão ou país.
 
Para que é usado?
Pode ser usado como meio de pagamento ou investimento. Em alguns países, como o Japão, já é possível encontrar caixas-eletrônicos para a compra e venda de Bitcoins. Também há previsão de que algumas máquinas de cartões passem a aceitar o pagamento em criptomoedas.
 
Quanto vale?
O valor de um Bitcoin varia conforme as cotações do dia, assim como acontece no mercado de ações. Até a última quinta-feira, por exemplo, um Bitcoin valia cerca de R$ 42 mil.
 
Como comprar?
Existem duas formas de se conseguir um Bitcoin. A primeira é pela compra em uma espécie de bolsa de valores de criptomoedas, conhecidas como exchanges. A segunda forma é através da mineração, que consiste em resolver problemas matemáticos de alto grau de dificuldade, que são ajustados em tempo real pela rede. Para minerar um Bitcoin, no entanto, são necessários computadores avançados.

Como lucrar?
A curto prazo, é possível obter lucros através da arbitragem de bitcoins, que é comprar o bitcoin mais barato em uma exchange, e vendê-lo em outra onde esteja cotado em um valor maior. A longo prazo, usando da estratégia "buy and hold", bastante conhecido no mercado de ações, que consiste em comprar um determinado ativo e permanecer com ele até que atinja uma grande valorização. O Bitcoin gerou ganhos de 1.000% nos últimos dois anos.
 
É seguro?
Todas as transações em Bitcoin são criptografadas e gravadas no Blockchain, espécie de livro razão geral de acesso público. Para se ver livre de fraudes, o ideal é manter os bitcoins em sua própria carteira. Deixar as criptomoedas investidas em corretoras ou exchanges tem um risco um pouco maior, pois se a empresa não tiver dispositivos de segurança, fica mais vulnerável a ataques de hackers.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »