20/06/2019 às 09h20min - Atualizada em 20/06/2019 às 09h20min

Energisa conclui a compra da Alsol

Empresa foi fundada em Uberlândia há sete anos e já instalou mais de 80 mil placas fotovoltaicas em todo o país

DA REDAÇÃO
Alsol é uma das pioneiras no país em sistemas fotovoltaicos e armazenamento de energia | Foto: Divulgação
O Grupo Energisa, o 5º maior do setor elétrico brasileiro em energia distribuída, concluiu a aquisição na última segunda-feira de 87% do capital da Alsol Energias Renováveis S.A. por R$ 11,7 milhões. Com a incorporação da empresa, a Energisa reforça sua presença na chamada energia 4.0, atuando no segmento de geração distribuída de energia, geração de energia por fontes renováveis, armazenamento de energia elétrica, monitoramento em tempo real de geração e consumo, além de eletrificação dos transportes.

A parceria foi anunciada no dia 3 de maio e aprovada sem restrições pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) no dia 28 do mesmo mês. “Temos grande potencial de sinergia entre o Grupo Energisa e a Alsol, que é referência em inovação no setor. Vamos ampliar os investimentos nesse segmento, reforçando a atuação inovadora do Grupo. Pretendemos ofertar novos produtos e serviços e ampliar o portfólio que oferecemos aos nossos clientes”, destaca Geraldo Mota, vice-presidente de Geração, Transmissão e Serviços do Grupo Energisa.

O executivo ressalta que 16% do mercado de geração distribuída do Brasil estão em áreas de concessão da Energisa, com destaque para a geração solar. “Nossas distribuidoras cobrem estados e regiões que estão no chamado ‘cinturão solar’ do Brasil, área que vai do Nordeste ao Pantanal, onde há maior incidência de raios solares”, disse, destacando que neste momento a prioridade será a construção de novas plantas solares e, posteriormente, a empresa pretende desenvolver projetos que combinam armazenagem e outras fontes renováveis distribuídas.

O fundador e CTO da Alsol, Gustavo Malagoli Buiatti, acredita que o potencial de crescimento é bastante alto. “No segmento solar, a Alsol vem crescendo acima da média nacional. Enquanto a evolução de potência fotovoltaica instalada no Brasil cresceu 29,4% por trimestre de 2012 a 2018, na Alsol a alta observada foi de 37,2% nesse mesmo período. A tendência, tendo o Grupo Energisa como aliado, é que possamos ampliar nossa atuação, aumentando consideravelmente nossa capacidade de geração”, diz. A expectativa é de que a atual capacidade, de 25 MW, chegue a mais de 50 MW até o fim de 2019, afirma. A empresa pretende ampliar a sua oferta na medida em que o mercado continue demandando, mesmo com eventuais alterações regulatórias ou tributárias em relação ao cenário atual.

A ALSOL
Fundada em 2012 em Uberlândia, a Alsol é uma das pioneiras no país em sistemas fotovoltaicos e armazenamento de energia por meio de baterias de lítio. No ano de sua fundação, a companhia instalou o primeiro sistema de geração solar conectado à rede do Brasil e, em 2014, o primeiro sistema de mini geração a biogás, também conectado à rede. Até 2018, a companhia instalou mais de 80 mil placas fotovoltaicas em todo o país. Além de solar e biogás, a Alsol também trabalha com outras fontes renováveis, como biomassa, eólica e hidrelétrica.

A Alsol se tornou o primeiro case de empresa incubada no Programa Algar Incubadora, do Grupo Algar. No ano seguinte, a empresa passou pelo processo de aceleração para, em 2016, ser a primeira empresa a fazer parte da Algar Ventures, que permanece como sócio minoritário da companhia. Atualmente, a empresa atua em 12 estados e conta com uma sede em Uberlândia e escritórios em Belo Horizonte e Goiânia.

ENERGISA
Com 114 anos de história, o Grupo Energisa é o 5º maior em distribuição de energia elétrica. Uma das mais antigas empresas de capital aberto do Brasil a companhia controla 11 distribuidoras em Minas Gerais, Paraíba, Rio de Janeiro, Sergipe, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, São Paulo, Paraná, Rondônia e Acre.  O Grupo atende a 7,7 milhões de clientes (o que representa uma população atendida de quase 20 milhões de pessoas) em 862 municípios em todas as regiões do Brasil. Com receita líquida anual de R$ 15,8 bilhões (em 2018), o grupo gera aproximadamente 14 mil empregos somente para colaboradores próprios.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »