23/07/2019 às 12h45min - Atualizada em 23/07/2019 às 12h45min

Praia Clube libera área após últimos laudos sobre morte de macacos serem inconclusivos

Dez animais deram negativo para febre amarela; apresentação de cartão de vacinas para a entrada não é mais obrigatória

GIOVANNA TEDESCHI
Cartão de vacinas não é mais obrigatório para entrada no clube | Foto: divulgação/ Praia Clube
O Praia Clube informou por meio de nota, nesta terça-feira (23), que a área do bosque está liberada para acesso e que não é mais necessária a apresentação de cartão de vacinas para comprovar a imunização contra a febre amarela.

Segundo as informações divulgadas pela assessoria de comunicação, o clube recebeu nesta segunda (22) o ofício da Secretaria Municipal de Saúde de Uberlândia, por meio da Diretoria de Vigilância em Saúde e Coordenação de Vigilância Epidemiológica, com os resultados dos exames feitos nos macacos que foram encontrados mortos no clube. Havia suspeita de que os animais estivessem contaminados com febre amarela.

Dos 14 animais encaminhados, dez deram negativos para a doença. Destes, quatro foram diagnosticados com infecção por herpes vírus humano tipo 1. Um macaco não foi enviado para análise por estar em avançado estado de decomposição e três ficaram como inconclusivos por dificuldade com as vísceras. As análises foram realizadas por meio de uma parceria entre a Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e a Universidade de São Paulo (USP).

Na última semana, o prefeito Odelmo Leão havia antecipado nas redes sociais que os exames descartaram a doença. Contudo, ainda restavam o resultado dos três laudos que, conforme nota emitida pelo clube nesta terça (23), foram inconclusivos.

Leia abaixo a nota na íntegra:


ENTENDA O CASO
Doze macacos foram encontrados mortos no fim de maio deste ano, na região sul de Uberlândia, situação que ligou o sinal de alerta contra a febre amarela no Município. A Secretaria Municipal de Saúde informou, posteriormente, o número de 14 animais. As ações de combate à febre amarela na cidade chegaram a ser reforçadas como medida de prevenção. 

De acordo com o coordenador da rede de urgência e emergência da secretaria, Clauber Lourenço, esses foram os primeiros casos de animais mortos registrados neste ano. Até o momento, não houve registro da doença em humanos.

2018
No ano passado, o Estado de Minas Gerais confirmou 365 casos da doença sendo 133 que resultaram em mortes. Diversos macacos foram encontrados mortos em Uberlândia durante o primeiro semestre de 2018 e a cidade ficou entre as 50 que estavam em estado de alerta.

Devido à situação, a Secretaria de Saúde intensificou a vacinação contra a febre amarela em Uberlândia. Ao todo, 4 mil doses extras foram aplicadas nos postos de vacinação temporários montados no Terminal Central do transporte coletivo e também no Parque do Sabiá.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »