31/08/2019 às 10h02min - Atualizada em 31/08/2019 às 10h02min

Setor de franquias aposta no potencial de consumo do Triângulo Mineiro

Número de redes abertas nos seis primeiros meses de 2019 aumentou 11% em relação a 2018

SÍLVIO AZEVEDO
Danyelle Van Straten aponta que região do Triângulo Mineiro, assim como todo o estado, tem um grande potencial de consumo
De olho no mercado consumidor do Triângulo Mineiro, diversas empresas estão em busca de franqueados para oferecer seus produtos e serviços. Somente em Uberlândia e região, no primeiro semestre deste ano, 374 redes de franquias foram abertas, um aumento de 11% na comparação com mesmo período de 2018.

Dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF) mostram que o modelo de negócio faturou mais de R$ 3 bilhões no primeiro semestre de 2019 somente em Minas Gerais, 7,5% a mais que no mesmo período de 2018. Também foram abertas mais 7.365 unidades no estado.

Segundo a diretora regional da ABF de Minas, Danyelle Van Straten, a região do Triângulo Mineiro, assim como todo o estado, tem um grande potencial de consumo. “Existe um movimento de interiorização da franchising que está crescendo muito. Minas é o estado que mais cresce no interior. E o Triângulo Mineiro é um celeiro exponencial de crescimento no estado e, consequentemente, a franchising cresce muito”.

Quem lidera a lista de franchising é o setor de alimentação, mas o que mais cresce é o de saúde, beleza e bem-estar, porque é um segmento que até então era informal e vem se profissionalizando, através das franquias.

“Quando uma franqueadora entra em uma cidade, entra com uma estrutura pequena, mas com uma estratégia grande por trás. Então o empreendedor não está sozinho. Tem um sistema colaborativo estruturando o negócio. Ou seja, é um pequeno com a força de um grande. Isso acaba sendo muito atraente”, disse Danyelle Van Straten.

Para o consultor do Sebrae Marcílio Ribeiro Borges, a pessoa que compra uma franquia ganha algumas vantagens em relação a outra que simplesmente monta um negócio próprio. Mas, ele ressalta que tem que buscar uma marca forte, produtos que agreguem valor e qualidade ao cliente, além de uma condição de trabalho efetiva.

“Não adianta comprar uma franquia de uma marca que ninguém conhece. Aí é o próprio franqueado que terá que desenvolver a marca, e não receberá suporte para o marketing. É importante que o franqueador ofereça todo suporte, desde que seja desenvolvendo o produto até auxiliar na estratégia, como a escolha do ponto, fazer investimento financeiro que seja adequado à capacidade do franqueado”, disse o consultor.

Ainda segundo Marcílio Ribeiro, os interessados em adquirir uma franquia devem tomar alguns cuidados na hora de fazer a escolha do setor. “É importante conversar com franqueados de outras cidades. Verificar o suporte que a franqueadora vai oferecer e a taxa de sucesso.  O Sebrae dá esse suporte, ajudando o cliente a estudar o que a franquia está oferecendo”.

Quem viu o potencial econômico em Uberlândia foi Juliano Stefani Nonato, proprietário de uma franquia de ótica em São José do Rio Preto (SP) que traz a primeira loja fora do estado de São Paulo. Segundo o empresário, a empresa viu em Uberlândia uma oportunidade de negócios com marcas conceituadas.

“A gente enxerga a cidade como importante para os negócios. É a segunda maior cidade do estado de Minas Gerais e temos muitos clientes da região que já compram pelo site e rede social. A gente acredita no potencial da cidade, tanto pra viver quanto para trabalhar”.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »