13/07/2019 às 09h00min - Atualizada em 13/07/2019 às 09h00min

Inflação em Uberlândia varia 0,08% em junho, aponta IPC

Número é 0,03 pontos percentuais maior do que o registrado em maio

SÍLVIO AZEVEDO
Gastos com veículos foram um dos itens que puxaram inflação para cima | Foto: Sílvio Azevedo
O mês de junho fechou com uma variação de 0,08% no Índice de Preços ao Consumidor (IPC), medido pelo Centro de Estudos, Pesquisas e Projetos Econômicos-Sociais (Cepes) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). O número é 0,03 pontos percentuais maior do que o registrado no mês de maio (0,05%). Com o resultado, em 2019, a variação chegou a 2,14%, e no acumulado dos últimos 12 meses, 1,62%.

Dos nove grupos de itens utilizados na pesquisa, cinco puxaram o índice para cima: Habitação (0,27%), Transportes (1,04%), Saúde (0,09%) e Despesas pessoais (0,2%) e Educação (0,15%).  Alimentação e bebidas (-0,37%), Artigos de residência (-0,93), Vestuário (-0,83) e Comunicação (-0,08) tiveram deflação.

No transporte, um item que teve uma alta significativa foi o gasto com veículo próprio, principalmente no comércio de seminovos, que teve uma alta de 2,97%, enquanto combustíveis teve um índice de variação de 0,87%. O valor da energia elétrica também ajudou no saldo positivo, com um aumento de 3,44%, devido ao reajuste da tarifa energética realizado em maio.

Na outra ponta, o preço dos alimentos contribuiu para uma variação negativa.  As frutas tiveram uma retração de 18,1%, cereais, leguminosas e oleaginosas, 5,92%, e açúcares e derivados, 1,41%. Vale destacar também o aluguel residencial, com retração de 2,88%.

Segundo o economista do Cepes-UFU, Pedro Henrique Martins Prado, a pesquisa busca acompanhar o consumo das pessoas durante um período de tempo, para identificar quanto é gasto em produtos, e faz uma média ponderada. 

“Muitas vezes a pessoa vai no mercado e vê um produto mais caro e os veículos de comunicação anunciam que a inflação está baixa. Mas é que o índice de inflação considera todos os produtos que são consumidos em média por famílias de um a cinco salários mínimos. Então dentro desse índice entram vários produtos, desde carro, combustível, até as frutas que as pessoas consomem, remédios que utiliza, plano de saúde”, disse.

O Cepes-UFU também divulgou o valor dos itens que compõem a cesta básica. Em junho, a soma dos preços foi de R$ 402,97, 1,95% abaixo do registrado no mês de maio (R$ 410,97). Os itens que mais tiveram retração foram banana (-23,47%), o feijão (-16,14%), açúcar (-2,25%) e o pão (-2,22%), enquanto tomate (10,67%) e café (2,28%) tiveram variações positivas.

SALÁRIO MÍNIMO
A publicação do Cepes também traz o valor do Salário Mínimo Necessário, que é calculado com referência da cesta básica ajustada para uma família de dois adultos e duas crianças (ou três adultos), acrescidos outros gastos como educação, saúde, transporte e vestuário.

No mês de junho esse valor fechou em R$ 3.385,33, 1,95% a menos do que em maio (3.452,60). O resultado também mostra que o salário mínimo oficial, de R$ 998,00, representa apenas 29,48% do necessário.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »