11/09/2019 às 08h05min - Atualizada em 11/09/2019 às 08h05min

Documentário destaca riquezas do Cerrado

“Entre Cerrado e Caçarolas” traz um olhar feminino sobre o bioma

ADREANA OLIVEIRA
Equipe passou por cidades do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba | Foto: Thaneressa Lima/Divulgação

Às vezes saímos dispostos a comprovar uma hipótese. E muitas vezes, o caminho que leva ao resultado surpreende, e encontramos algo diferente, ou além do que procurávamos. Quando Graziela Pascoli e Alice Gussoni procuraram a cineasta Nara Sbreebow, cada uma já era fascinada com o trabalho da outra. Graziela com o Cerrado, Nara na narrativa audiovisual e Alice em suas produções artísticas e culinárias.

“Resolvemos juntar tudo em um caldeirão e o mais interessante foi que a gente esperava uma coisa e conseguiu outra. A surpresa foi que o Cerrado do Triângulo Mineiro tem uma tradição muito forte de uso medicinal, mais que na culinária, e isso mudou um pouco o perfil do documentário e aprendemos ainda mais sobre nosso bioma”, disse Graziela.

E nesta quarta (11), Dia Nacional do Cerrado, na verdade um dia que representa mais uma luta pela sua conservação e preservação, Uberlândia poderá conferir o resultado da pesquisa no lançamento do documentário “Entre Cerrado e Caçarolas”, com duas exibições no Sesc.

Graziela explica que, saindo aqui, do Portal do Cerrado, percebe-se o quanto ele está fragmentado, não só em termos geográficos como humanos. “Encontramos fragmentos de conhecimento, de receitas, de culturas. Foi um trabalho de resgate feito junto a pessoas que valorizam e passam adiante essa cultura ancestral, são praticamente guardiões desse bioma tão rico”.

Para Graziela, o principal mérito desse documentário é ser uma ponte entre essas pessoas. Elas encontraram pelo caminho, no Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, muitas iniciativas que trabalham isoladamente. E muita coisa ficou fora do documentário de 28 minutos. Podemos esperar um desdobramento. “Temos material para uma série”, disse Graziela.

A diretora, Nara Sbreebow, afirma que o projeto é muito rico e mesmo que o Cerrado esteja negligenciado em algumas regiões, e alguns pesquisadores defenderem que só temos um vestígio do que o bioma realmente é, há segmentos da sociedade que se interessam em preservar essa memória, e ajudar a mantê-lo vivo. Só em pré-produção foi quase um ano de trabalho.

“O Cerrado está na arte, na culinária, na medicina e se configura por seus cheiros, sabores e lembranças. O departamento de Biologia da Universidade Federal de Uberlândia é conhecido internacionalmente por suas pesquisas nesse bioma, que tem características diferentes em cada região e é marcado por sua resistência”.

Nara destaca ainda a equipe. Foi quase toda composta por mulheres, que trazem um olhar feminino para o tema, voltado para a fertilidade da terra. Por hora, além das exibições de lançamento, o documentário também terá uma série de exibições na 1ª Festa da Semente, entre 24 e 28 de setembro em diferentes espaços.

O documentário entrará no circuito de festivais de curtas e em 2019 deve ser disponibilizado para todos em uma plataforma a ser anunciada.
 
SERVIÇO

O QUE: Lançamento do documentário “Entre Cerrado e Caçarolas”
QUANDO: quarta-feira (11), exibições às 18h30 e 19h30, abertura às 18h
LOCAL: Sesc Uberlândia (Rua Benjamin Constant, 844, Aparecida)
CLASSIFICAÇÃO: livre
INFORMAÇÕES: 3304-1200
 
FICHA TÉCNICA
Direção e Roteiro: Nara Sbreebow                        
Direção de Fotografia e Cinegrafia: Thaneressa Lima
Coordenadora de Produção: Ana Beatriz Hosken
Pesquisa e Ass. de produção: Graziela Pascoli (Esfera Ecológica)
Edição de Som, Criação desenho sonoro e trilha instrumental: Danilo Aguiar
Música: Luiz Salgado
Edição e Color Correction: Fracthierre Borges (Alva Filmes)
Produção Executiva: Alice Gussoni
Produção: Ekobé Filmes
Co-produção: Rumin Filmes

 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »